ATIVIDADE EDUCATIVA PARA A PROMOÇÃO DO CUIDADO COM O RECÉM-NASCIDO

Palavras-chave: Educação em saúde, Aleitamento materno, Cuidado do lactente

Resumo

O presente estudo buscou avaliar a influência de uma atividade educativa para a promoção do cuidado com o recém-nascido. Trata-se de um estudo exploratório, descritivo e quantitativo, realizado no Alojamento Conjunto de uma maternidade em Mombaça-CE, com 61 puérperas. Para coleta de dados, utilizaram-se da observação informal e de um questionário adaptado, em que foram registrados as informações pessoais e os dados sobre os cuidados com o recém-nascido e aleitamento materno pré e pós-atividade educativa, para avaliar as principais dificuldades das puérperas. Uma parte relevante das mulheres apresentava conhecimentos errôneos sobre os cuidados com o recém-nascido e sobre o aleitamento materno. A realização da atividade educativa proporcionou a orientação adequada das mulheres e o esclarecimento de dúvidas existentes. Assim, torna-se necessária a prática constante de educação em saúde às gestantes e puérperas, tanto na assistência pré-natal como na Unidade de Alojamento Conjunto, associado à distribuição de material educativo de fácil compreensão.

Biografia do Autor

Suianny Christina Soares Santos Ribeiro, Enfermeira, Especialista em Saúde da Família, Prefeitura Municipal de Mombaça. Mombaça (CE), Brasil.
Enfermeira, Especialista em Saúde da Família, Prefeitura Municipal de Mombaça. Mombaça (CE), Brasil
Rebeca Silveira Rocha, Enfermeira, Doutora em Enfermagem, Docente do Centro Universitário Estácio do Ceará. Fortaleza (CE), Brasil.
Enfermeira, Doutora em Enfermagem, Docente do Centro Universitário Estácio do Ceará. Fortaleza (CE), Brasil.
Lia Maristela da Silva Jacob, Enfermeira, Doutoranda em Ciências da Saúde, Universidade Estadual de Campinas. Campinas (SP), Brasil.
Enfermeira, Doutoranda em Ciências da Saúde, Faculdade de Enfermagem da Universidade Estadual de Campinas. Campinas (SP), Brasil
Herla Maria Furtado Jorge, Enfermeira, Doutora em Tocoginecologia. Docente da Universidade Federal do Piauí. Teresina (PI), Brasil.
Enfermeira, Doutora em Tocoginecologia. Docente da Universidade Federal do Piauí. Teresina (PI), Brasil.
Reginaldo Roque Mafetoni, Enfermeiro, Doutor em Ciências da Saúde. Universidade Estadual de Campinas. Campinas (SP), Brasil.
Enfermeiro, Doutorado em Ciências da Saúde, Faculdade de Enfermagem da Universidade Estadual de Campinas. Campinas (SP), Brasil
Cláudia Jeane Lopes Pimenta, Enfermeira, Mestranda do Programa de Pós-Graduação em Enfermagem, Universidade Federal da Paraíba. João Pessoa (PB), Brasil.
Enfermeira, Doutoranda em Enfermagem, Universidade Federal da Paraíba. João Pessoa (PB), Brasil.

Referências

Cassiano ACM, Carlucci SEM, Gomes CF, Bennemann. Saúde materno infantil no Brasil: evolução e programas desenvolvidos pelo Ministério da Saúde. Rev Serv Públ. 2014;65(2):227-44.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Área Temática de Saúde da Criança e Aleitamento Materno. Gestões e gestores de políticas públicas de atenção à saúde da criança: 70 anos de história. Brasília: Ministério da Saúde; 2011.

Mendes, PDG, Carvalho Filha FS, Silva RSA, Vilanova JM, Silva FL. O papel educativo e assistencial de enfermeiros durante o ciclo-gravídico-puerperal: a percepção de puérperas. R Interd. 2016;9(3):49-56.

Dodou HD, Oliveira TODA, Oriá MOB, Rodrigues DP, Pinheiro PNC, Luna IT. Educational practices of nursing in the puerperium: social representations of puerperal mothers. Rev Bras Enferm. 2017;70(6):1250-8.

Paula Júnior JD, Lucas ES, Cunha LMC, Machado MGM, Pedrosa RL. Perfil da mortalidade neonatal no município de Ubá/MG, Brasil (2008-2010). Rev Bras Pesq Saúde. 2016;18(3):24-31.

Silva RM, Sousa AKA, Abreu RMSX, Silva RA, Farias MCAD. Atuação da enfermagem em alojamento conjunto: percepção de puérperas. REBES. 2015;5(3):35-44.

