Práticas de educação em saúde sobre HIV para populações vulneráveis no Brasil: revisão integrativa

Palavras-chave: educação em saúde, prevenção do HIV, populações vulneráveis

Resumo

Educação em saúde é um processo que visa o reconhecimento da importância da promoção da saúde e da prevenção de doenças. As práticas de educação em saúde sobre a infecção pelo vírus da imunodeficiência humana (HIV) com populações vulneráveis, no Brasil, têm sido implementadas frente a desafios. Este estudo objetiva apresentar produções científicas acerca das práticas de educação em saúde sobre HIV para populações vulneráveis brasileiras. Trata-se de uma revisão integrativa da literatura nas bases eletrônicas BVS, Scielo e Pubmed. Por meio dos critérios de inclusão, exclusão e elegibilidade, selecionou-se dois artigos para discussão. Ambos publicados em 2018, apresentam uma pesquisa quantitativa intervencionista com 55 idosos na cidade de Sobral, Ceará, e uma revisão integrativa da literatura entre os anos de 2000 e 2014. Evidenciou-se que existe escassez de variedade e inovação tanto nas práticas educativas em saúde, como na realização de estudos voltados para as populações vulneráveis do Brasil.

Biografia do Autor

Cristiane Pimentel Hernandes, Universidade de Santa Cruz do Sul
Possui Graduação em Medicina pela Universidade Católica de Pelotas (2002), Residência Médica em Infectologia pela Fundação Faculdade Federal de Ciências Médicas de Porto Alegre (2007), Mestrado em Ciências Pneumológicas pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (2009) e Título de Especialista em Medicina de Família e Comunidade pela AMB (2018). Possui ainda Especialização Lato Sensu em Cooperativismo, Gestão e Desenvolvimento Regional pela Universidade de Santa Cruz do Sul (2015). Atua como Médica Infectologista do CEMAS/SAE de Santa Cruz do Sul e como Coordenadora Médica das áreas de Atenção e Promoção à Saúde da Unimed Vales do Taquari e Rio Pardo. É consultora da Unimed Federação do RS. Atua como Docente do Curso de Medicina da Universidade de Santa Cruz do Sul, ministrando as disciplinas de Doenças Infeciosas e Parasitárias, Semiologia Médica e Políticas Públicas. É médica referência em Genotipagem para HIV pelo Ministério da Saúde - DIAHV. É diretora de relações institucionais da Sociedade Gaúcha de Infectologia. Atualmente, é doutoranda em Promoção da Saúde na Universidade de Santa Cruz do Sul.
Andreia Gabriela Buenoda Silva Bueno , Universidade de Santa Cruz do Sul
Médica. Doutoranda de Promoção da Saúde da Universidade de Santa Cruz do Sul - UNISC, Santa Cruz do Sul (RS), Brasil
Camilo Darsie, Universidade de Santa Cruz do Sul
Pós-doutorado em Educação pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), em pesquisa desenvolvida com a Fulda University of Applied Sciences, da Alemanha. Pós-doutorado em Saúde Coletiva pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), tendo desempenhando atividades de campo na Costa Rica, por meio da Universidad de Costa Rica (UCR). Doutor em Educação pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul, com Doutorado Sanduíche na Universidade de Minnesota (U of M), Estados Unidos. Mestre em Educação e graduado em Geografia. Professor Permanente do Programa de Pós-graduação em Educação, na Linha de Pesquisa Educação, Cultura e Produção de Sujeitos da Universidade de Santa Cruz do Sul (UNISC). Coordenador do Internato de Saúde Coletiva e Professor da mesma área no curso de