Desempenho ocupacional de cuidadores de usuários de um Centro de Atenção Psicossocial Infantojuveni

Palavras-chave: Cuidador, Saúde mental, Terapia ocupacional

Resumo

Ser cuidador ocasiona mudanças em diversos contextos da vida do sujeito. O objetivo deste estudo foi identificar alterações no desempenho ocupacional de familiares que se tornaram cuidadores primários de crianças ou adolescentes em tratamento de transtornos mentais. Trata-se de uma pesquisa qualitativa da qual participaram 17 cuidadores de crianças ou adolescentes em tratamento em um Centro de Atenção Psicossocial Infantojuvenil. Os dados foram coletados por meio da Medida Canadense de Desempenho Ocupacional e de uma entrevista semiestruturada e averiguados mediante a análise de conteúdo temático-categorial. A maioria dos respondentes eram do gênero feminino, apresentaram problemas nos cuidados pessoais e na independência fora de casa; além disso, diminuíram a carga horária de trabalho, inclusive as tarefas, e reduziram a recreação e a socialização. Concluiu-se que ser cuidador de criança ou adolescente com doença mental influencia o desempenho de atividade de autocuidado, de produtividade e de lazer.

Biografia do Autor

Gabriela Gonçalves da Cruz Domingues, Centro de Atenção Psicossocial
Terapeuta Ocupacional no Centro de Atenção Psicossocial, Leme (SP), Brasil.
Clarissa Mendonça Corradi-Webster, Universidade de São Paulo/FFCL-USP
Docente permanente do Programa de Pós-graduação em Psicologia da Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras e da Universidade de São Paulo (FFCL-USP), Ribeirão Preto (SP), Brasil.
Andrea Ruzzi-Pereira, Universidade Federal do Triângulo Mineiro - UFTM
Docente colaboradora do Programa de Pós-graduação em Estudos da Ocupação da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Professora Adjunta no Departamento de Terapia Ocupacional da Universidade Federal do Triângulo Mineiro (UFTM), Uberaba (MG), Brasil.

Referências

1. Peres PAT, Buchalla CM, Silva SM. Aspectos da sobrecarga e qualidade de vida de cuidadores de pacientes hospitalizados: uma análise baseada na Classificação Internacional de Funcionalidade, Incapacidade e Saúde (CIF). Rev Bras Saúde Ocup. [Internet]. 2018 [citado em 2020 jan. 14]; 43:e12. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0303-76572018000100207&lng=en. doi: http://dx.doi.org/10.1590/2317-6369000013617.

2. Estanieski I, Guarany N. Qualidade de vida, estresse e desempenho ocupacional de mães cuidadoras de crianças e adolescentes autistas. Rev Ter Ocup Univ. São Paulo (Online) [Internet]. 2015 [citado em 2020 jan. 14];26(2):194-200. Disponível em: http://www.revistas.usp.br/rto/article/view/84621

3. Salvador MS, Gomes GC, Oliveira PK, Gomes VLO, Busanello J, Xavier DM. Estratégias de famílias no cuidado a crianças portadoras de doenças crônicas. Texto Contexto Enferm. 2015; 24(3): 662-9.

4. Caldas A, Facundes VL, Silva H. O uso da Medida Canadense de Desempenho Ocupacional em estudos brasileiros: uma revisão sistemática. Rev Ter Ocup Univ. São Paulo (Online) [Internet]. 2011 [citado em 2020 jan. 14];22(3):238-44. Disponível em: http://www.revistas.usp.br/rto/article/view/46397

5. American Occupational Therapy Association. A Estrutura da prática da Terapia Ocupacional: domínio & processo - 3ª ed. traduzida. Rev Ter Ocup Univ. São Paulo (Online) [Internet]. 2015 [citado em 2020 jan. 14];26(esp):1-9. Disponível em: http://www.revistas.usp.br/rto/article/view/97496

6. Braun V, Clarke V, organizadoras. Successful qualitative research: A practical guide for beginners. London: Sage; 2013.

7. Chaves GFS. Estudo de confiabilidade e validade da Medida Canadense de Desempenho Ocupacional (COPM) em idosos com comprometimento Cognitivo Leve (CCL) [dissertação]. São Paulo: Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo; 2012. 76p.

8. Bardin L. Análise de conteúdo. 3ª reimp. Lisboa, Portugal: Edições 70; 2016.

9. Fontanella BJB, Luchesi BM, Saidel MGB, Ricas J, Turato ER, Melo DG. Amostragem em pesquisas qualitativas: proposta de procedimentos para constatar saturação teórica. Cad. Saúde Pública. 2011; 27(2):389-94.

