Incentivos e tipologia de sistemas produtivos leiteiros que participam de programas para a melhoria da qualidade do leite

Palavras-chave: Bonificação, Laticínios, Produção de leite

Resumo

O Estado do Paraná é o terceiro maior produtor de leite do Brasil, atividade que desempenha importante papel social e econômico. Neste trabalho, buscou-se comparar as características estruturais e produtivas dos produtores rurais que participam e não participam de programas para melhoria da qualidade do leite definidos pela indústria. A coleta de dados foi realizada a partir de formulário aplicado junto a 42 produtores de leite localizados nas mesorregiões Oeste, Centro Oeste, Centro Norte, Noroeste e Sudoeste do Estado do Paraná, que foram divididos em dois grupos: G1 (n = 28) aqueles que não participam de programas de melhoria da qualidade e G2 (n = 14) aqueles que participam. Os produtores que participam de programas de melhoria da qualidade do leite apresentaram maior número de funcionários na atividade leiteira e maior volume de leite produzido (p < 0,05). Além disso, utilizavam com maior frequência técnicas de pré e pós-dipping e possuíam melhor conhecimento sobre os parâmetros para melhoria da qualidade do leite, como contagem bacteriana total, contagem de células somáticas, proteína e gordura. Esses produtores tinham a oferta de assistência técnica como principal estímulo para a participação dos programas. Dessa forma, programas para a melhoria da qualidade do leite estabelecidos pela indústria podem representar uma importante estratégia para incentivar os agricultores a aumentar o volume e a qualidade do leite produzido.

Biografia do Autor

Clodoaldo Souza Monteiro Junior, Universidade Estadual de Maringá - UEM
Zootecnista graduado pela Universidade Estadual de Maringá (UEM), Maringá (PR), Brasil.
Ferenc Istvan Bánkuti, Universidade Estadual de Maringá - UEM
Professor associado do Departamento de Zootecnia da Universidade Estadual de Maringá (UEM), Maringá (PR), Brasil.
Raiane Real Martinelli, Universidade Estadual de Maringá - UEM
Pós-doutoranda em Gestão da Produção Animal pela Universidade Estadual de Maringá (UEM), Maringá (PR), Brasil.
Pedro Gustavo Loesia Lima, Universidade Estadual de Maringá - UEM
Doutor em Zootecnia pela Universidade Estadual de Maringá (UEM), Maringá (PR), Brasil
Bruna Sesco de Mendonça, Universidade Cesumar - UniCesumar
Docente do curso Agronegócio da Universidade Cesumar (UniCesumar), Maringá (PR), Brasil.
Marcio Gregório Rojas Santos, Serviço Nacional de Aprendizagem Rural - SENAR
Instrutor do Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (SENAR) Rondônia, Brasil.

Referências

BÁNKUTI, F. I.; CALDAS, M. M. Geographical milk redistribution in Paraná State, Brazil: consequences of institutional and market changes. Journal of Rural Studies, v. 64, p. 63-72.

BARON, C. P.; SACHET, A. P.; SILVA-NETO, A. F.; FRANCISCATO, C. Caracterização das condições de higiene de ordenha na produção leiteira da agricultura familiar no município de Realeza - Sudoeste Paranaense. Revista Brasileira de Higiene e Sanidade Animal, v. 10, n. 4, p. 693-707, 2016.

BOTARO, B. G.; GAMEIRO, A. H.; SANTOS, M. V. Quality based payment program and milk quality in dairy cooperatives of Southern Brazil: an econometric analysis. Scientia Agricola, v. 70, n. 1, p. 21-26, 2013.

BRASIL. Instrução Normativa nº 51, de 20 de setembro de 2002. Aprova os regulamentos técnicos de produção, identidade e qualidade do leite. Diário Oficial da União, Brasília, 21 set. 2002. Seção 1.

CASALI, M. S.; MARION FILHO, P. J. Custos de transação e governança na produção de leite em Cruz Alta (RS). Revista de Economia e Administração, v. 11, n. 3, p. 321-341, jul./set. 2012.

CONSELEITE. Informações básicas sobre o Conseleite PR. 2017. Disponível em: https://conseleitepr.com.br/faq/. Acesso em: 30 maio 2018.

DIAS, M.; ASSIS, A. C. F.; NASCIMENTO, V. A.; SAENZ, E. A. C.; LIMA, L. A. Sazonalidade dos componentes do leite e o programa de pagamento por qualidade. Enciclopédia Biosfera, v. 11, n. 21, p. 1712-1727, 2015.

ECKSTEIN, I. I.; POZZA, M. S. S.; ZAMBOM, M. A.; RAMOS, C. E. C. O.; TSUTSUMI, C. Y.; FERNANDES, T.; ECKSTEIN, E. I.; BUSANELLO, M. Qualidade do leite e sua correlação com técnicas de manejo de ordenha. Scientia Agraria Paranaensis, v. 13, n. 2, p. 143-151, abr./jun. 2014. DOI: 10.18188/1983-1471/sap.v13n2p143-151.

