<b>Hipertrofia Cardíaca em Decorrência da Obesidade e do Exercício Físico

  • Sabrina Pereira Zazycki Universidade Estadual de Maringá
  • Célia Regina de Godoy Gomes Universidade Estadual de Maringá
Palavras-chave: Hipertrofia Cardíaca, Exercício Físico, Obesidade, Sedentarismo, Heart Hypertrophy, Physical Exercise, Obesity, Sedentary Lifestyle.

Resumo

Miócitos, vasos e matriz intersticial colágena são os principais componentes do coração. Quando em equilíbrio, contribuem para a manutenção da forma e da função cardíaca. Após o nascimento, o crescimento do coração ocorre principalmente por hipertrofia do cardiomiócito e por proliferação dos componentes de interstício, pois os cardiomiócitos perdem a capacidade de entrar em mitose completa, não ocorrendo, assim, hiperplasia celular. A hipertrofia dos cardiomiócitos é o mecanismo mais eficiente de compensação do coração frente a uma sobrecarga de trabalho. Ela tem como finalidade adequar o desempenho cardíaco às demandas metabólicas sistêmicas. Apesar dos benefícios comprovados da atividade física, o sedentarismo é fator de risco presente em aproximadamente 60% da população de São Paulo. Nas últimas décadas tem havido rápido e crescente aumento no número de pessoas obesas, o que tornou a obesidade um problema de saúde pública. Este estudo busca esclarecer as ocorrências da hipertrofia cardíaca causada pela prática de exercício físico e em casos de sedentarismo e obesidade.

Biografia do Autor

Sabrina Pereira Zazycki, Universidade Estadual de Maringá
Fisioterapeuta e especialista em Fisiologia pela Universidade Estadual de Maringá – UEM. E-mail: sabrinazazicki@yahoo.com.br
Célia Regina de Godoy Gomes, Universidade Estadual de Maringá
Docente Dra. do Departamento de Morfologia da Universidade Estadual de Maringá – UEM. E-mail: crggomes@uem.br
Publicado
2009-06-08
Seção
Artigos de Revisão