ELEVADAS CONCENTRAÇÕES DE METAIS EM ÁGUAS DO CÓRREGO SÃO JOSÉ, CASCAVEL (PR), E POSSÍVEIS RISCOS À SAÚDE

Phallcha Luízar Obregón, Fernando Rodolfo Espinoza Quiñones, Emanuelle Bianchi da Silva, Clovis Casagrande Junior

Resumo


O objetivo deste estudo foi avaliar a qualidade da água do córrego São José, afluente do rio Boi Piguá, e seu risco à saúde da população do entorno do Aterro Sanitário Municipal da cidade de Cascavel (PR). Foram monitorados parâmetros físico-químicos e elementos em nível de traço, em quatro pontos ao longo do córrego São José durante vinte e quatro meses. Também foi aplicado questionário à população, que mantém contato com a água desse córrego. Foram detectadas concentrações dos elementos químicos As, Pb, Cr, Cu, Hg, Se e V em desconformidade aos limites máximos permitidos pela legislação ambiental, além dos valores de oxigênio dissolvido e condutividade elétrica. Verificou-se que a qualidade da água foi influenciada negativamente pela presença do aterro sanitário. Além disso, doenças gastrointestinais, dermatites e alterações organolépticas na água foram relatadas pela comunidade. Problemas de saúde da população no entorno podem estar possivelmente vinculados ao uso das águas do córrego.

Palavras-chave


Contaminação Ambiental; Grupos de Risco; Metais; Vigilância em Saúde Pública

Texto completo:

PDF

Referências


Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Análise de Situação em Saúde. Saúde Brasil 2007: uma análise da situação de saúde. Brasília (DF): Ministério da Saúde; 2007. 641p.

United Nations Children’s Fund; World Health Organization. Progress in drinking water, and sanitation and hygiene. 2017 update and SDH baselines. Geneva: WHO / UNICEF; 2017. 110p.

Ministério da Saúde (BR). Análise de indicadores relacionados à água para consumo humano e doenças de veiculação hídrica no Brasil, ano 2013, utilizando a metodologia da matriz de indicadores da Organização Mundial da Saúde. Brasília (DF): Ministério da saúde; 2015. 37p.

Brasil. Lei nº. 357, de 17 de março de 2005. Dispõe sobre a classificação dos corpos de água e diretrizes ambientais para o seu enquadramento, bem como estabelece as condições e padrões de lançamento de efluentes, e dá outras providências. Conselho Nacional do Meio Ambiente - CONAMA. Diário Oficial da União, Brasília, 18 mar. 2005. p. 58-63.

Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Vigilância em Saúde. Boas práticas no abastecimento de água: procedimentos para a minimização de riscos à saúde. Brasília (DF): Ministério da saúde; 2006. 252p.

Ministério da Saúde (BR). Sistema nacional de vigilância em saúde. Relatório de situação no Paraná. Brasília: Ministério da saúde; 2011. 35p.

Sampaio CF, Segura-Munõz SI. Qualidade físico-química e microbiológica da água para o consume humano e a relação com a saúde: estudo em uma comunidade rural no estado de São Paulo. Mundo Saúde. 2011; 35(1):98-104.

Satake FM, Assunção AWA, Lopes LG, Amaral LA. Qualidade da água em propriedades rurais situadas na bacia Hidrográfica do Córrego Rico, Jaboticabal – SP. Ars Vet. 2012; 28 (1):48-55.

Kiel G, Brun AL, Rodrigues VP. Avaliação microbiológica de água de consumo em propriedades rurais no município de Cascavel-PR, Brasil. Biodiversidade. 2012; 2(1):131-134.

Stolf DF, Molz S. Avaliação microbiológica da água utilizada para consumo humano em uma propriedade rural de Taió – SC. Saúde Meio Ambient. 2017; 6(1): 96-106.

Moreira JC, Peres F, Simões AC, Pignati WA, Dores EC, Vieira SN, Strüssmann C, Mott T. Contaminação de águas superficiais e de chuva por agrotóxicos em uma região do estado do Mato Grosso. Ciência Saúde Col. 2012; 17(6):1557-1568.

Silva MR, Campos ACE, Bohm FZ. Agrotóxicos e seus impactos sobre ecossistemas aquáticos continentais. SaBios: Rev Saúde e Biol. 2013; 8(2):46-58.

Obregón PL, Espinoza-Quiñones FR, Lopes IBS. (2017). Análise de morbidade de população residente na bacia do córrego Bezerra com evidências de poluição por metais, Cascavel – PR. Espaço para a saúde - Revista Saúde Pública do Paraná. 2017; 18(1):117-128.

