RELAÇÃO ENTRE AUTOEFICÁCIA E ESTRATÉGIAS DE ENFRENTAMENTO DE USUÁRIOS ABSTINENTES DE DROGAS

  • Gabriela Chaves Rodrigues Universidade do Vale do Itajaí
  • Roberta Borghetti Alves Universidade do Vale do Itajaí
  • Priscila Rosa Martins Universidade do Vale do Itajaí
Palavras-chave: Autoeficácia, Adaptação Psicológica, Transtornos Relacionados ao Uso de Substâncias

Resumo

Analisar a relação entre autoeficácia e estratégias de enfrentamento em usuários abstinentes de drogas. Estudo descritivo, correlacional, com abordagem quantitativa, de campo e transversal. Aplicaram-se a Escala de Autoeficácia para Abstinência de Drogas, o Inventário de Habilidades de Enfrentamento Antecipatório para a Abstinência de Álcool e outras Drogas e um Questionário Sociodemográfico. Participaram 100 homens. Evidenciou-se que a crença de ser autoeficaz diante das emoções negativas obteve correlação positiva e significativa ao ser Assertivo na Recusa de Drogas, no Autocontrole de Emoções e na Expressão de Emoções Positivas. Já ser Assertivo na Recusa de Drogas apresentou correlação positiva e significativa com a crença de ser eficaz frente a Emoções Negativas, Situações Sociais Positivas, Preocupações com outros, e estados fisiológicos como a Síndrome de Abstinência ou Fissura. Tais relações demonstram a necessidade da utilização destes fenômenos quando se busca a abstinência de usuários de drogas.

Biografia do Autor

Gabriela Chaves Rodrigues, Universidade do Vale do Itajaí
Graduada em psicologia pela Universidade do Vale do Itajaí, Itajaí/SC, Brasil.
Roberta Borghetti Alves, Universidade do Vale do Itajaí
Doutora em Psicologia pela Universidade Federal de Santa Catarina, Brasil. Docente do Curso de Psicologia da Universidade do Vale do Itajaí. Vice-presidente da Associação Brasileira de Psicologia Ambiental e Relações Pessoa-Ambiente, Aracaju/SE, Brasil.
Priscila Rosa Martins, Universidade do Vale do Itajaí
Graduanda em Psicologia pela Universidade do Vale do Itajaí, Itajaí/SC, Brasil.

Referências

Bolonheis-Ramos RCM, Boarini ML. Comunidades terapêuticas: “novas” perspectivas e propostas higienistas. Hist cienc saude-Manguinhos. [internet] 2015 [ acesso em 2019 Fev 11]; 22(4): 1231-1248. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-59702015000401231&lng=pt&tlng=pt doi: 10.1590/S0104-59702015000400005

Laranjeira R, organizador. Segundo Levantamento Nacional de Álcool e Drogas - (LENAD). Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia para Políticas Públicas de Álcool e Outras Drogas (INPAD). São Paulo; 2012.

United Nations Office Drugs and Crime. World drug report. UNODC: 2013; 151.

American Psychiatric Association. DSM-5: manual diagnóstico e estatístico de transtornos mentais. 5nd ed. Porto Alegre: Artmed; 2014. 992.

Capistrano FC, Ferreira ACZ, Silva TL, Kalinke LP, Maftum, MA. Perfil sociodemográfico e clínico de dependentes químicos em tratamento: análise de prontuários. Esc Anna Nery Rev Enferm. [internet] 2013 [ acesso em 2019 Fev 11]; 17 (2): 234-241. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-81452013000200005&lng=pt&tlng=pt doi: 10.1590/S1414-81452013000200005

Cavalcante LP, Falcão RST, Lima HP, Marinho AM, Macedo JQ, Braga VAB. Rede de apoio social ao dependente químico: ecomapa como instrumental na assistência em saúde. Rev Rene. [internet] 2012 [acesso em 2019 Fev 15]; 13 (2): 321-331. Disponível em: http://periodicos.ufc.br/rene/article/view/3920 doi: 10.15253/rev%20rene.v13i2.3920

Nimtz MA, Tavares AMF, Maftum MA, Ferreira ACZ, Capistrano FC. Impactos legais e no trabalho na vida do dependente químico. SMAD Rev eletrônica saúde mental alcool drog. [internet] 2016 [acesso em 2019 Fev 11]; 12(2): 68-74. Disponível em: http://www.revistas.usp.br/smad/article/view/120766 doi: 10.11606/issn.1806-6976.v12i2p65-74

Donovan DM. Assessment of addictive behaviors for relapse prevention. In: Donovan, DM, Marlatt AG, editores. Assessment of addictive behaviors. New York: The Guilford Press; 2013. p. 1-48.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria Executiva. Coordenação Nacional de DST e AIDS. A política do Ministério da Saúde para atenção integral a usuários de álcool e outras drogas. Ministério da Saúde: 2003; 60.

De Leon G. A comunidade terapêutica: teoria, modelo e método. São Paulo: Edições Loyola; 2003.

