CONHECIMENTO DOS PROFISSIONAIS DA SAÚDE SOBRE O DIAGNÓSTICO E CONDUTA PARA ANQUILOGLOSSIA EM BEBÊS

  • Ana Beatriz Rocha Pinto Universidade Estadual de Maringá
  • Jéssica Behrens Crispim Universidade Estadual de Maringá
  • Thaynara de Souza Lopes Universidade Estadual de Maringá
  • Andressa Mioto Stabile Universidade Estadual de Maringá
  • Gabriela Cristina Santin Universidade Estadual de Maringá
  • Marina de Lourdes Calvo Fracasso Universidade Estadual de Maringá
Palavras-chave: Anquiloglossia, Freio lingual, Bebês.

Resumo

O estudo avaliou o conhecimento de profissionais da área de saúde, sobre o diagnóstico e conduta clínica para o tratamento da anquiloglossia em bebês. A amostra (n=84) foi dividida em: G1 (46 médicos da ESF); G2 (13 pediatras); G3 (5 fonoaudiólogas) e G4 (20 dentistas da ESF), que responderam ao questionário (dados pessoais e aplicação do protocolo de avaliação do freio lingual, preconizado por Martinelli et al. (2012)6. Um total de 21 profissionais responderam adequadamente o questionário sendo estes 66,6% do gênero feminino, com idade média de 46,4±12,5 anos de modo que 80,9% já receberam pacientes com queixa de anquiloglossia. Quanto à obrigatoriedade do teste da linguinha constatou-se que o Grupo 1 apresentou menor grau de informação (57,1%) comparado ao Grupo 4 (21,4%), no entanto 57,1% dos profissionais avaliados não o fazem rotineiramente. Referente ao protocolo, nos itens 1, 2 e 3, três profissionais (14,2%) assinalaram figuras com diagnóstico correto (G1 e G3); em relação ao item 4, dez profissionais (47,6%) pontuaram corretamente. Conclui-se que houve grande desconhecimento quanto à obrigatoriedade do teste da linguinha e dificuldade no correto diagnóstico de anquiloglossia em bebês.

Biografia do Autor

Ana Beatriz Rocha Pinto, Universidade Estadual de Maringá
Discente do quinto ano de Odontologia pela Universidade Estadual de Maringá-PR, bolsista pelo Programa de Iniciação Científica - PIBIC (Fundação Araucária). Bolsista pelo Programa Institucional de Bolsas de Extensão Universitária - PIBEX (Fundação Araucária). Monitora voluntária na Disciplina de Clínica Integrada I na área de Odontopediatria.
Jéssica Behrens Crispim, Universidade Estadual de Maringá
Cirurgiã Dentista formada pela Universidade Estadual de Maringá e atual participante do Programa de Residência da Universidade Estadual de Maringá na área de Odontopediatria.
Thaynara de Souza Lopes, Universidade Estadual de Maringá
Cirurgiã Dentista formada pela Universidade Estadual de Londrina; Especialista em Residência na área de Odontopediatria pela Universidade Estadual de Maringá; Atual aluna no Programa de Mestrado em Odontologia Integrada pela Universidade Estadual de Maringá
Andressa Mioto Stabile, Universidade Estadual de Maringá
Cirurgiã Dentista formada pela Universidade Estadual de Maringá e atual participante do Programa de Residência da Universidade Estadual de Maringá na área de Odontopediatria.
Gabriela Cristina Santin, Universidade Estadual de Maringá
Graduação em Odontologia pela Universidade Estadual de Maringá - UEM (2009), especialista em Odontopediatria pela Associação Odontológica de Ribeirão Preto (2015), Mestre em Odontologia, área de Saúde Bucal na Infância e Adolescência, pela Universidade Federal do Paraná- UFPR (2012) e Doutora em Odontopediatria pela Faculdade de Odontologia de Ribeirão Preto, Universidade de São Paulo - FORP/USP (2014). Professora do curso de Odontologia da Universidade Estadual de Maringá - PR e Centro Universitário Ingá - Uningá. Docente permanente do curso de Pós-graduação em Odontologia, modalidade mestrado, do Centro Universitário Ingá; docente colaboradora do curso de pós-graduação em Odontologia Integrada, modalidade mestrado, da Universidade Estadual de Maringá; docente do curso de Residência em Odontopediatria, da Universidade Estadual de Maringá. Tem experiência na área de Odontologia, com ênfase em Odontopediatria, Pacientes Especiais, Epidemiologia e Bioestatística.
Marina de Lourdes Calvo Fracasso, Universidade Estadual de Maringá
Graduação em Odontologia pela Faculdade de Odontologia de Presidente Prudente (1982), Mestrado em Odontologia (Odontopediatria) pela Universidade de São Paulo (2001) e Doutorado em Odontologia (Odontopediatria) pela Universidade de São Paulo (2006). Professora Associada da Universidade Estadual de Maringá-Pr. Desenvolve pesquisas na área de Odontologia, com ênfase em Odontologia Preventiva, atuando principalmente nos seguintes linhas de pesquisa: materiais dentários preventivos da cárie, promoção da saúde em bebês e traumatismos dentários na infância. Professora do curso de Pós-Graduação (Mestrado em Odontologia Integrada - Departamento de Odontologia - UEM). Coordenadora do Programa de Residência em Odontopediatria - Departamento de Odontologia - Universidade Estadual de Maringá.