Obregón PL, Espinoza-Quinones FR, Módenes NA. Water quality monitoring of the Bezerra river Cascavel/Brazil using SR-TXRF technique. J. Chem. Eng. 2014; 8:587- 595.

Gouveia N. Resíduos sólidos urbanos: impactos socioambientais e perspectiva de manejo sustentável com inclusão social. Cien Saude Col. 2012; 17(6):1503-1510.

Celere MS, Oliveira AS, Trevilato TMB, Segura-Muñoz SI. Metais presentes no chorume coletado no aterro sanitário de Ribeirão Preto, São Paulo, Brasil, e sua relevância para saúde pública. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro. 2007 abr.; 23(4):939-947.

Koller DK, Reginato PRR. Avaliação do risco à saúde humana por meio do consumo de água subterrânea contendo metais, na zona rural do município de Palmares do Sul (RS). XX Simpósio Brasileiro de Recursos Hídricos. Florianópolis. Associação Brasileira de Recursos Hídricos. Florianópolis, BR. Anais. 2017. p:1-8.

Yard E, Bayleyegn T, Abebe A, Mekonnen A, Murphy M, Caldwell KL, Luce R, Hunt DR, Tesfaye K, Abate M, Assefa T, Abera F, Habte K, Chala F, Lewis L, Kebede A. Metals Exposures of Residents Living Near the Akaki River in Addis Ababa, Ethiopia: A Cross-Sectional Study. J Environ Public Health. 2015: 935297.

Companhia Ambiental do Estado de São Paulo (CETESB). Significado ambiental e sanitário das variáveis de qualidade das águas e dos sedimentos e metodologias analíticas e de amostragem. São Paulo: Secretaria do Meio Ambiente/CETESB; 2009.

Menezes J, Prado RB, Silva Jr GC, Mansur KL, Oliveira ES. Qualidade da água superficial em área rural. CADEGEO. 2012; 3(1):32-43.

Moraleco PD, Koppe VC, Gonçalves KG, Pasa MS. Relação entre a qualidade ambiental do córrego do Barbado e a saúde da população do Jardim Renascer, Cuiabá- MT. Biodiversidade. 2014; 13 (2): 90-114.

Barros LSS. Mapeamento sanitário rural do Recôncavo da Bahia. Rev. Bras. Hig. Sanid. Anim. 2016; 10(4):604-652.

Agency for toxics substances & Disease registry. Toxic substances. [acesso em 2017 Jul. 21]. Disponível em: http://www.atsdr.cdc.gov/

Jan AT, Azam M, Siddqui K, Ali A, Choi I, Haq QMR. Heavy metals and human health: mechanistic insight into toxicity and counter defense system of antioxidants. Int J Mol Sci. 2015; 29592-29630.

Mondelli G, Giacheti HL, Hamada J. Avaliação da contaminação no entorno de um aterro de resíduos sólidos urbanos com base em resultados de poços de monitoramento. Eng. Sanit. Ambient. 2016; 21(1):169-182.

Taveira MMV, Silva AM, Rodrigues LS. Impactos do aterro sanitário do município de Três Corações, Minas Gerais, na qualidade da água Subterrânea. Revista da Universidade Vale do Rio Verde, Três Corações. 2016; 14(1):764-772.

Muro Jr A, Caetano LTL, Machado BC, Wendt EV, Muro NP. Avaliação da poluição ambiental de aquíferos e solo por metais-traço, provenientes de e-waste em Goiânia/GO. Tecnia. 2017; 2(2):127-151.

Wongsasuluk P, Chotpantarat S, Siriwong W, Robson M. Heavy metal contamination and human health risk assessment in drinking water from shallow groundwater wells in an agricultural area in Ubon Ratchathani province, Thailand. Environ Geochem Health. 2014 Feb; 36(1): 169–182.

Reis JLE, Abrahão BOL, Moura BL. Os problemas do rio São Francisco na percepção de moradores de Petrolina e Juazeiro: a saúde em foco. Saúde e Pesqui. 2017; 10(3):473-484.




DOI: http://dx.doi.org/10.17765/2176-9206.2019v12n1p51-61

Saúde e Pesquisa
Unicesumar, Maringá (PR), Brasil
ISSN 2176-9206 On-line
Contato: naep@unicesumar.edu.br

ISSN 1983-1870 Versão impressa interrompido em 2019

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.