GONÇALVES, J. L.; KAMPHUIS, C.; MARTINS, C. M. M. R.; BARREIRO, J. R.; TOMAZI, T.; GAMEIRO, A. H.; HOGEVEEN, H.; SANTOS, M. V. Bovine subclinical mastitis reduces milk yield and economic return. Livestock Science, v. 210, p. 25-32, 2018. DOI: 10.1016/j.livsci.2018.01.016.

HYLAND, J. J.; HEANUE, K.; MCKILLOP, J.; MICHA, E. Factors in fluencing dairy farmers’ adoption of best management grazing practices. Land Use Policy, v. 78, p. 562-571, 2018. DOI: 10.1016/j.landusepol.2018.07.006.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Censo Agropecuário 2017. Disponível em: https://sidra.ibge.gov.br/tabela/6782. Acesso em: 6 ago. 2018.

IPARDES. Instituto Paranaense de Desenvolvimento Econômico e Social. Caracterização socioeconômica da atividade leiteira no Paraná. Curitiba: IPARDES, 2008. 187p.

IPARDES. Instituto Paranaense de Desenvolvimento Econômico e Social. Caracterização socioeconômica da atividade leiteira do Paraná: sumário executivo. Curitiba: IPARDES, 2009. 29p.

LANGE, M. J.; ZAMBOM, M. A.; POZZA, M. S. S.; SIMÕES, G. H.; FERNANDES, T.; TININI, R. C. R.; FORNARI, J.; ANSCHAU, F. A. Tipologia de manejo de ordenha: análise de fatores de risco para a mastite subclínica. Pesquisa Veterinária Brasileira, v. 37, n. 11, p. 1205-1212, 2017. DOI: 10.1590/s0100-736x2017001100004.

MIGUEL, P. R. R.; POZZA, M. S. S.; CARON, L. F.; ZAMBOM, M. A.; POZZA, P. C. Incidência de contaminação no processo de obtenção do leite e suscetibilidade a agentes antimicrobianos. Semina: Ciências Agrárias, v. 33, n. 1, p. 403-416, jan./mar. 2012. DOI: 10.5433/1679-0359.2012v33n1p403.

MILINSKI, C. C.; VENTURA, C. A. A. Os impactos do programa nacional de melhoria da qualidade do leite - PNMQL na região de Franca-SP. Journal of Chemical Information and Modeling, v. 7, n. 1, p. 170-198, 2010. DOI: 10.5007/1807-1384.2010v7n1p170.

MURPHY, S. C.; MARTIN, N. H.; BARBANO, D. M.; WIEDMANN, M. Influence of raw milk quality on processed dairy products: how do raw milk quality test results relate to product quality and yield? Journal of Dairy Science, v. 99, n. 12, p. 10128-10149, 2016. DOI: 10.3168/jds.2016-11172.

OLIVEIRA, L. F. T.; SILVA, S. P. Mudanças institucionais e produção familiar na cadeia produtiva do leite no Oeste Catarinense. Revista de Economia e Sociologia Rural, v. 50, n. 4, p. 705-720, out./dez. 2012. DOI: 10.1590/S0103-20032012000400007.

OLIVEIRA, M. V.; MENDONÇA, L. C.; PIRES, M. F. A.; REIS, E. S.; MIRANDA, J. E. C.; DINIZ, F. H.; VICENTINI, N. M.; COSTA, L. R.; MAGALHÃES, V. M. A. Boas práticas de ordenha na propriedade familiar para obtenção de leite e queijo artesanal de qualidade: cartilhas elaboradas conforme metodologia e-Rural. Brasília: Embrapa, 2017. 40p.

PARRÉ, J. L.; BÁNKUTI, S. M. S.; ZANMARIA, N. A. Perfil socioeconômico de produtores de leite da região Sudoeste do Paraná: um estudo a partir de diferentes níveis de produtividade. Revista de Economia e Agronegócio, v. 9, n. 2, p. 275-300, 2011.

ROMA JÚNIOR, L. C.; MONTOYA, J. F. G.; MARTINS, T. T.; CASSOLI, L. D.; MACHADO, P. F. Sazonalidade do teor de proteína e outros componentes do leite e sua relação com programa de pagamento por qualidade. Arquivo Brasileiro de Medicina Veterinária e Zootecnia, v. 61, n. 6, p. 1411-1418, 2009.

SOUZA, R. P.; BUAINAIN, A. M. A competitividade da produção de leite da agricultura familiar: os limites da exclusão. Estudos Sociedade e Agricultura, v. 21, p. 308-331, 2013.

VOGES, J. G.; THALER NETO, A.; KAZAMA, D. C. S. Qualidade do leite e a sua relação com o sistema de produção e a estrutura para ordenha. Revista Brasileira de Ciência Veterinária, v. 22, n. 3-4, p. 171-175, 2015. DOI: 10.4322/rbcv.2016.00.

WENTE, N.; GRIEGER, A. S.; KLOCKE, D.; PADUCH, J. H.; ZHANG, Y.; LEIMBACH, S.; SEETH, M.; CASTELO-DE-VRIES, E. M.; MOHR, E.; KRÖMKER, V. Recurrent mastites - persistent or new infections? Veterinary Microbiology, v. 244, p. 1-4, 2020. DOI: 10.1016/j.vetmic.2020.108682.

Publicado
2021-07-31