PARASITOSES INTESTINAIS EM PACIENTES ATENDIDOS NO HOSPITAL DAS CLÍNICAS DA FACULDADE DE MEDICINA DE MARÍLIA-SP

  • Paulo Sá Filizzola Martins Faculdade de Medicina de Marília
  • Roberto Esteves Pires Castanho Faculdade de Medicina de Marília.
  • Eduardo Federighi Baisi Chagas Universidade de Marília
  • Luciamare Perinetti Alves Martins Faculdade de Medicina de Marília http://orcid.org/0000-0003-1442-7964
Palavras-chave: Doenças parasitárias, Giardia lamblia, Blastocystis hominis, Saneamento básico

Resumo

O objetivo desta pesquisa foi verificar a prevalência de enteroparasitoses em pacientes atendidos no Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina de Marília-SP. Desta forma foi realizado um estudo descritivo e analítico, do tipo transversal retrospectivo, com coleta dos dados no Sistema Hospitalar Informatizado do Laboratório de Parasitologia da Faculdade de Medicina de Marília. Entre janeiro de 2012 a dezembro de 2017 foram analisadas 14.343 amostras. Os dados de prevalência foram representados por razão de prevalência e seus respectivos Intervalos de Confiança de 95%. Diferenças significativas entre anos ou faixa etárias foram determinadas pela não intersecção dos limites inferiores e superiores de seus IC95%. Observaram-se 2.149 amostras positivas para parasitas, predominando Blastocystis hominis (10,13%), Giardia lamblia (3,35%) e Strongyloides stercoralis (1,16%). Pode-se inferir que a redução da prevalência das parasitoses é o resultado de políticas públicas pelo uso de medicamentos profiláticos no intuito de interromper a transmissão fecal-oral e não somente pela melhora da infraestrutura sanitária.

Biografia do Autor

Paulo Sá Filizzola Martins, Faculdade de Medicina de Marília
Graduando do curso de medicina da Faculdade de Medicina de Marília
Roberto Esteves Pires Castanho, Faculdade de Medicina de Marília.
Medico. Doutor em Análises Clínicas, área de Parasitologia. Docente da disciplina de Parasitologia da Faculdade de Medicina de Marília.
Eduardo Federighi Baisi Chagas, Universidade de Marília
Educador físico. Doutor em Desenvolvimento Humano e Tecnologias. Docente da disciplina de Bioestatistica da Universidade de Marília.
Luciamare Perinetti Alves Martins, Faculdade de Medicina de Marília
Farmacêutica. Doutora em Biotecnologia aplicada a Farmácia. Docente da Disciplina de Parasitologia da Faculdade de Medicina de Marília.

Referências

World Health Organization. Soil-transmitted helminth infections: fact sheet Geneva: WHO; 2016 [Available from: http://www.who.int/mediacentre/factsheets/fs366/en/.

Camello JT, Cavagnolli NI, Spada PKWDS, Poeta J, Rodrigues AD. Prevalência de parasitoses intestinais e condições de saneamento básico das moradias em escolares da zona urbana de Caxias do Sul, Rio Grande do Sul. Sci med (Porto Alegre, Online). 2016;26(1):21716-.

Motta MEFA, Silva GAP. Diarréia por parasitas. Rev Bras Saúde Mater Infant. 2002;2:117-27.

Andrade SS, Teodoro LM, Viana D, Canuto-Sales EM, Bahia-Oliveira G, Villas Bôas S, et al. Intestinal parasites in public transport buses from the city of Diamantina, Minas Gerais, Brazil. Res Rep Trop Med. 2017;Volume 8:59-63.

Colli CM, Mizutani AS, Martins VA, Ferreira EC, Gomes ML. Prevalence and risk factors for intestinal parasites in food handlers, southern Brazil. Int J Environ Health Res. 2014;24:450-8.

Neves D. Parasitologia humana. 12 ed. São Paulo: Atheneu; 2012.

Anaruma Filho F, Corrêa CRS, Ribeiro MCSA, Chieffi PP. Parasitoses intestinais em áreas sob risco de enchente no município de Campinas, estado de São Paulo, Brasil. Rev Patol Trop. 2007;36:12.

Ferreira MU, Ferreira CS, Monteiro CA. Tendência secular das parasitoses intestinais na infância na cidade de São Paulo (1984-1996). Rev Saúde Pública. 2000;34:73-82.

Amato Neto V, Correa L. Exame parasitologico de fezes. São Paulo: Sarvier; 1991.

Faust EC, Sawitz W, Tobie J, Odom V, Peres C, Lincicome DR. Comparative Efficiency of Various Technics for the Diagnosis of Protozoa and Helminths in Feces. J Parasitol. 1939;25:241-62 pp.

