ANÁLISE COMPARATIVA DOS GUIAS ALIMENTARES PARA A POPULAÇÃO BRASILEIRA E ARGENTINA

  • Maria Devany Pereira Graduação em Nutrição pela Universidade Federal do Piauí, UFPI, Brasil.
  • Alana Paulina de Moura Sousa Graduação em Nutrição pela Universidade Federal do Piauí, UFPI, Brasil.
  • Janekeyla Gomes de Sousa Nutricionista no Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte, IFRN, Brasil.
  • Patricia Maria Beatriz Perricone Universidade Nacional da Catamarca, UNCA, Argentina.
  • Cecília Maria Resende Gonçalves de Carvalho Docente na Universidade Federal do Piauí, UFPI, Brasil.
  • Marize Melo dos Santos Docente na Universidade Federal do Piauí, UFPI, Brasil.
Palavras-chave: Guias alimentares, Promoção da saúde, Brasil, Argentina, Saúde pública.

Resumo

Vários países já desenvolveram seus guias com objetivos semelhantes, porém, abrangendo suas particularidades. Objetivou-se analisar o Guia Alimentar para a População Brasileira e o Guia Alimentar para a População Argentina, identificando possíveis semelhanças e diferenças entre estes, relacionando-os quanto à estrutura e à promoção de práticas alimentares saudáveis. Trata-se do estudo descritivo que utilizou o Guia Alimentar Brasileiro e Argentino, com levantamento bibliográfico e análise documental quanto às principais diferenças e semelhanças estruturais e de desenvolvimento. Ao comparar os guias alimentares, observou-se maior conteúdo técnico no guia argentino. Enquanto o brasileiro apresenta as informações de forma mais resumida e dinâmica. Ambos chamam a atenção para a importância da promoção de práticas alimentares saudáveis em todas as fases da vida. A melhoria da qualidade e o aprimoramento dos guias alimentares são fundamentais para a qualidade de vida da população. Logo, maiores estudos que abordem o entendimento e o ponto de vista da população sobre o guia alimentar fazem-se necessários.

Biografia do Autor

Janekeyla Gomes de Sousa, Nutricionista no Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte, IFRN, Brasil.
Mestrado em Saúde e Comunidade pela Universidade Federal do Piauí, UFPI, Brasil.
Cecília Maria Resende Gonçalves de Carvalho, Docente na Universidade Federal do Piauí, UFPI, Brasil.
Doutorado em Alimentos e Nutrição pela Universidade Estadual de Campinas, UNICAMP, Brasil.
Marize Melo dos Santos, Docente na Universidade Federal do Piauí, UFPI, Brasil.
Doutorado em Nutrição pela Universidade Federal de Pernambuco, UFPE, Brasil.

Referências

Barbosa RMS, Colares LGT, Soares EA. Desenvolvimento de guias alimentares em diversos países Development of food-based dietary guidelines in several countries. Rev Nutr. 2008;21(4):455-467.

Global Strategyon Diet, PhysicalActivity and Health. [internet] 2015 [acesso em 2018 dez. 05]. Disponível em: http://www.who.int/dietphysicalactivity/strategy/eb11344/strategy_english_web.pdf.

Brasil. Ministério da Saúde. Guia Alimentar para População Brasileira: promovendo alimentação saudável. Brasília: Ministério da Saúde. [internet] 2008 [acesso em 2018 dez. 19]. Disponível em: http://www.sonutricao.com.br/downloads/Guia_Alimentar_Populacao_Brasileira.pdf.

Brasil, Departamento de Atenção Básica, Secretaria de Atenção à Saúde, Ministério da Saúde. Guia alimentar para a população brasileira. 2 Ed. Brasília: Ministério da Saúde; 2014.

Argentina, Ministerio de Salud de la Nación. Guías Alimentarias para laPoblación Argentina. Buenos Aires, 2016.

Wendpap LL, Ferreira MG, Rodrigues PRM, Pereira RA, Loureiro AS, Silva RMVG. Qualidade da dieta de adolescentes e fatores associados. Cad Saúde Pública. 2014;30:97-106.

