PERFIL DAS MULHERES DIAGNOSTICADAS COM CÂNCER DE MAMA NO MUNICÍPIO DE MARINGÁ-PR

  • Julia Wosch Brochonski UniCesumar
  • Sabrina de Almeida Rodrigues UniCesumar
  • Cristiana Aparecida Soares Manzotti UniCesumar
  • Marcelo Picinin Bernuci UniCesumar
Palavras-chave: Neoplasias da Mama, Saúde da mulher, Diagnóstico precoce

Resumo

O câncer de mama é uma das neoplasias mais frequentes no mundo e um dos propósitos das instituições de saúde pública é aumentar os índices de diagnóstico precoce. Este estudo teve como objetivo verificar os fatores de risco, estadiamento dos tumores e analisar o tempo de investigação. Estudo descritivo realizado no centro de referência de câncer de mama de Maringá a partir da análise de prontuários de mulheres diagnosticadas com câncer de mama do tipo maligno em 2013 e 2014. Mais de 30% das pacientes diagnosticadas estavam fora da faixa etária de rastreamento e o diagnóstico foi tardio em quase 70%. Fatores de risco como obesidade, histórico familiar e uso de terapia de reposição hormonal estavam ausentes na maioria dos casos. O serviço mostrou-se eficaz na realização da biópsia e indicação do tratamento, porém muitos diagnósticos ainda são realizados em estágios avançados da doença sugerindo a necessidade de conscientização da população-alvo à realização dos exames preventivos.

Biografia do Autor

Julia Wosch Brochonski, UniCesumar
Acadêmica no curso Medicina do Centro Univeristário de Maringá (UniCesumar), Brasil.
Sabrina de Almeida Rodrigues, UniCesumar
Acadêmica no curso Medicina do Centro Univeristário de Maringá (UniCesumar), Brasil.
Cristiana Aparecida Soares Manzotti, UniCesumar
Mestranda no Programa de Pós-graduação em Promoção da Saúde do Centro Universitário de Maringá (UNICESUMAR), Brasil.
Marcelo Picinin Bernuci, UniCesumar
Docente no Programa de Pós-graduação em Promoção da Saúde do Centro Universitário de Maringá (UNICESUMAR); Pesquisador do Instituto Cesumar de Ciência, Tecnologia e Inovação (ICETI), Brasil

Referências

BADAN, G. Complete internal audit of a mammography service in a reference institution for breast imaging. Radiol Bras, São Paulo, v. 47, n. 2, p. 74-78, apr. 2014. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-39842014000200007&lng=en&nrm=iso>. Acesso em: 14 mar. 2014.

BRAY, F.; McCARRON, P.; PARKIN, D. The changing global patterns of female breast cancer incidence and mortality. Breast Cancer Res.v.6, n.6, p. 229-39. 2004.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Controle dos cânceres do colo do útero e da mama. 2. ed. Brasília: Ministério da Saúde, 2013.

Disponível em: <http://bvsms.saude. gov.br/bvs/publicacoes/controle_canceres_colo_utero_2013.pdf>. Acesso em: 14 mar. 2016.

BRASIL. Ministério da Saúde. Mais saúde: direito de todos 2008–2011. 5. ed. Brasília: Ministério da Saúde; 2010 164p. Disponível em: . Acesso em: 14 mar. 2016.

CAPLAN L.S et al. Reasons for delay in breast cancer diagnosis. Prev Med., v.25, n. 2, p. 218-224, mar./apr. 1996. Disponível em: <http://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S0091743596900493?via%3Dihub>. Acesso em: 14 mar. 2016.

COLEMAN, M.P et al. Cancer survival in five continents: a wordwide population-based study (CONCORD). Lancet Oncol, v. 9, n. 8, p. 730-56, 2008.

FERREIRA, L.F.F.; FERNANDES, S.S.; PETEL, L.A. The natural history of breast cancer in the young patient: literature revision. Femina, v. 39, n. 11, nov. p. 527-531, 2011. Disponível em: <http://files.bvs.br/upload/S/0100-7254/2011/v39n11/ a2970.pdf>. Acesso em: 14 mar. 2014.