Katz N, Chaves A, Pellegrino J. A simple device for quantitative stool thick-smear technique in Schistosomiasis mansoni. Rev Inst Med Trop Sao Paulo. 1972;14:397-400.

Rugai E, Mattos T, Brisola AP. Nova técnica para isolar larvas de mematóides das fezes-Modificação do Método de Baermann. Rev Inst Adolfo Lutz. 1954;14:5-8.

Sousa ACM, Bocardi MIB. Hábitos de vida como fator desencadeante a parasitoses intestinais. Ideias e Inovação-Lato Sensu. 2015;2:77-92.

Agudelo-Lopez S, Gómez-Rodríguez L, Coronado X, Orozco A, Valencia-Gutierrez CA, Restrepo-Betancur LF, et al. Prevalencia de Parasitosis Intestinales y Factores Asociados en un Corregimiento de la Costa Atlántica Colombiana. Rev Salud Pública. 2008;10:633-42.

Martins LPA, Serapião AATB, Valenciano RF, Pires JECPEC, Castanho REP. Frequência de Blastocystis hominis e outras enteroparasitoses em amostras fecais analisadas no Laboratório de Parasitologia da Faculdade de Medicina de Marília-SP. Rev Patol Trop. 2007;36(1):47-53.

Subirats M, Borrás R. Blastocystis sp., an emerging parasite with controversial pathogenicity. Should all human cases be treated? Rev Clín Esp. 2018;218:133-4.

Sekar U, Mariappan S. Blastocystis: Consensus of treatment and controversies. Trop Parasitol. 2013;3:35-9.

Kurt O, Doğruman Al F, Tanyüksel M. Eradication of Blastocystis in humans: Really necessary for all? Parasitol Int. 2016;65:797-801.

Cheng HS, Haung ZF, Lan WH, Kuo TC, Shin JW. Epidemiology of Blastocystis hominis and other intestinal parasites in a Vietnamese female immigrant population in southern Taiwan. Kaohsiung J Med Sci. 2006;22:166-70.

Ertug S, Karakas S, Okyay P, Ergin F, Oncu S. The effect of Blastocystis hominis on the growth status of children. Med Sci Monit. 2007;13(1):CR4D-3.

Velásquez V, Caldera R, Wong W, Cermeño G, Fuentes M, Blanco Y, et al. Elevada prevalência de blastocistose em pacientes do Centro de Saúde de Soledad, Estado Anzoátegui, Venezuela. Rev Soc Bras Med Trop. 2005;38:356-7.

Hellemond JJ, Molhoek N, Koelewijn R, Wismans P, Genderen PJJ. Is paromomycin the drug of choice for eradication of Blastocystis in adults? J Infect Chemother. 2012;19:545-8.

Gurgel RQ, Cardoso GdS, Silva ÂM, Santos LNd, Oliveira RCVd. Creche: ambiente expositor ou protetor nas infestações por parasitas intestinais em Aracaju, SE. Rev Soc Bras Med Trop. 2005;38:267-9.

Traub R, Monis P, Robertson I, Irwin P, Mencke N, C A Thompson R. Epidemiological and molecular evidence supports the zoonotic transmission of Giardia among humans and dogs living in the same community. Parasitology. 2004;128:253-62.

Capelli G, Paoletti B, Iorio R, Regalbono A, Pietrobelli M, Bianciardi P, et al. Prevalence of Giardia spp. in dogs and humans in Northern and Central Italy. Parasitol Res. 2003;90 Suppl 3:S154-5.

Volotão ACC, Ramos NMD, Fantinatti M, Moraes MVPd, Atique Netto H, Storti-Melo LM, et al. Giardiasis as zoonosis: between proof of principle and paradigm in the Northwestern region of São Paulo State, Brazil. Braz J Infect Dis. 2011;15:382-3.

Frei F, Juncansen C, Ribeiro-Paes JT. Levantamento epidemiológico das parasitoses intestinais: viés analítico decorrente do tratamento profilático. Cad Saúde Pública. 2008;24:2919-25.

Castanho REP, Martins LPA, Freire Junior GA, Alves AMC. Prevalencia de parasitoses intestinais em escolares do município de Marília-SP. VIII Jornada Paulista de Parasitologia; 25 a26 de maio de 1990; Campinas-SP: UNICAMP; 1990.

Ludwig KM, Frei F, Alvares Filho F, Ribeiro-Paes JT. Correlação entre condições de saneamento básico e parasitoses intestinais na população de Assis, Estado de São Paulo. Rev Soc Bras Med Trop. 1999;32:547-55.

Ministerio da Saude (BR). Informe Técnico, Campanha Nacional de Hanseníase, Geo-Helmintíases e Tracoma 2014. Brasilia (DF): Ministerio da Saúde; 2014.

Publicado
2019-10-21
Seção
Artigos Originais