<b>Avaliação da Qualidade de Vida em Pacientes Submetidos a um Programa de Reabilitação Cardiovascular Semissupervisionado Fase II

  • Francisca Eugênia Justino Barbosa Instituto de Ensino Superior do Ceará - IESC
  • Joelma da Silva Torres Instituto de Ensino Superior do Ceará - IESC
  • Maria Iderlania de Freitas Sousa Faculdade Leão Sampaio - FALS
  • Érika Augusta Batista Lopes Instituto de Ensino Superior do Ceará
  • Josafa Justino Barbosa Universidade Estadual Vale do Acaraú - UVA
Palavras-chave: Doença Arterial Coronariana, Qualidade de Vida, Reabilitação Cardiovascular.

Resumo

De acordo com as projeções para 2020, a doença arterial coronariana (DAC) será a principal causa de morbi-mortalidade no mundo. Nesse contexto, a reabilitação cardiovascular surge como uma opção no tratamento destes pacientes, melhorando sua qualidade de vida. O objetivo deste estudo foi avaliar a qualidade de vida em pacientes com DAC, submetendo-os a um programa de reabilitação semissupervisionada fase II. Este estudo teve caráter quantitativo, descritivo e comparativo. A amostra foi constituída por 10 pacientes, comprovadamente coronariopatas. Foram analisadas as variáveis: índice de massa corporal (IMC), massa corpórea, pressão arterial sistólica (PAS), pressão arterial diastólica (PAD), circunferência abdominal (CA) e as oito dimensões do questionário Medical Outcome Study Short Form- 36 (MOS SF-36). Os dados foram expressos com valores em média simples e analisados à luz da estatística por teste T de Stundent (p<0,05). Os dados obtidos mostraram que o programa de reabilitação cardiovascular (PRC) influenciou na redução da CA (diminuição de quatro centímetros para mulheres e dois centímetros para homens) e melhorou a qualidade de vida em todas as oito dimensões do MOS SF-36: capacidade funcional (pré PRC: 41 e pós PRC: 63); dor (pré PRC: 20 e pós PRC: 61,4); limitação por aspectos físicos (pré PRC: 25 e pós PRC: 45) estado geral de saúde (pré PRC: 64,9 e pós PRC: 82,7). Quando levada em consideração a análise estatística por teste T- Student, todas as dimensões do MOS SF-36 apresentaram-se estatísticamente significantes, com p< 0,05.

Biografia do Autor

Francisca Eugênia Justino Barbosa, Instituto de Ensino Superior do Ceará - IESC
Fisioterapeuta Graduada pelo Instituto de Ensino Superior do Ceará – IESC. E-mail: eugenia.fisiot@gmail.com
Joelma da Silva Torres, Instituto de Ensino Superior do Ceará - IESC
Fisioterapeuta Graduada pelo Instituto de Ensino Superior do Ceará – IESC. E-mail: joelma.fisio@bol.com.br
Maria Iderlania de Freitas Sousa, Faculdade Leão Sampaio - FALS
Discente do curso de Fisioterapia da Faculdade Leão Sampaio – FALS. E-mail: iderbio@hotmail.com
Érika Augusta Batista Lopes, Instituto de Ensino Superior do Ceará
Docente na Faculdade de Ensino e Cultura do Ceará - FAECE; Fisioterapeuta Mestre em Ciências Fisiológicas pela Universidade Estadual do Ceará – UECE. E-mail: erika_ablopes@yahoo.com.br
Josafa Justino Barbosa, Universidade Estadual Vale do Acaraú - UVA
Fisioterapeuta Especialista em Fisiologia do Exercício pela universidade Estadual Vale do Acaraú - UVA. E-mail: josafa.barbosa@hotmail.com
Publicado
2011-11-01
Seção
Artigos Originais