Faria AC, Magalhães L, Zerbetto SR. Implementação do Alojamento Conjunto: dificuldades enfrentadas na percepção de uma equipe de enfermagem. Rev Eletr Enf. 2010;12(4):669-77.

Glashan QR. Manual de cuidados do recém-nascido. [S.L] 2008.

Levy L, Bértolo H. Manual de Aleitamento Materno. Ed. da UNICEF, 2012. Disponível em: https://www.unicef.pt/docs/manual_aleitamento_2012.pdf

Menezes CH. Vale à pena Crescer em Segurança. 3. ed. Editora: Associação para a Promoção da Segurança Infantil (APSI), 2003.

Von Seehausen MP, Oliveira MIC, Boccolini CS. Fatores associados ao aleitamento cruzado. Ciênc Saúde Colet. 2017;22(5):1673-82.

Broilo MC, Louzada ML, Drachler ML, Stenzel LM, Vitolo MR. Maternal perception and attitudes regarding healthcare professionals’ guidelines on feeding practices in the child’s first year of life. J Pediatr. 2013;89(5):485-91.

Lamounier JA, Moulin ZS, Xavier CC. Recommendations for breastfeeding during maternal infections. J Pediatr. 2004;80(suppl 5):181-8.

Boccolini CS, Boccolini PMM, Carvalho ML, Oliveira MIC. Exclusive breastfeeding and diarrhea hospitalization patterns between 1999 and 2008 in Brazilian State Capitals. Ciên Saúde Colet. 2012;17(7):1857-63.

Giugliani, ERJ. O aleitamento materno na prática clínica. J Pediatr. 2000;76(Suppl 3):238-52.

Costa R, Salomão A, Araújo C, Bezerra K. Dificuldades encontradas pelas mães ao amamentar em uma unidade de referência em atenção primária. DêCiência em Foco. 2017;1(1):48-63.

Carvalho MS, Santana MDA, Oliveira SJGS. Educação em saúde durante o pré-natal com foco nos cuidados relacionados ao recém-nascido. Cadernos de Graduação. 2016;3(3):195-208.

Xavier ACA, Jesus MGR, Pereira AS, Santos KA, Ferreira DAS, Sales SNV. Cuidados com o recém-nascido. RITEC. 2015;1(1):168-72, 2015.

Chemello RML, Giugliani ERJ, Bonamigo RR, Bauer VS, Cecconi MCP, Zubaran GM. Breastfeeding and mucosal and cutaneous colonization by Staphylococcus aureus in atopic children. An Bras Dermatol. 2011;86(3):435-9.

Barros SMO. Enfermagem Obstétrica e Ginecológica: guia para prática assistencial. 2ed. São Paulo: Roca, 2009.

Rocha SK, Ravelli APX. Práticas culturais de puérperas no aleitamento materno: problemas mamários. Rev Triang. 2014;7(1):140-57, 2014.

Zorzi NT, Bonilha ANL. Práticas utilizadas pelas puérperas nos problemas mamários. Rev Bras Enferm. 2006;59(4):521-6.

Barcelos RS, Santos IS, Matijasevich A, Barros AJ, Barros FC, França GV, Silva VL. Falls, cuts and burns in children 0-4 years of age: 2004 Pelotas (Brazil) birth cohort. Cad Saúde Pública. 2017;33(2):e00139115.

Miranda JOF, Santos DV, Camargo CL, Rosa DOS, Nascimento Sobrinho CL, Mussi FC. Evidence for umbilical stump care practices: integrative review. J Nurs UFPE on line. 2016;10(Supl 2):821-9.

Almeida JM, Linhares EF, Dias JAA, Lôbo MP, Reis ASF, Nery PIG. Educational practice in the care for umbilical cord stump: experience report. J Nurs UFPE on line. 2016;10(Supl 5):4383-8.

Carrascoza KC, Possobon RF, Ambrosano GMB, Costa Júnior AL, Moraes ABA. Determinants of pacifier use among infants attending an interdisciplinar breastfeeding promotion program. Rev CEFAC. 2014;16(2):582-91.

Antunes DK. Perfil fonoaudiológico da comunidade do Dendê: perspectiva para ações futuras. Rev Soc Bras Fonaudiol. 2010;15(2):264-69.

Frederico P, Fonseca LMM, Nicodemo AMC. Atividade educativa no alojamento conjunto: relato de experiência. Rev Latino-Am Enferm. 2000;8(4):38-44.

Siqueira FPC, Santos BA. Livre demanda e sinais de fome do neonato: percepção de nutrizes e profissionais da saúde. Saúde e Pesquisa. 2017;10(2):233-41.

Publicado
2018-11-13
Seção
Artigos Originas - Promoção da Saúde