10. Sousa LP, Guedes DR. A desigual divisão sexual do trabalho: um olhar sobre a última década. Estud Av. 2016; 30(87):123-39. doi: https://dx.doi.org/10.1590/S0103-40142016.30870008

11. Muylaert CJ, Delfini PSS, Reis AOA. Relações de gênero entre familiares cuidadores de crianças e adolescentes de serviços de saúde mental. Physis [Internet]. 2015 [citado em 2020 jan. 14]; 25(1):41-58. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-73312015000100041&lng=en.

12. Buriola AA, Vicente JB, Zurita RCM, Marcon SS. Overload of caregivers of children or adolescents suffering from mental disorder in the city of Maringá, Paraná. Esc Anna Nery [Internet]. 2016 [cited in 2020 Jan. 14]; 20(2):344-51. Available from: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-81452016000200344&lng=en. doi: http://dx.doi.org/10.5935/1414-8145.20160047.

13. Oliveira FA, Ximenes FJM, Monteiro ACS, Farias OO, Mendes IC, Silva e Moura DJM. Competências familiares relacionadas à prevenção e tratamento das doenças nas crianças de até seis anos. Saúde e Pesquisa, Maringá (PR) [Internet]. 2018 [citado em 2020 jan. 14]; 11(2):257-65. Disponível em: http://docs.bvsalud.org/biblioref/2018/09/912403/6201-30298-1-pb.pdf

14. Mendes EV. Entrevista: A abordagem das condições crônicas pelo Sistema Único de Saúde. Ciência & Saúde Coletiva [Internet]. 2018 [citado em 2020 jan. 14]; 23(2):431-5. Disponível em: https://www.scielosp.org/pdf/csc/2018.v23n2/431-436/pt

15. Mota AS, Silva ALA, Souza AC. Educação permanente: Práticas e processos da enfermagem em saúde mental. Rev Port Enf de Saúde Mental [Internet]. 2016 [citado 2020 jan. 14]; (spe4):9-16. Disponível em: http://www.scielo.mec.pt/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1647-21602016000400002&lng=pt. http://dx.doi.org/10.19131/rpesm.0135.

16. Gomes MLP, Silva JCB, Batista EC. Escutando quem cuida: quando o cuidado afeta a saúde do cuidador em saúde mental. Rev Psicol Saúde [Internet]. 2018 [citado em 2020 jan. 14]; 10(1):3-7. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S2177-093X2018000100001&lng=pt. http://dx.doi.org/10.20435/pssa.v10i1.530.

17. Nicolato FV, Santos CM, Castro EAB. Autocuidado e vivências do envelhecer de cuidadores familiares de idosos: contribuições para enfermagem gerontológica. Tempus, actas de saúde colet. 2017; 11(1):169-86. doi: http://dx.doi.org/10.18569/tempus.v11i1.2050

18. Daltro MCSL, Moraes JC, Marsiglia RG. Cuidadores de crianças e adolescentes com transtornos mentais: mudanças na vida social, familiar e sexual. Saúde soc. [Internet]. 2018 [citado em 2020 jan. 14]; 27(2):544-55. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-12902018000200544&lng=en. http://dx.doi.org/10.1590/s0104-12902018156194.

19. Moreira NS, Sousa CS, Poveda VB, Turrini RNT. Self-esteem of cancer patients’ caregivers with reduced functional capacity. Esc Anna Nery [Internet]. 2015 [cited in 2020 Jan. 14]; 19(2):316-22. Available from: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-81452015000200316&lng=en. doi: http://dx.doi.org/10.5935/1414-8145.20150043.

20. Pereira ARPF, Matsue RY, Vieira LJES, Pereira RVS. Análise do cuidado a partir das experiências das mães de crianças com paralisia cerebral. Saúde Soc. [Internet]. 2014 [citado em 2020 jan. 09]; 23(2):616-25. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-12902014000200616&lng=en.

21. Reis KMN, Vilaça AG, Araújo BT, Oliveira LG, Pinto BP. A vivência da família no cuidado domiciliar à criança com necessidades especiais de saúde. Cienc enferm [Internet]. 2017 [citado em 2020 jan. 14]; 23(1):45-55. Disponível em: https://scielo.conicyt.cl/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0717-95532017000100045&lng=es. doi: http://dx.doi.org/10.4067/S0717-95532017000100045

Publicado
2021-03-01
Seção
Artigos Originas - Promoção da Saúde