ADESÃO A EQUIPAMENTOS DE SEGURANÇA NO TRÂNSITO POR MULHERES

Palavras-chave: Saúde da mulher, Equipamentos de proteção, Acidentes de trânsito

Resumo

O trânsito, por questões culturais, tornou-se um ambiente masculinizado e que ainda é cercado de preconceitos quando o assunto é mulher ao volante. A inserção das mulheres no trânsito tem ocorrido rápida e consideravelmente, assim, tornou-se necessário avaliar a adesão a equipamentos de segurança no trânsito por mulheres, maiores de 18 anos da zona urbana. Pesquisa com desenho transversal, descritivo, em formato de amostra domiciliar com abordagem quantitativa, realizado em 2015 no município de Pau dos Ferros, no Rio Grande do Norte. Predomínio da faixa etária de 30-49 anos. Mulheres com ensino fundamental incompleto ou completo foram a maioria, ca­sadas e viúvas aparecem com mais frequência. O uso dentro da cidade foi menor apesar de as mulheres serem consideradas mais passivas, cuidadosas e atenciosas ao trânsito e suas leis. Na rodovia, quando associado à faixa etária das participantes, as mais jovens tendem a fazer menos uso do dispositivo de segurança. É preciso que a fiscalização no ambiente urbano seja eficaz. Este trabalho revelou que as mais jovens oferecem maior resistência. A conscientização da adesão aos equipamentos de segurança deve ser estimulada.

Biografia do Autor

Francisco Edilanio Gomes Felix, UERN
Discente de Enfermagem pela Universidade do Estado do Rio Grande do Norte (UERN) Brasil.
Ellany Gurgel Cosme do Nascimento, UERN
Enfermeira. Doutora em ciências da saúde. Docente Adjunta III curso de graduação em enfermagem no Campus Avançado Maria Elisa de Albuquerque Maia e no Programa de Pós-graduação em Saúde e Sociedade (PPGSS/FACS) na Universidade do Estado do Rio Grande do Norte (UERN), Brasil.

Referências

IBGE. População Censo 2010. Disponível em: http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/populacao/censo2010/indicadores_sociais_municipais/tabelas_pdf/tab1.pdf. Acesso em: 02 set. 2017.

Bottega S. Mulher no Volante: entre o medo e a confiança. Trabalho de Conclusão de Curso (especialização). Universidade Federal de Santa Catarina. Centro de Filosofia de Ciências Humanas, 2017. Disponível em: https://repositorio.ufsc.br/xmlui/handle/123456789/173762. Acesso em: 08 ago. 2017.

Almeida NDVD, Lima AKBD, Albuquerque CM, Antunes L. As relações de gênero e as percepções dos/das motoristas no âmbito do sistema de trânsito. Psicologia Ciência e Profissão. 2005;25 (2):172-85. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-98932005000200002&lang=pt. Acesso em: 04 jun. 2018.

Davantel PP, Pelloso SM, Carvalho MDDB, Oliveira NLBD. A mulher e o acidente de trânsito: caracterização do evento em Maringá, Paraná. Rev. bras. Epidemiol. 2009;12(3):355-67. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rbepid/v12n3/06.pdf. Acesso em: 04 jun. 2018.

Brasil. Lei Nº 9.503, de 23 de setembro de 1997. Presidência da República Casa Civil Institui o código de transito brasileiro. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L9503Compilado.htm. Acesso em: 27 set. 2017.

PAHO. Organização Panamericana de Saúde. Organização Mundial da Saúde. Disponível em: http://www.paho.org/bra/index.php?option=com_content&view=article&id=5224:opas-pede-reforco-em-legislacoes-sobre-seguranca-no-transito-para-reduzir-numero-de-lesoes-e-mortes&Itemid=839. Acesso em: 25 set. 2017.

Marques EK. Mulheres mais escolarizadas num mercado de trabalho que ainda reproduz o modelo da família tradicional. Mulher e Trabalho. 2004;4: 149-59. Disponível em: https://revistas.fee.tche.br/index.php/mulheretrabalho/issue/view/176/showToc. Acesso em: 04 jun. 2018.

Souza MR, Neto ER. Caracterização dos acidentes de trânsito e Goiânia: a experiência do Hospital de Urgências de Goiânia. XVI Encontro Nacional de Estudos Populacionais, Minas Gerais; 2008.

Detran. Resolução 453, de 26 de Setembro de 2013. Disponível em: http://www.detran.pr.gov.br/arquivos/File/legislacao/Resolucoes/Resolucao4532013.pdf. Acesso em: 08 ago. 2017.

Petzhold MF. A visão macroergonômica e política na segurança do trânsito. Revista Ação Ergonômica. 2003; 1(4):95-110. Disponível em: http://www.abergo.org.br/revista/index.php/ae/article/view/38/35. Acesso em: 04 jun. 2018.

Lorentz I. “Só podia ser mulher”: as relações de gênero no trânsito. 2008. Tese de Doutorado. Dissertação de Mestrado, Universidade do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul, Rio Grande do Sul.

Hoffmann MH, Carbonelli E, Montoro L. Álcool e segurança no trânsito (II): a infração e sua prevenção. Psicologia: ciência e profissão. 1996;16(2):25-30. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-98931996000200006. Acesso em: 04 jun. 2018.

Moraes A. Cinto de Segurança no Banco Traseiro do Automóvel: por que nós não usamos? Disponível em: https://www.sinaldetransito.com.br/artigos/cinto_de_seguranca_no_banco_traseiro.pdf Acesso em: 09 ago. 2017.

Bringmann PB, Ferreira ÉC, Bringmann NV, Pelloso SM, Carvalho MDDB. A pattern of adult involvement in highway accidents. Ciencia & Saude Coletiva. 2014;19(12):4861-68. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-81232014001204861. Acesso em: 04 jun. 2018.

Publicado
2018-08-30
Seção
Artigos Originas - Promoção da Saúde