Ajuste volumétrico por grupo e para 24 espécies comerciais em uma área de manejo florestal comunitário

Palavras-chave: Análise multivariada, Floresta Nacional do Tapajós, Volumetria

Resumo

O presente trabalho teve como objetivo ajustar o modelo volumétrico de Schumacher-Hall por grupos de espécies e para um conjunto de 24 espécies, utilizando a análise multivariada, em uma área submetida ao Manejo Florestal Comunitário. Os dados utilizados são oriundos da Floresta Nacional do Tapajós, mais precisamente da Unidade de Produção Anual 10. Foi realizada a análise de Cluster e análise discriminante para verificar a veracidade do dendrograma formado. A partir do agrupamento foi ajustado o modelo volumétrico de Schumacher e Hall para os grupos e para todas as espécies que fizeram parte do estudo, com a finalidade de compará-los. Dentre os grupos, o que mais se destacou em volumetria foi o grupo III (Manilkara huberi; Couratari guianensis e Hymenaea courbaril), seguido do grupo II (Cordia goeldiana; Dipteryx odorata; Lecythis pisonis; Cedrela odorata; Diplotropis purpurea; Handroanthus incana; Vochysia maxima; Goupia glaba; Pseudopiptadenia psilostachya; Mezilaurus itauba; Terminalia dichotoma; Handroanthus serratifolius) e em terceiro o grupo I (Apuleia moralis; Pouteria bilocularis; Vatairea paraensis; Cedrelinga catenaeformis; Lecythis lurida; Hymenolobium petraeum; Bagassa guianensis; Hymenaea parvifolia; Astronium lecointei). O ajuste das equações apresentou diferença significativa apenas para a equação do grupo II quando comparados o volume estimado com o volume real, não sendo aplicável a equação geral para tal grupo de espécies. Os grupos I e III só apresentaram diferença significativa em relação a equação aplicada para todas as espécies. Com isso recomenda-se o ajuste por agrupamento de espécies, principalmente para florestas tropicais.

Biografia do Autor

Gisele de Aguiar Lima, Universidade Federal do Oeste do Pará - UFOPA
Mestranda no programa de pós-graduação em sociedade, ambiente e qualidade de vida da Universidade Federal do Oeste do Pará (UFOPA), Santarém (PA), Brasil.
Renato Bezerra da Silva Ribeiro, Universidade Federal do Oeste do Pará - UFOPA
Doutorando em Ciências Ambientais no Programa de Pós-Graduação em Sociedade, Natureza e Desenvolvimento da Universidade Federal do Oeste do Pará (UFOPA), Santarém (PA), Brasil.
Karla Mayara Almada Gomes, Universidade Federal do Paraná - UFPR
Doutoranda no Programa de Pós-Graduação em Engenharia Florestal da Universidade Federal do Paraná (UFPR), Curitiba (PR), Brasil.
Lucas Cunha Ximenes, Universidade Federal do Oeste do Pará - UFOPA
Doutorando em Ciências Ambientais, Programa de Pós-Graduação em Sociedade, Natureza e Desenvolvimento, Universidade Federal do Oeste do Pará (UFOPA), Santarém (PA), Brasil.
Girlene da Silva Cruz, Universidade Federal do Paraná - UFPR
Doutoranda no Programa de Pós-Graduação em Engenharia Florestal da Universidade Federal do Paraná (UFPR), Curitiba (PR), Brasil.

Referências

AKINDELE, S. O.; LEMAY, V. M. Development of tree volume equations for common timber species in the tropical rain forest area of Nigeria. Forest Ecology and Management, v. 226, p. 41-48, 2006.

AKINDELE, S. O. Volume functions for common timber species of Nigeria’s tropical rain forests. International Tropical Timber Organization (ITTO), 2005.

ALBUQUERQUE, M. A. Análise de agrupamento hierárquica e incremental: estudo de caso em Ciências Florestais. 2013. 160f. Tese (Doutorado em Biometria e Estatística Aplicada) - Universidade Federal Rural de Pernambuco, Departamento de Estatística e Informática, Recife, 2013.

BARRETO, W. F.; LEÃO, F. M.; MENEZES, M. C.; SOUZA, D. V. Equação de volume para apoio ao manejo comunitário de empreendimento florestal em Anapu, Pará. Pesquisa Florestal Brasileira, Colombo, v. 34, n. 80, out./dez. 2014.

