Modelo híbrido de emissões de CO2 em Mato Grosso do Sul: aplicação na cadeia de frango de corte

Palavras-chave: Agronegócio, Modelo insumo-produto, Meio ambiente e desenvolvimento regional, Poluição do ar

Resumo

Esta pesquisa quantificou o consumo energético e emissões de CO2 da cadeia de frango de corte, considerando a matriz híbrida de insumo-produto de Mato Grosso do Sul, utilizando dados de 2015. É calculada a intensidade de emissões de dióxido de carbono para sete setores da economia estadual, além de calcular os setores-chave por meio dos índices de ligação Rasmussen-Hirschman. A cadeia de frango de corte possui efeitos totais de emissão de 32,50 t CO2 a cada R$ 1 milhão, acrescidos nas atividades econômicas relacionadas à cadeia produtiva, e os índices de ligação apresentaram impactos no aumento das emissões de CO2 nos elos anteriores da cadeia produtiva. Os resultados fornecem informações sobre impactos econômicos e ambientais decorrentes de investimentos na cadeia produtiva.

Biografia do Autor

Wesley Osvaldo Pradella Rodrigues, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul - UFMS
Docente Adjunto da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS), Naviraí (MS), Brasil.
Daniel Massen Frainer , Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul
Doutor em Economia, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Brasil. Professor Associado na Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul.
Antonio Sérgio Eduardo, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul - UFMS
Doutorando em Meio Ambiente e Desenvolvimento Regional, Universidade Anhanguera Uniderp, Brasil. Professor Assistente na Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, Campus Nova Andradina

Referências

CARVALHO, T. S.; PEROBELLI, F. S. Avaliação da intensidade de emissões de CO2 setoriais e na estrutura de exportações: um modelo interregional de insumo-produto São Paulo/restante do Brasil. Economia Aplicada, São Paulo, v. 13, n. 1, p. 99-124, 2009.

FRAINER, D. M., et al. Matriz insumo-produto de Mato Grosso do Sul 2015: construção e análise dos principais indicadores econômicos. Revista de Desenvolvimento Econômico, Salvador, v. 2, n. 46, 2020. (no prelo).

HILGEMBERG, E. M. Quantificação e efeitos econômicos do controle de emissões de CO2 decorrentes do uso de gás natural, álcool e derivados de petróleo no Brasil: um modelo interregional de insumo-produto. 2004. 151 f. Tese (Doutorado em Economia Aplicada) – Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz, Universidade de São Paulo, Piracicaba, 2004.

HILGEMBERG, E. M.; GUILHOTO, L. J. M. Uso de combustíveis e emissões de CO2 no Brasil: um modelo inter-regional de insumo-produto. Nova Economia, Belo Horizonte, v. 16, n. 1, p. 49-99, 2006.

MILLER, R.E.; BLAIR, P.D. Input-output analysis: foundations and extensions. New York: Cambridge University Press, 2009.

MONTOYA, M. A. et al. Consumo de energia, emissões de CO2 e a geração de renda e emprego no agronegócio brasileiro: uma análise insumo–produto. Economia Aplicada, São Paulo, v. 20, n. 4, p. 383-412, 2016.

MONTOYA, M. A.; LOPES, L. A. GUILHOTO, J. J. Desagregação setorial do balanço energético nacional a partir dos dados da matriz insumo-produto: uma avaliação metodológica. Economia Aplicada, São Paulo, v. 18, n. 3, p. 379-419, 2014.

MONTOYA, M. A.; BERTUSSI, L. A. S.; LOPES, R. L. A cadeia soja no Brasil: uma abordagem insumoproduto do PIB, emprego, consumo de energia. TD Nereus, São Paulo, v. 4, 2017. Disponivel em: http://www.usp.br/nereus/wp-content/uploads/TD_Nereus_04_2017.pdf.

MONTOYA, M. A.; PASQUAL, C. A. O uso setorial de energia renovável versus não renovável e as emissões de CO2 na economia brasileira: um modelo insumo-produto híbrido para 53 setores. Pesquisa e Planejamento Econômico, Rio de Janeiro, v. 45, n. 2, p. 290-335, 2015.

PEROBELLI, F. S. MATTOS, R. S. FARIA, W. R. Interações energéticas entre o Estado de Minas Gerais e o restante do Brasil: uma análise inter-regional de insumo-produto. Economia Aplicada, São Paulo, v. 11, n. 1, p. 113-130, 2007.

PORSSE, A. A. Multiplicadores de impacto na economia gaúcha: aplicação do modelo de insumo-produto fechado de Leontief. Porto Alegre: FEE, 2002. (Documentos FEE, n. 52).

SECRETARIA DE ESTADO DE INFRAESTRUTURA. Balanço Energético de Mato Grosso do Sul 2016: ano base 2015. Campo Grande, 2016. p. 115.

Publicado
2021-07-31