INTERVENÇÃO FISIOTERAPÊUTICA EM CRECHE DA REDE MUNICIPAL DE PETRÓPOLIS - RIO DE JANEIRO

Palavras-chave: Fisioterapia, Creches, Cognição

Resumo

Este artigo tem como objetivo avaliar os ganhos cognitivos motor após intervenção preventiva fisioterapêutica em crianças de seis creches que atendem à população de baixa renda do município de Petrópolis, Rio de Janeiro, no ano de 2016, organizadas em grupo controle e intervenção, em uma metodologia quase-experimental, com crianças de seis a 12 meses de idade, durante 40 dias. O grupo intervenção teve sessões individuais de fisioterapia com duração de 15 minutos. O grupo controle seguiu a rotina da creche. As crianças foram avaliadas pelo teste Denver em pré-teste e pós-teste. No teste preliminar, os resultados apontaram uma homogeneidade no atraso motor nos dois grupos principalmente no item linguagem (70%), que se modifica no grupo intervenção no pós–teste com 100% de ganho e o aparecimento de piora no pós–teste do grupo controle (84,6%), demonstrando a necessidade de desenvolver atitudes promotoras de estimulação cognitivo motor.

Biografia do Autor

Noory Lisias Oliveira, Colaboradora do Grupo de Pesquisa Processos Psicossociais & Cognição Social da Universidade Católica de Petropolis
Fisioterapeuta, Pós-graduada em neuroanatomia funcional,Mestra em Psicologia pela UCP, Brasil.
Diana Ramos-Oliveira, currently work as Assistant Professor in the Postgraduate Program in Psychology at Catholic University of Petrópolis, Rio de Janeiro, Brazil
Currently work as Assistant Professor in the Postgraduate Program in Psychology at Catholic University of Petrópolis, Rio de Janeiro, Brazil.
Claudia Helena Cerqueira Marmora, professora permanente do Programa de Pós Graduação em Psicologia da UFJF,
Doutora em Linguística pela Universidade Estadual de Campinas. Docente permanente do Programa de Pós-graduação em Psicologia da Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF), Brasil.

Referências

Melo Neto J. Metodologias participativa em educação para os direitos humanos. João Pessoa. 2016. [Acesso 2017 jun]. Disponível em: http://www.dhnet.org.br/dados/cursos/edh/redh/04/4_8_neto_metodologias.pdf.

Alves GG, Aerts DR, Câmara SG. O papel da escola promotora da saúde no fortalecimento de estilo de vida saudável. Revis. Soc. Psicol. 2015; 12(2); 156-66.

Freitas SC, Costa GA, Formiga CK. Perfil do crescimento e desenvolvimento neuropsicomotor de crianças que frequentam creches municipais em Goiânia. Revis. Movimenta. 2011; 4(1): 4-18.

Oliveira DR, Miguel AB. A nova concepção de creche pós-LDB (Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional Lei nº 9.394/96). Revis. Fafibe [Internet]. 2012; 5(5):1-5. Disponível em: http://www.unifafibe.com.br/revistasonline/arquivos/

revistafafibeonline/sumario/21/21112012211307.pdf.

La Taille. Jean Piaget Coleção Grandes educadores. Atta Mídia e educação. São Paulo: Paulus; 2015.

Back CM, Lima IA. Fisioterapia na escola: Avaliação postural. Rev. Fisioter. Bras 2009;10(2):72-7.

Lordelo ER. Interação social e responsividade em ambientes doméstico e decreche: cultura e desenvolvimento. Estud. psicol. Natal; 7(2): 343-350.

Lordelo ER, Chalhub A A, Guirra RC, Carvalho CS. Contexto e desenvolvimento cognitivo: frequência à creche e evolução do desenvolvimento mental. Psicol. Reflex. Crit. [Internet]. 2007; 20(2), 324-34. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S010279722007000200019&lng=en&nrm=iso.

Salemi, LF. Variável dummy? Webartigos [blog]. 08 de maio de 2017. Disponível em: http://webartigos.com/artigos/variavel-dummy/97922

Bronfenbrenner U. Ecologia do desenvolvimento humano: experimentos naturais e planejados. Porto Alegre: Artes Medicas Sul; 2000.

Brasil. Critérios para um atendimento em creches que respeite os direitos fundamentais das crianças. Ministério da Educação e do Desporto. 6. ed. Brasília; 2009.

Felício LR, Morais RS, Tolentino JA, Amaro LL, Pinto SA. A qualidade de creches públicas e o desenvolvimento de crianças em desvantagem econômica no Vale do Jequitinhonha: um estudo piloto. Pesq. em Fisioterapia, Salvador, dez. 2012; 2(2): 70-82.

Creswell, J. Projeto de pesquisa: métodos qualitativos, quantitativos e mistos. 3rd ed. Porto Alegre: Artmed; 2010.

Frankenburg WK, Dodds JB, editors. Denver II technical manual. Denver: Denver Developmental Materials Inc.; 1990

Frankenburg WK, Dodds J, Archer P, Shapiro M, Bresnick B. The Denver II: a major revision and restandardization of the Denver developmental screening test. Pediatrics 1992; 89:91-7.

Durmazlar N, Ozturk C, Ural B, Karaagaoglu E, Anlar B. Turkish children’s performance on Denver II: effect of sex and mother’s education. Dev Med Child Neurol 1998; 40:411-6.

Brito, C. M., Vieira, G. O., Costa, M. C., & Oliveira , N. F. Desenvolvimento neuropsicomotor:o teste de Denver na triagem dos atrasos cognitivos e neuromotores de pr-escolares. Cad.Saúde Publica, 2011:1403-1414.

Almeida CS, Valentini NC. Contexto dos berçários e um programa de intervenção no desenvolvimento de bebés. Motri. [Internet]. 2013 Dez [Acesso 2018 Abr 19]; 9(4):22-32. Disponível em: http://www.scielo.mec.pt/scielo.php?script=sci_arttext

&pid=S1646-107X2013000400004&lng=pt.

Andrade SA, Santos DN, Bastos AC, Pedromônico MRM, Almeida-Filho N, et al. Ambiente familiar e desenvolvimento cognitivo infantil: uma abordagem epidemiológica. Rev. Saúde Pública [Internet]. 2005 Aug [cited 2018 Apr 18]; 39(4): 606-611. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext

&pid=S0034-89102005000400014&lng=en.

Almeida, CS. Intervenção motora: Efeito no comportamento do bebê no terceiro trimestre de vida em creches de Porto Alegre [dissertação para obtenção de titulo de mestre]. Escola de educação Fisica da Universidade Federal do Rio Grande do Sul; 2004.

Brito C M, Vieira GO, Costa MO, Oliveira NF. Desenvolvimento neuropsicomotor: o teste de Denver na triagem dos atrasos cognitivos e neuromotores de pré-escolares. Cad. Saúde Pública. 2011 July; 27(7): 1403-14.

Publicado
2018-11-13
Seção
Artigos Originas - Promoção da Saúde