Coelho C, Pérez-Ramos AMQ. Abstinência e a redução de danos no processo de recuperação dos dependentes de substância psicoativas. Bol Acad Paul Psicol. 2008; 28(1): 79-86.

Lazarus RS, Folkman S. Stress, appraisal, and coping. New York: Springer Publishing Company; 1984.

Coelho LRM, Sá LGC, Oliveira MS. Estratégias e Habilidades de Enfrentamento de Usuários de Crack em Tratamento. Rev psicol IMED. [internet] 2015 [acesso em 2019 Fev 15]; 7(2): 99-109. Recuperado de http://www.mpdft.mp.br/saude/images/saude_mental/Estrategias_habilidades.pdf doi: 10.18256/2175-5027/psico-imed.v7n2p99-109

Sá, LGC. Propriedades psicométricas do inventário de habilidades de enfrentamento para a abstinência de álcool e outras drogas (IDHEA-AD) [tese]. São Carlos: Universidade Federal de São Carlos; 2013. p. 136.

Bandura A. Self-efficacy: toward a unifying theory of behavioral change. Psychol rev. [internet] 1977 [acesso em 2018 Dez 5]; 84(2), 191-215. Disponível em: https://psycnet.apa.org/record/1977-25733-001 doi: 10.1037/0033-295X.84.2.191

Bandura A. Human agency in social cognitive theory. Am psychol. [internet] 1989 [acesso em 2018 Dez 5]; 44(9), 1175-1184. Disponível em: https://psycnet.apa.org/doiLanding?doi=10.1037%2F0003-066X.44.9.1175 doi: 10.1037/0003-066X.44.9.1175

Bandura A. Self-efficacy. In: Ramachaudran VS, editor. Encyclopedia of human behavior. New York: Academic Press; 1994. p. 71-81.

Crouch TB, Diclemente CC, Pitts SC. End-of-Treatment Abstinence Self-Efficacy, Behavioral Processes of Change, and Posttreatment Drinking Outcomes in Project MATCH. Psychol addict behav. [internet] 2015 [acesso em 2018 Dez 5]; 29 (3), 706-715. Disponível em: https://psycnet.apa.org/doiLanding?doi=10.1037%2Fadb0000086 doi: 10.1037/adb0000086

Diclemente CC, Fairhurst S, Piotrowski N. The role of self-efficacy in the addictive behaviors. In: Maddux J, editor. Self-efficacy, adaptation and adjustment: theory, research and application. New York: Plenum Press; 1995. p. 109-141.

Freire SD. (2009). Evidências de validade da escala de auto-eficácia para abstinência de drogas (EAAD) e da escala de tentação para uso de drogas (ESTUD) em dependentes de cocaína e crack internados [dissertação]. Porto Alegre: Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS), Faculdade de Psicologia; 2009. p. 119.

Gil AC. Como elaborar projetos de pesquisa. 4nd ed. São Paulo: Atlas; 2002. Como classificar as pesquisas; p. 41-57.

Triviños ANS. Introdução à pesquisa em ciências sociais: a pesquisa qualitativa em educação. São Paulo: Atlas; 1987.

Fonseca JJS. (2002). Apostila de Metodologia da Pesquisa Científica. Fortaleza: Universidade estadual do Ceará; 2002.

Fontelles MJ, Simões MG, Farias SH, Fontelles RGS. (2009). Metodologia da pesquisa científica: diretrizes para a elaboração de um protocolo de pesquisa. Rev Para Med. 23 (3): 1-8.

Silveira DT, Córdova FP. A pesquisa científica. In: Gerhardt TE, Silveira DT, organizadoras. Métodos de Pesquisa. Porto Alegre: Editora da UFRGS; 2009. p. 31-42.

Gerhardt TE. A construção da pesquisa. In: Gerhardt TE, Silveira DT, organizadoras. Métodos de Pesquisa. Porto Alegre: Editora da UFRGS; 2009. p. 43-64.

Diclemente CC, Carbonari JP, Montgomery RPG, Hughes SO. (1994). The Alcohol Abstinence Self-Efficacy Scale. J stud alcohol. [internet] 1994 [acesso em 2019 Fev 15]; 55, 141-148. Disponível em: https://www.jsad.com/doi/10.15288/jsa.1994.55.141 doi: 10.15288/jsa.1994.55.141

Brasil. Ministério da Saúde. Resolução nº 466, de 12 de dezembro de 2012. Aprova diretrizes e normas regulamentadoras de pesquisas envolvendo seres humanos. [internet] 2012 [acesso em 2019 Fev 11]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/cns/2013/res0466_12_12_2012.html

Litt MD, Kadden RM, Petry NM. Behavioral treatment for marijuana dependence: Randomized trial of contingency management and self-efficacy enhancement. Addict behav. [internet] 2013 [acesso em 2019 Fev 15]; 38(3), 1764-1775. Disponível em: https://www.sciencedirect.com/science/article/abs/pii/S030646031200305X?via%3Dihub doi: 10.1016/j.addbeh.2012.08.011

Rose GL, Skelly JM, Badger GJ, Naylor MR, Helzer JE. Interactive Voice Response for relapse prevention following cognitive behavioral therapy for alcohol use disorders: A pilot study. Psychol Serv. [internet] 2012 [acesso em 2019 Fev 15]; 9(2), 174-184. Disponível em: https://psycnet.apa.org/doiLanding?doi=10.1037%2Fa0027606 doi: 10.1037/a0027606

Coelho LRM. Habilidades sociais e de enfrentamento no tratamento de usuários de crack [tese]. Porto Alegre: Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Faculdade de Psicologia; 2016. p. 62.