Medicina. Vice-líder do Grupo de Pesquisa Políticas Públicas, Inclusão e Produção de Sujeitos (PPIPS) e Editor-chefe da Revista Reflexão e Ação, do PPGEdu, na mesma instituição. Participante do Grupo de estudos em Promoção da Saúde (GEPS) da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Membro da Rede Brasileira de Letramento em Saúde (Rebrals) e da International Health Literacy Research Network, coordenada pela Fulda University of Applied Sciences e Technical University Munich. Desenvolve pesquisas nas áreas de Educação, Saúde e Geografia.
Vanessa Cardoso, Universidade de Santa Cruz do Sul
Possui graduação em Enfermagem pela Universidade de Santa Cruz do Sul (2005), Pós-graduação em Gestão de Pessoas pela Universidade de Caxias do Sul (2007), MBA Executivo em Saúde pela Fundação Getúlio Vargas-FGV (2014) e Pós Graduação em Oncologia (2016) e Mestrado Profissional em Enfermagem pela Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre - UFCSPA (2018). Atualmente atua com Analista de Atenção à Saúde na Unimed Vales do Taquari e Rio Pardo.
Suzane Beatriz Frantz Krug, Universidade de Santa Cruz do Sul
Graduação em Enfermagem e Obstetrícia (UFSM), pós-graduação em Administração Hospitalar; em Enfermagem do Trabalho e MBA em Gestão da Aprendizagem e Modelos Híbridos de Educação, Mestrado em Desenvolvimento Regional (UNISC) e Doutorado em Serviço Social (PUC/ RS). Foi coordenadora do curso de graduação em Enfermagem, de cursos de pós-graduação latu sensu, Chefe do Departamento de Enfermagem e Odontologia e integrante do Comitê de Ética em Pesquisa com Seres Humanos da Universidade de Santa Cruz do Sul (UNISC). Atualmente é professora adjunta e Chefe do Departamento de Ciências da Saúde da UNISC, consultora ad Hoc do Instituto Nacional de estudos e Pesquisas Educacionais (INEP/MEC), líder do Grupo Interdisciplinar Ampliado de Trabalho e Estudos em Saúde - GIATES e do Grupo de Estudos e Pesquisa em Saúde (GEPS), desenvolvendo pesquisas com apoio do CNPQ, FAPERGS, CAPES e Ministério da Saúde/OPAS. Docente de cursos de graduação da saúde e do Corpo Permanente do Mestrado e Doutorado em Promoção da Saúde da UNISC, editora-chefe da Revista Interdisciplinar de Promoção da Saúde e revisora de diversos periódicos científicos. Tem experiência na área de saúde/Enfermagem, com ênfase em Saúde do Trabalhador, saúde coletiva, processo de trabalho em saúde; sistematização da assistência de enfermagem, promoção da saúde, pessoa com deficiência.
Gustavo Trombetta Mannes, Universidade de Santa Cruz do Sul
Acadêmico do Curso de Medicina da Universidade de Santa Cruz do Sul
Hildegard Hedwig Pohl, Universidade de Santa Cruz do Sul
Possui graduação em Educação Física pela Faculdades Integradas de Santa Cruz do Sul (1974), especialização em Biomecânica pela Universidade Federal de Santa Maria (1976), MBA em Gestão da Aprendizagem e Modelos Híbridos de Educação pelo Centro Universitário União das Américas (2020), mestrado em Desenvolvimento Regional pela Universidade de Santa Cruz do Sul (1997) e doutorado em Desenvolvimento Regional pela Universidade de Santa Cruz do Sul (2007). Atualmente é professora da Universidade de Santa Cruz do Sul, também como docente do Curso de Mestrado e Doutorado em Promoção da Saúde. Tem experiência na área de Educação Física, com ênfase em Atividade Física e Saúde, atuando principalmente nos seguintes temas: estilo de vida, saúde do trabalhador, aptidão física, atividade física e educação em saúde.

