MORTALIDADE ENTRE OS PORTADORES DE TUBERCULOSE EM PORTO VELHO (RO)

  • Tatiane Cabral Siqueira Fundação Universidade Federal de Rondônia (UNIR), Porto Velho-RO/ Acadêmica de Enfermagem
  • Rafaele Oliveira Bonfim Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto (EERP), Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto-SP/ Enfermeira. Mestranda no Programa de Pós-Graduação Enfermagem em Saúde Pública
  • Melisane Regina Lima Ferreira Fundação Universidade Federal de Rondônia (UNIR), Porto Velho-RO/ Acadêmica de Enfermagem
  • Nathalia Halax Orfão Fundação Universidade Federal de Rondônia (UNIR), Porto Velho-RO/ Enfermeira. Doutora. Professora do Departamento de Enfermagem
Palavras-chave: Tuberculose, Mortalidade, Resultado do tratamento, Sistemas de informação em saúde.

Resumo

Descrever a mortalidade entre os pacientes portadores de tuberculose no município de Porto Velho (RO). Estudo epidemiológico descritivo, do tipo transversal e abordagem quantitativa. A população foi constituída por todos os registros dos portadores de tuberculose que foram a óbito durante o tratamento, entre 2010 e 2015, no município selecionado. As variáveis foram analisadas por meio de distribuição de frequência, após atender os preceitos éticos. Verificou-se no Sistema de Informação de Agravos de Notificação (SINAN) que, independente da causa do óbito, a maioria era do sexo masculino, cor/raça parda, residia na zona urbana, caso novo, forma clínica pulmonar, não etilista, não diabético, raio-X de tórax suspeito de tuberculose e não foram acompanhados pelo TDO. Observou-se similaridade entre a causa do óbito e o perfil dos doentes de tuberculose, além de divergências entre os sistemas de informação, interferindo na avaliação dos óbitos e da realidade local.

Biografia do Autor

Tatiane Cabral Siqueira, Fundação Universidade Federal de Rondônia (UNIR), Porto Velho-RO/ Acadêmica de Enfermagem
Acadêmica de Enfermagem. Fundação Universidade Federal de Rondônia (UNIR), Porto Velho (RO), Brasil.
Rafaele Oliveira Bonfim, Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto (EERP), Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto-SP/ Enfermeira. Mestranda no Programa de Pós-Graduação Enfermagem em Saúde Pública
Enfermeira. Mestranda no Programa de Pós-Graduação Enfermagem em Saúde Pública. Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto (EERP), Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto (SP), Brasil
Melisane Regina Lima Ferreira, Fundação Universidade Federal de Rondônia (UNIR), Porto Velho-RO/ Acadêmica de Enfermagem
Acadêmica de Enfermagem. Fundação Universidade Federal de Rondônia (UNIR), Porto Velho (RO), Brasil.
Nathalia Halax Orfão, Fundação Universidade Federal de Rondônia (UNIR), Porto Velho-RO/ Enfermeira. Doutora. Professora do Departamento de Enfermagem
Enfermeira. Doutora Docente do Departamento de Enfermagem. Fundação Universidade Federal de Rondônia (UNIR), Porto Velho (RO), Brasil.

Referências

World Health Organization. Global tuberculosis report 2016. Geneva: World Health Organization; 2016. Disponível em: http://apps.who.int/medicinedocs/en/d/Js23098en/

World Health Organization. The End TB strategy. Geneva: World Health Organization; 2015. Disponível em: http://www.who.int/tb/post2015_strategy/en/

Rocha MS, Oliveira GP, Aguiar FP, Saraceni V, Pinheiro RJ. Do que morrem os pacientes com tuberculose: causas múltiplas de morte de uma coorte de casos notificados e uma proposta de investigação de causas presumíveis. Cad. Saúde Pública. 2015; 31(4): 709-21. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/0102-311X00101214

Ceccon RF, Maffacciolli R, Burille A, Meneghel SN, Oliveira DLLC, Gerhardt TE. Mortalidade por tuberculose nas capitais brasileiras, 2008-2010. Epidemiol. Serv. Saúde. 2017; 26(2): 349-58. Disponível em: http://dx.doi.org/10.5123/s1679-49742017000200012

Perrechi MCT, Ribeiro AS. Desfechos de tratamento de tuberculose em pacientes hospitalizados e não hospitalizados no município de São Paulo. J bras. pneumol. 2011; 37(6): 783-90. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S1806-37132011000600012

Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Vigilância em Saúde. Boletim Epidemiológico. Perspectivas brasileiras para o fim da tuberculose como problema de saúde pública. Brasília (DF): Ministério da Saúde; 2016. Disponível em: http://portalarquivos2.saude.gov.br/images/pdf/2016/marco/24/2016-009-Tuberculose-001.pdf

Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Vigilância em Saúde. Boletim Epidemiológico. Indicadores prioritários para o monitoramento do Plano Nacional pelo Fim da tuberculose como problema de saúde pública no Brasil. Brasília (DF): Ministério da Saúde; 2017a.

Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância das Doenças Transmissíveis. Panorama da tuberculose no Brasil: indicadores epidemiológicos e operacionais. Brasília (DF): Ministério da Saúde; 2014a. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/panorama%20tuberculose%20brasil_2014.pdf

Brasil. Resolução 466, de 12 de dezembro de 2012. Aprova diretrizes e normas regulamentadoras de pesquisas envolvendo seres humanos. Diário Oficial da União, Brasília, 12 dez. 2012. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/cns/2013/res0466_12_12_2012.html

Organização Mundial da Saúde. Classificação Estatística Internacional de Doenças e Problemas Relacionados à Saúde – CID-10. Organização Mundial da Saúde; 2008. Disponível em: http://apps.who.int/classifications/icd10/browse/2016/en

Orfão NH, Crepaldi NY, Brunello MEF, Andrade RLP, Monroe AA, Ruffino-Netto A et al. Coordenação da assistência à tuberculose: registro de dados e a implementação de um sistema informatizado. Ciênc. saúde coletiva. 2017; 22(6): 1969-77. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/1413-81232017226.15352016

Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância das Doenças Transmissíveis. Protocolo de vigilância do óbito com menção de tuberculose nas causas de morte. Brasília (DF): Ministério da Saúde; 2017b. Disponível em: http://dive.sc.gov.br/conteudos/publicacoes/Protocolo-para-Vigilncia-do-obito.pdf

Cavalcante EFO, Silva DMGV. Perfil de pessoas acometidas por tuberculose. Rev Rene. 2013; 14(4): 720-29. Disponível em: http://dx.doi.org/10.15253/rev%20rene.v14i4.3531

Loureiro RB, Villa TCS, Ruffino-Netto A, Peres RL, Braga JU, Zandonade E et al. Acesso ao diagnóstico da tuberculose em serviços de saúde do município de Vitória, ES, Brasil. Ciênc. saúde coletiva. 2014; 19(4): 1233-44. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/1413-81232014194.01002013

Orfão NH, Andrade RLP, Beraldo AA, Brunello MEF, Scatena LM, Villa TCS. Adesão terapêutica ao tratamento da tuberculose em um município do estado de São Paulo. Cienc Cuid Saude. 2015; 14(4): 1453-61. Disponível em: http://dx.doi.org/10.4025/cienccuidsaude.v14i4.25093

Barbosa DRM, Almeida MG, Martins LM, Silva TMGV, Pedrosa JIS, Barbosa MM. Aspectos socioculturais da tuberculose e diálogo com políticas públicas em saúde no Brasil. Rev. Gestão & Saúde. 2013; edição especial: 1857-67. Disponível em: http://dx.doi.org/10.18673/gs.v1i1.22983

Duraisamy K, Mrithyunjayan S, Ghosh S, Nair SA, Balakrishnan S, Subramoniapillai J et al. Does Alcohol Consumption during Multidrug-resistant Tuberculosis Treatment Affect Outcome? A Population-based Study in Kerala, India. Ann Am Thorac Soc. 2014; 11(5): 712-18. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC4631605/pdf/nihms731743.pdf

Corona MEJ, Hervert LPC, García LG, Reyes LF, Sánchez GD, Valle MB et al. Association of diabetes and tuberculosis: impact on treatment and post-treatment outcomes. Thorax. 2013; 68(3): 214-20. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC3585483/pdf/thoraxjnl-2012-201756.pdf

Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Vigilância em Saúde. Boletim Epidemiológico. O controle da tuberculose no Brasil: avanços, inovações e desafios. Brasília (DF): Ministério da Saúde; 2014b. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/periodicos/boletim_epidemiologico_numero_2_2014.pdf

Souza KMJ, Sá LD, Silva LMC, Palha PF. Atuação da Enfermagem na transferência da política do tratamento diretamente observado da tuberculose. Rev Esc Enferm USP. 2014; 48(5): 874-82. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/reeusp/v48n5/pt_0080-6234-reeusp-48-05-874.pdf

Yen YF, Rodwell TC, Yen MY, Shih HC, Hu BS, Li LH et al. DOT associated with reduced all-cause mortality among tuberculosis patients in Taipei, Taiwan, 2006–2008. Int J Tuberc Lung Dis. 2012; 16(2): 178-84. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC3289585/pdf/nihms355804.pdf

Magnabosco GT, Lopes LM, Andrade RLP, Brunello MEF, Monroe AA, Villa, TCS. Controle da tuberculose em pessoas vivendo com HIV/aids. Rev. Latino-Am. Enfermagem. 2016; 24: e2798. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/1518-8345.1187.2798

Angelotti LCZ, Alexandre PBD, Miranzi SSC, Scatena, LM. Qualidade de dados de notificação e acompanhamento dos casos de tuberculose em Minas Gerais. REAS. 2013; 2(2): 84-98. Disponível em: http://seer.uftm.edu.br/revistaeletronica/index.php/enfer/article/view/387/410

Publicado
2018-11-13
Seção
Artigos Originais