BARROS, P. L. C.; SILVA-JUNIOR, A. T. Equação de volume para árvores de uma floresta tropical densa no município de Anapú, Oeste do Estado do Pará, Amazônia oriental. Revista Ciências Agrárias, Belém, n. 51, p. 115-126, 2009.

CAMPOS, J. C. C.; LEITE, H. G. Mensuração florestal: perguntas e respostas. Viçosa: UFV, 2002. 407p.

CORDEIRO, M. A.; PEREIRA, N. N. J.; BINOTI, D. H. B.; BINOTI, M. L. M. S.; LEITE, H. G. Estimativa do volume de Acacia magium utilizando técnicas de redes neurais artificiais e máquinas vetor de suporte. Pesquisa Florestal Brasileira, Colombo, v. 35, n. 83, p. 255-261, 2015.

CORRÊA, K. K. S.; GAMA, J. R. V.; SILVA-RIBEIRO, R. B.; XIMENES, L. C. Ajuste e classificação do potencial volumétrico de Lecythis lurida (MIERS) MORI, Flona do Tapajós. Nativa, v. 6, n. 4, p. 395-401, 2018.

CRUZ, G. S.; SOUSA, E. A. B.; ALMEIDA, B. R. S.; LIMA, B. A.; RODRIGUES, B. L.; SILVA-RIBEIRO, R. B. Ajuste volumétrico para Hymenaea coubaril L. na Floresta Nacional do Tapajós. In: REUNIÃO ANUAL DA SBPC, 69., 2017, Belo Horizonte. Anais [...]. Reunião Anual da SBPC, 2017.

CYSNEIROS, V. C.; PELISSARI, AL. L.; MACHADO, S. A.; FIGUEIREDO-FILHO, A.; SOUZA, L. Modelos genéricos e específicos para estimativa do volume comercial em uma floresta sob concessão na Amazônia. Scientia Florestalis, v. 45, n. 114, p. 295-304, 2017.

HIRAMATSU, N. A. Equações de volume comercial para espécies nativas na região do vale do Jari, Amazônia Oriental. 2008. 92f. Dissertação (Mestrado em Engenharia Florestal) - Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2008.

IGBINOSA, A. H.; AMOO, O. B. Appropriate volume functions for leguminosae family in two tropical rainforests in cross river state, Nigeria. Journal of Environment and Ecology, v. 5, n. 2, p. 206-221, 2014.

IBAMA - Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis. Floresta Nacional do Tapajós: plano de manejo. Brasília, 2004. 373p.

LEITE, F. S. L.; REZENDE, A. V. Estimativa do volume de madeira a partir do diâmetro da cepa em uma área explorada de floresta amazônica de terra firme. Ciência Florestal, v. 20, n. 1, p. 69-79, 2010.

MACHADO, A. S.; FIGUEIREDO-FILHO, A. Dendrometria. 2. ed. Guarapuava: Unicentro, 2013. 316p.

R CORE TEAM. R: a language and environment for statistical computing. R Foundation for Statistical Computing, Vienna, Austria, 2013. ISBN 3-900051-07-0. Disponível em: http://www.R-project.org/. Acesso em: jan. 2020.

SCOLFORO, J. R. S. Biometria florestal: parte I: modelos de regressão linear e não linear: parte II: modelos para relação hipsométrica, volume, afilamento e peso da matéria seca. Lavras: UFLA/FAEPE, 2005. 352p.

SILVA, J. N. M.; CARVALHO, J. O. P.; LOPES, J. C. A.; CARVALHO, M. S. P. Equações de volume para a floresta nacional do Tapajós. Boletim de Pesquisa Florestal, Curitiba, n. 8/9, p. 50-63, 1984.

SILVA-RIBEIRO, R. B.; GAMA, J. R. V.; MELO, L. O. Seccionamento para cubagem e escolha de equações de volume para a Floresta Nacional do Tapajós. Revista Cerne, v. 20, n. 4, p. 605-612, 2014.

THOMAS, C.; ANDRADE, C. M.; SCHNEIDER, P. R.; FINGER, C. A. G. Comparação de equações volumétricas ajustadas com dados de cubagem e análise de tronco. Ciência Florestal, v. 16, n. 3, p. 319-327, 2006.

VANCLAY, J. K. Aggregating tree species to develop diameter increment equations for tropical rainforests. Forest Ecology and Management, v. 42, p. 143-168, 1991.

Publicado
2022-03-31