Referências

Ballard JL, Auer CE, Khoury JC. Ankyloglossia: Assessment, Incidence, and Effect of Frenuloplasty on the Breastfeeding Dyad. Pediatrics. 2002; 110(5):63.

Braga LAS, Silva J, Pantuzzo CL, Motta AR. Prevalência de alterações de frênulo lingual e suas implicações na fala de escolares. RevCEFAC. 2009;11(3):378-390.

Brito SF, Marchesan IQ, Bosco CM, Carrilho ACA, Rehder MI. Frênulo lingual: classificação e conduta segundo ótica fonoaudiológica, odontológica e otorrinolaringológica. Rev CEFAC. 2008;10(3):343-51.

Martinelli RLC, Marchesan IQ, Berretin-Felix G. Protocolo para avaliação do frênulo lingual para bebês: Relação entre aspectos anatômicos e funcionais. Rev CEFAC. 2013;15(3):599-610.

Segal LM, Stephenson R, Dawes M, Feldman P. Prevalence, diagnosis, and treatment of ankyloglossia: methodologic review. Can Fam Physician. 2007; 53(6):1027-33.

Martinelli RLC, Marchesan IQ, Rodrigues AC, Berretin-Felix G. Protocolo de avaliação do frênulo da língua em bebês. Rev CEFAC. 2012;14(1):138-45.

Procópio IMS. Tratamento cirúrgico da anquiloglossia [monografia]. Brasília: Universidade de Brasília; 2014.

Buryk M, Bloom D, Shope T. Efficacy of neonatal release of ankyloglossia: a randomized trial. Pediatrics, 2011;128(2):280-8.

Marchesan IQ, Martinelli RLC, Gusmão RJ. Frênulo lingual: modificações após frenectomia. J Soc Bras Fonoaudiol. 2012;24(4):409-12.

Brasil. Presidência da República. Lei n° 13.002, de 20 de junho de 2014. Obriga a realização do Protocolo de Avaliação do Frênulo da Língua em Bebês. Diário Oficial [da União]. Brasília, DF; 23 jun. 2014. Seção 1, p. 4.

Cartilha do teste da linguinha: para mamar, falar e viver melhor. São José dos Campos, SP: Pulso Editorial, 2014.

Sousa EA. Teste da linguinha agora é obrigatório. [publicação na web]; 2014 acesso em 25 de março de 2015. Disponível em: http://www.redehumanizasus.net/86749-teste-da-linguinha-agora-e-obrigatorio

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. [homepage na internet]. Índice de desenvolvimento humano do município de Maringá-PR[acesso em 25 de março de 2015]. Disponível em: https://cidades.ibge.gov.br/brasil/pr/maringa/pesquisa/37/30255

Prefeitura Municipal de Maringá. [página na internet]. Plano Municipal de Saúde de Maringá/Paraná [acesso em 25 de março de 2015]. Disponível em: http://www2.maringa.pr.gov.br/sistema/arquivos/b65b3c5fcd38.pdf.

O’Shea JE, Foster JP, O’Donnell CPF, Breatnach D, Jacobs SE, Todd DA, et al. Frenotomy for tongue‐tie in newborn infants. Cochrane Database Syst Rev [Internet]. 2014. [acesso em 2018 jul. 15] Disponível em: https://www.cochranelibrary.com/cdsr/doi/10.1002/14651858.CD011065.pub2/full

Walker RD, Messing S, Rosen-Carole C, Benoit MM. Defining Tip–Frenulum Length for Ankyloglossia and Its Impact on Breastfeeding: A Prospective Cohort Study. Breastfeed Med. 2018;13(3):204-10.

Martinelli RLC, Marchesan IQ, Gusmão RJ, Honório HM, Berretin-Felix G. The effects of frenotomy on breastfeeding. J. Appl. Oral Sci. 2015;23(2):153-57.

Kupietzky A, Botzer E. Ankyloglossia in the infant and young child: clinical suggestions for diagnosis and management. Pediatr Dent. 2005; 27(1):40-6

Walsh J, Tunkel D. Diagnosis and treatment of ankyloglossia in newborns and infants: a review. JAMA. 2017;143(10):1032-39.

Silveira LMD, Prade LS, Ruedell AM, Haeffner LSB, Wienmann ARM. Aleitamento materno e sua influência nas habilidades orais de crianças. Revista de Saúde Pública. 2013;47(1):37-43.

Kramer MS, Kakuma R. Optimal duration of exclusive breastfeeding. Cochrane Database Syst Rev [Internet]. 2012.[acesso em 2018 jul. 15] Disponível em: https://www.cochranelibrary.com/cdsr/doi/10.1002/14651858.CD003517.pub2/epdf/fu

Melo NSFO, Lima AAS, Fernandes A, Silva RPGVC. Anquiloglossia: relato de caso. RSBO. 2011;8(1):102-7.

Gomes E, Araújo FB, Rodrigues JA. Freio lingual: abordagem clínica interdisciplinar da Fonoaudiologia e Odontopediatria. Rev Assoc. Paul. Cir. Dent. 2012;69(1):20-4.

Publicado
2019-08-23
Seção
Artigos Originais