<b> Efetividade da Fisioterapia com Treinamento de Dupla Tarefa no Sistema Motor e Cognitivo em Indivíduos com Doença de Parkinson

  • Maria Eduarda Brandão Bueno Universidade Estasual de Londrina - UEL
  • Ana Carolina dos Reis Andrello Universidade Estasual de Londrina - UEL
  • Marcelle Brandão Terra Universidade Estasual de Londrina - UEL
  • Isabela Andrelino de Almeida Universidade Estasual de Londrina - UEL
  • Luana Beatriz Lemes Universidade Estasual de Londrina - UEL
  • Cyntia Letícia Batistetti Universidade Estasual de Londrina - UEL
  • Suhaila Smaili Santos Universidade Estasual de Londrina - UEL
Palavras-chave: Doença de Parkinson, Cognição, Função Executiva, Modalidades de Fisioterapia

Resumo

Atualmente cresce o interesse na investigação dos transtornos não motores ocasionados pela doença de Parkinson (DP), desde a avaliação até o tratamento desses distúrbios. Deste modo, o objetivo deste estudo foi verificar a efetividade do treinamento da dupla tarefa no sistema motor e cognitivo em indivíduos com doença de Parkinson. Trata-se de estudo de série de casos, com nove indivíduos classificados entre os estágios 1,5 e 3 na escala de Hoehn e Yahr, avaliados antes e após um protocolo de intervenção, baseado no conceito Bobath, por meio dos seguintes instrumentos: Unified Parkinson´s Disease Rating Scale (UPDRS), Mini Exame do Estado Mental (MEEM), Avaliação Cognitiva Montreal (MoCA), Teste de fluência verbal categórico e atividades para avaliação de duplas tarefas. Para análise estatística foi utilizado o programa SPSS 20.0 e o nível de significância adotado foi de 5%. Houve diferença estatisticamente significante no domínio motor (P=0,03) e na pontuação total da escala UPDRS (P=0,03), na avaliação do tempo e repetições das duplas tarefas e na Avaliação Cognitiva Montreal (P=0,03). Conclui-se que o programa fisioterapêutico proposto foi efetivo para a melhora dos sintomas motores e cognitivos do no grupo estudado.

Biografia do Autor

Maria Eduarda Brandão Bueno, Universidade Estasual de Londrina - UEL
Discentes do curso de Fisioterapia da Universidade Estadual de Londrina – UEL, PR, Brasil; Colaboradoras do Grupo de Pesquisa em Fisioterapia Neurofuncional, Londrina, PR, Brasil.
Ana Carolina dos Reis Andrello, Universidade Estasual de Londrina - UEL
Discentes do curso de Fisioterapia da Universidade Estadual de Londrina – UEL, PR, Brasil; Colaboradoras do Grupo de Pesquisa em Fisioterapia Neurofuncional, Londrina, PR, Brasil.
Marcelle Brandão Terra, Universidade Estasual de Londrina - UEL
Residentes em Fisioterapia Neurofuncional Adulto da Universidade Estadual de Londrina – UEL, PR, Brasil; colaboradoras do Grupo de Pesquisa em Fisioterapia Neurofuncional, Londrina, PR, Brasil.
Isabela Andrelino de Almeida, Universidade Estasual de Londrina - UEL
Residentes em Fisioterapia Neurofuncional Adulto da Universidade Estadual de Londrina – UEL, PR, Brasil; colaboradoras do Grupo de Pesquisa em Fisioterapia Neurofuncional, Londrina, PR, Brasil.
Luana Beatriz Lemes, Universidade Estasual de Londrina - UEL
Residentes em Fisioterapia Neurofuncional Adulto da Universidade Estadual de Londrina – UEL, PR, Brasil; colaboradoras do Grupo de Pesquisa em Fisioterapia Neurofuncional, Londrina, PR, Brasil.
Cyntia Letícia Batistetti, Universidade Estasual de Londrina - UEL
Residentes em Fisioterapia Neurofuncional Adulto da Universidade Estadual de Londrina – UEL, PR, Brasil; colaboradoras do Grupo de Pesquisa em Fisioterapia Neurofuncional, Londrina, PR, Brasil.
Suhaila Smaili Santos, Universidade Estasual de Londrina - UEL
Docente Associada da Universidade Estadual de Londrina – UEL, Setor de Neurologia, Londrina, PR, Brasil; Líder do grupo de estudo e pesquisa em Fisioterapia Neurofuncional, Londrina, PR, Brasil
Publicado
2014-07-24
Seção
Artigos Originais