GOTO, R.; PIRES, S.; MEDEIROS, R. Identificação de parâmetros de qualidade de impressão para a garantia da detecção de estruturas presentes na mamografia digital. Radiol Bras, São Paulo, v. 46, n. 3, p. 156-162, June 2013. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-39842013000300156&lng=en&nrm=iso>. Acesso em: 14 mar. 2014.

INCA. Instituto Nacional do Câncer. Tipos de câncer. 2015. Disponível em: <http://www2.inc.gob.br/wps/wcm/connet/tiposdecancer>. Acesso em: 14 mar. 2014.

INCA. Instituto Nacional do Câncer. Rastreamento organizado do câncer da mama. 2014. Disponível em: <http://www1.inca.gov.br>. Acesso em: Acesso em: 14 mar. 2014.

INSTITUTO BRASILEIRO DE CONTROLE DO CÂNCER. Mastologia: câncer de mama. 2016 Disponível em :http://www.ibcc.org.br/duvidas-frequentes/especialidades-medicas/mastologia.asp. Acesso em: 14 mar. 2014.

INSTITUTO NACIONAL DE CÂNCER JOSÉ ALENCAR GOMES DA SILVA. Diretrizes para a detecção precoce do câncer de mama no Brasil. Rio de Janeiro, 2015. Disponível em: <http://www1.inca.gov.br/inca/Arquivos/livro_deteccao_precoce_final.pdf>. Acesso em: 14 mar. 2014.

KOCH, H.; CASTRO, M.V.K. Qualidade da interpretação do diagnóstico mamográfico. Radiol Bras, São Paulo, v. 43, n. 2, p. 97-101, Apr. 2010. Disponível em:<http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-39842010000200009&lng=en&nrm=iso>. Acesso em: 14 mar. 2014.

MELO, W.; SOUZA, L.; ZURITA, R.; CARVALHO, M. Fatores associados na mortalidade por câncer de mama no noroeste paranaense. Revista Eletrônica Gestão e Saúde, v. 1, n. 1, p. 1809-1816, mar. 2013. Disponível em: <http://www.gestaoesaude.unb.br/index.php/gestaoesaude/article/view/437>. Acesso em: 14 mar. 2014.

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Caderno de Diretrizes, Objetivos, Metas e Indicadores: 2013-2015. 2. ed. Brasília: Ministério da Saúde, 2014. Disponível em: . Acesso em: 14 mar. 2014.

OMS. Organização Mundial da Saúde. World Health Statistics 2014. Disponível em: <http://www.int/gho/publications/world_health_statistics/2014/en/>. Acesso em: 14 mar. 2014.

RONCHI, S. Prevalência de alterações mamárias em mulheres atendidas em um município do estado do Paraná. Rev. Gaúcha Enferm., Porto Alegre, v. 35, n. 2, p. 113-120, june 2014. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1983-14472014000200113&lng=en&nrm=iso>. Acesso em: 14 mar. 2014.

SILVA, P.A.; RIUL, S. Câncer de mama: fatores de risco e detecção precoce. Rev. Bras. Enferm, Brasília, v. 64, n. 6, p. 1016-1021, nov./dez. 2011. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/reben/v64n6/v64n6a05.pdf>. Acesso em: 14 mar. 2014.

SILVA. R. C. F.; HORTALE, V. A. Rastreamento do câncer de mama no Brasil: quem, como e por quê? Rev Bras Cancerol., n. 58, v. 1, p. 67-71, 2012. Disponível em: <http://www.inca.gov.br/rbc/n_58/v01/pdf/10b_artigo_opiniao_rastreamento_cancer_mama_brasil_quem_como_por_que.pdf>. Acesso em: 14 mar. 2014.

TIEZZI, D. G. Rastreamento do câncer de mama no Brasil: ainda há tempo para refletirmos. Rev. Bras. Ginecol. Obstet., Rio de Janeiro, v. 35, n. 9, p. 385-387, sept. 2013 . Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-72032013000900001&lng=en&nrm=iso>. Acesso em: 14 mar. 2014.

WORLD HEALTH ORGANIZATION. Cancer control: knowledge into action: WHO guide for effective programmes. Prevention Geneva, 2007. Disponível em: <http://www.who.int/cancer/modules/Prevention%20Module.pdf>. Acesso em: 14 mar. 2014.

Publicado
2017-07-21
Seção
Artigos Originas - Promoção da Saúde