Referências

Scott JB, Prola CA, Siqueira AC, Pereira CRR. O conceito de vulnerabilidade social no âmbito da psicologia no Brasil: uma revisão sistemática da literatura. Psicologia em Revista. 2018; 24(1):600-615. doi: http://dx.doi.org/10.5752/P.1678-9563.2018v24n2p600-615

Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz). Saúde das populações vulneráveis. 2013.

Organização Mundial de Saúde (OMS). Promoção da saúde: uma discussão sobre as estratégias para a promoção da saúde. 1992.

Falkenberg MB, Mendes TPL, Moraes EP, Souza EM. Educação em saúde e educação na saúde: conceitos e implicações para a saúde coletiva. Ciência & Saúde Coletiva. 2014;19(3):847-852. doi: https://doi.org/10.1590/1413-81232014193.01572013

Darsie C, Weber DL. Geografias que fazemos: educação geográfica em diferentes contextos. Geografia da Saúde e Educação Básica. 2021; 2:189-198.

UNAIDS. How UNAIDS data is guiding the world to end AIDS. 2022; 44.

Ministério da Saúde (BR). Portaria nº 542, de 22 de dezembro de 1986. https://pesquisa.bvsalud.org/ses/resource/pt/crt-3619

Ministério da Saúde (BR). Portaria nº 993, de 4 de setembro de 2000. https://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2000/prt0993_04_09_2000.html

Ministério da Saúde (BR). Portaria nº 1.271, de 6 de junho de 2014. https://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2014/prt1271_06_06_2014.html

Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Vigilância em Saúde. Boletim Epidemiológico 2022. https://www.gov.br/saude/pt-br/centrais-de-conteudo/publicacoes/boletins/epidemiologicos/edicoes/2022

Rodriguez, TM, Specht, BM, Silva, JF, Darsie, C. “Deu positivo, e agora?”: reflexões sobre uma plataforma virtual de educação em saúde da UNAIDS e UNESCO para jovens que vivem com HIV/Aids no Brasil. Revista Sustinere, 2023;11(2):497-516. Doi: https://doi.org/10.12957/sustinere.2023.69924.

Kerr J, Bullock NAA, Burton K, Mitchell C, Harris L, Combs R, Northington T. Predictors of Pre-exposure Prophylaxis Awareness among African American Young Adults in Louisville, Kentucky. Journal of Health Care for the Poor and Underserved. 2022. 33(3): 1419-1431. doi: https://doi.org/10.1353/hpu.2022.0121

Souza MT, Silva MD, Carvalho R; Integrative review: what is it? How to do it? Einstein. 2010, v. 8, n. 1, p. 102-106. doi: https://doi.org/10.1590/S1679-45082010RW1134

Cooper HM. Integrating research: A guide for literature reviews / Integrating research: A guide for literature reviews. Applied Social Research Methods Series. 1989; 157.

Ursi ES, Galvão CM. Prevenção de lesões de pele no perioperatório: revisão integrativa da literatura. Revista Latino-Americana de Enfermagem. 2006; 14(1):124-131. doi: https://doi.org/10.1590/S0104-11692006000100017

Bastos LM, Tolentino JMS, Frota MAO, Tomaz WC, Fialho MLS, Batista ACB, et al. Avaliação do nível de conhecimento em relação à Aids e sífilis por idosos do interior cearense, Brasil. Ciência & Saúde Coletiva. 2018; 23(8): 2495-2502. doi: https://doi.org/10.1590/1413-81232018238.10072016

Lima ACMACC, Bezerra KC, Sousa DMN, Vasconcelos CTM, Coutinho JFV, Oriá MOB. Educational technologies and practices for prevention of vertical HIV transmission. Revista Brasileira de Enfermagem. 2018; 71:1759-1767. doi: https://doi.org/10.1590/0034-7167-2016-0333

Guedes HHS, Souza AIS. A Educação em saúde como aporte estratégico nas práticas de saúde voltadas ao HIV/AIDS: O papel da Equipe de saúde. Revista de APS. 2009; 12(4):388-397.

Palácio MAV, Takenami I. Em tempos de pandemia pela COVID-19: o desafio para a educação em saúde. Vigilância Sanitária em Debate. 2020; 8(2);10-15. doi: https://doi.org/10.22239/2317-269X.01530

Barreto VP, Inácio JO, Silva BCO, Aquino ARG, Marques CC, Feijão AR. Estratégia de educação por pares na prevenção de HIV/AIDS entre adolescentes. Saúde e Pesquisa. 2020; 12(3):253-263. doi: https://doi.org/10.17765/2176-9206.2020v13n2p253-263

Merthy EE. Em busca de ferramentas analisadoras das Tecnologias em Saúde: a informação e o dia a dia de um serviço, interrogando e gerindo trabalho em saúde. Agir em saúde: um desafio para o público. 2002; 2:113-50.

Lazzarotto AR, Kramer AS, Hädrich M, Tonin M, Caputo P, Sprinz E. O conhecimento de HIV/aids na terceira idade: estudo epidemiológico no Vale do Sinos, Rio Grande do Sul, Brasil. Ciência & Saúde Coletiva. 2008; 13(6)1833-1840. doi: https://doi.org/10.1590/S1413-81232008000600018

Pereira GS, Borges CI. Conhecimento sobre HIV/AIDS de participantes de um grupo de idosos, em Anápolis-Goiás. Escola Anna Nery. 2010; 14(4)720-725. doi: https://doi.org/10.1590/S1414-81452010000400010

Medeiros KCS, Leal MCC, Marques APO, Marino JG. Avaliação do nível de informação em relação à Aids/HIV por idosos assistidos no Programa de Saúde da Família. Geriatria & Gerontologia. 2008; 2(2);53-58.

Publicado
2024-03-31
Seção
Artigos de Revisão