Andrade LM, Bocca C. Análise comparativa de guias alimentares: proximidades e distinções entre três países. DEMETRA. 2016;11(4):1001-1016.

Almeida CJ, Rochedo CAL, Maria ISS, Mariane TO. Guia alimentar para a população brasileira: complementação por meio de representações gráficas. RBONE. 2018;12(71):316-328.

Goiás. Governo do Estado. Secretaria de Estado da Saúde; Superintendência de Vigilância em Saúde; Coordenação de Vigilância Nutricional. Material de apoio: Guia Alimentar para a População Brasileira na prática das equipes de saúde, educação, e assistência social em Goiás. Goiânia: SUVISA/GVE/CVN, 2016.

Oliveira MSS, Santos LA. Guias alimentares para a população brasileira: Uma análise a partir das dimensões culturais e sociais da alimentação. Ciênc Saúde Colet [internet] 2018. [acesso em 2019 jul. 25]. Disponível em: http://www.cienciaesaudecoletiva.com.br/artigos/guias-alimentares-para-a-populacao-brasileira-uma-analise-a-partir-das-dimensoes-culturais-e-sociais-da-alimentacao/16986.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Pesquisa Nacional de Saúde 2013: percepção do estado de saúde, estilos de vida e doenças crônicas. Rio de Janeiro: IBGE. 2014 [acesso em 2019 jan. 12]. Disponível em: ftp://ftp.ibge.gov.br/PNS/2013/pns2013.pdf.

Food and NutritionBoard/World Health Organization. Preparation and use of food based dietary guidelines. Geneva, 1996. Report of joint FAO/WHO consultation.

Organização Pan-Americana da Saúde; Organização Mundial da Saúde. Obesidade entre crianças e adolescentes aumentou dez vezes em quatro décadas, revela novo estudo do Imperial College London e da OMS. [internet] 2017 [acesso em 26 jan. 19]. Disponível em: https://www.paho.org/bra/index.php?option=com_content&view=article&id=5527:obesidade-entre-criancas-e-adolescentes-aumentou-dez-vezes-em-quatro-decadas-revela-novo-estudo-do-imperial-college-london-e-da-oms&Itemid=820.

Poti JM, Duffey KJ, Popkin BM. The association of fast food consumption with poor dietary outcomes and obesity among children: is it the fast food or the remainder of the diet. Am J Clin Nutr. 2014;99(1):162-71.

Oliveira NRF, Jaime PC. O encontro entre o desenvolvimento rural sustentável e a promoção da saúde no Guia Alimentar para a População Brasileira. Saúde Soc. 2016; 25(4):1108-1121.

Barbosa FS, Sichieri R, Junger WL. Assessing usual dietary intake in complex sample design surveys: the National Dietary Survey. Rev Saúde Pública. 2013;47:171-176.

Marin T, Berton P, Santo LKRS. Educação nutricional e alimentar: por uma correta formação dos hábitos alimentares. Rev F@pciência. 2009;3(7):72-78.

Santos LAS.O fazer educação alimentar e nutricional: algumas contribuições para reflexão. Ciênc Saúde Colet. 2012;17(2):453-462.

Schirmer CL, Seibel R, Deon RG, Schwanke CHA, Silva Filho IG, Bós AJG. Adesão aos dez passos para uma alimentação saudável em pessoas idosas. Saúde e Pesqui. 2017;10(3):501-509.

Almeida AA, Maia DERS, Oliveira EIAD, Cardoso IB, Araújo JO, Navarro LN, et al. Ação de educação alimentar e nutricional para funcionários de um hospital universitário: um relato de experiência. Gepnews. 2018;1(4):2-12.

Demonte FC. Recomendaciones y consejosalimentarios. Análisis de losmensajesaudiovisuales que difunde el estado argentino. Question. 2017;1(53):236-255.

Canada. Health Canada. Canada’s Dietary Guidelines for healthprofessionals and policymakers. Ottawa, 2019.

Publicado
2019-10-21
Seção
Artigos Originas - Promoção da Saúde