Tenhula WN, Bennett ME, Kinnaman JES. Behavioral treatment of substance abuse in schizophrenia. J clin psychol. [internet] 2009 [acesso em 2019 Fev 15]; 65(8): 831-841. Disponível em: https://onlinelibrary.wiley.com/doi/abs/10.1002/jclp.20613 doi: https://doi.org/10.1002/jclp.20613

Melo MC. Sentidos construídos sobre a internação em Comunidades Terapêuticas com pessoas em tratamento por uso de drogas [dissertação]. Ribeirão Preto: Universidade de São Paulo, Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras; 2016. 171 p.

Santos MPG. Comunidades Terapêuticas e a disputa entre modelos de atenção e cuidado a usuários de drogas. Boletim de Análise Político-Institucional 2018; (18): 80-9.

Araújo RB, Castro MG, Oliveira MS, Pedroso RS. Estratégias de coping para o manejo do craving em dependentes de tabaco. Rev bras psiquiatr. 2009; 31(2): 89-94.

Araújo RB, Pansard M, Boeira BU, Rocha NS. As estratégias de coping para o manejo da fissura de dependentes de crack. Clin biomed res. 2010; 30(1): 36-42.

Dolan SL, Martin RA, Rohsenow DJ. Self-efficacy for cocaine abstinence: Pretreatment correlates and relationship to outcomes. Addict behav. [internet] 2008 [acesso em 2019 Fev 15]; 33(5): 675-688. Disponível em: https://www.sciencedirect.com/science/article/abs/pii/S0306460307003322?via%3Dihub doi: 10.1016/j.addbeh.2007.12.001

Martin RA, Rohsenow DJ, MacKinnon SV, Abrams DA, Monti PM. Correlates of motivation to quit smoking among alcohol dependent patients in residential treatment. Drug alcohol depend. [internet] 2006 [acesso em 2019 Fev 15]; 83(1): 73-78. Disponível em: https://jhu.pure.elsevier.com/en/publications/correlates-of-motivation-to-quit-smoking-among-alcohol-dependent--3 doi: 10.1016/j.drugalcdep.2005.10.013

Sá LGC, Del Prette ZAP. Habilidades Sociais como Preditoras do Envolvimento com Álcool e Outras Drogas: Um estudo exploratório. Interação Psicol. [internet] 2014 [acesso em 2019 Fev 15]; 18(2): 167-178. Disponível em: https://revistas.ufpr.br/psicologia/article/view/30660 doi: 10.5380/psi.v18i2.30660

Kessler FHP, Terra BM, Faller S, Stolf AR, Peuker AC, Benzano D, et al. Crack users show high rates of antisocial personality disorder, engagement in illegal activities and other psychosocial problems. The American Journal of Addictions. [internet] 2012 [acesso em 2019 Fev 15]; 21(4): 370-380. Disponível em: https://onlinelibrary.wiley.com/doi/full/10.1111/j.1521-0391.2012.00245.x doi: 10.1111/j.1521-0391.2012.00245.x

Felipe AOB, Carvalho AMP, Andrade CUB. Espiritualidade e religião como protetores ao uso de drogas em adolescente. SMAD, Rev eletrônica saúde mental alcool drog. [internet] 2015 [acesso em 2019 Fev 15]; 11 (1): 49-58. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?pid=S1806-69762015000100008&script=sci_arttext&tlng=pt doi: 10.11606/issn.1806-6976.v11i1p49-5

Szupszynski KPR, Oliveira MS. Adaptação brasileira da University of Rhode Island Change Assessmente (URICA) para usuários de substâncias ilícitas. Psico-USF. [internet] 2008 [acesso em 2019 Fev 15]; 13(1): 31-39. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1413-82712008000100005&script=sci_abstract&tlng=pt doi: 10.1590/S1413-82712008000100005

McLellan A, Luborsky L, Woody G, OBrien C. An improved diagnostic evaluation instrument for substance abuse patients. J nerv ment dis. [internet] 1980 [acesso em 2019 Fev 15]; 168(1): 26-33. Disponível em: https://insights.ovid.com/crossref?an=00005053-198001000-00006 doi: 10.1097/00005053-198001000-00006

Carmo JT, Pueyo AA. A adaptação ao português do Fagerström test for nicotine dependence (FTND) para avaliar a dependência e tolerância à nicotina em fumantes brasileiros. Rev Bras Educ Méd. 2002; 59: 73-80

Publicado
2019-08-23
Seção
Artigos Originais