PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DE CRIANÇAS NASCIDAS DE MÃES HIV POSITIVAS EM REGIÃO METROPOLITANA DA AMAZÔNIA

  • Núria Jussara Lima Silva Fisioterapeuta. Graduada pela Universidade da Amazônia (UNAMA), Belém, PA, Brasil.
  • Flavia Maciel Lobato Fisioterapeuta. Graduada pela Universidade da Amazônia (UNAMA), Belém, PA, Brasil.
  • Nayan Leonardo Sousa Lopes Fisioterapeuta. Graduado pela Universidade da Amazônia (UNAMA), Belém, PA, Brasil.
  • Ana Júlia Cunha Brito Fisioterapeuta. Mestre em Desenvolvimento e Meio Ambiente Urbano pela Universidade da Amazônia, Docente da Faculdade Cosmopolita, Belém, PA, Brasil.
  • George Alberto da Silva Dias Fisioterapeuta, Doutor em Doenças Tropicais pelo NMT/UFPA/PA, Docente do Departamento de Ciências do Movimento Humano da Universidade do Estado do Pará, Belém (Pa), Brasil.
  • Biatriz Araújo Cardoso Fisioterapeuta, Doutora em Ciências pelo Programa de Medicina Tropical pelo Instituto Oswaldo Cruz/FIOCRUZ, Docente do Departamento de Ciências do Movimento Humano da Universidade do Estado do Pará, Belém (Pa), Brasil.
  • Dayse Danielle Oliveira Silva Fisioterapeuta. Doutora em Ciências da Reabilitação pela Universidade Nove de Julho,Docente do Departamento de Ciências do Movimento Humano da Universidade do Estado do Pará, Belém, PA, Brasil.
Palavras-chave: Sorodiagnóstico da AIDS, Transmissão vertical de doença infecciosa, antirretrovirais

Resumo

O objetivo desta pesquisa é descrever o perfil epidemiológico de crianças nascidas de mães HIV positivas, atendidas na Unidade de Referência Materno-Infantil e do Adolescente (UREMIA), em Belém-Pará no ano de 2015. Estudo descritivo transversal, com análise dos fatores que descrevem o cenário de nascimento de 125 crianças de mães HIV positivas. Utilizaram-se os testes G (Aderência) e Qui-quadrado para a análise estatística (p≤0,05). Do total de 125, 96% das mães realizaram pré-natal com duas a seis consultas e grande parte descobriu o HIV durante a gestação (39%) ou no parto (14%), e, 75% fizeram o uso de antirretrovirais (AZT) após o diagnóstico da infecção. Apenas 6% das crianças possuem HIV, 6% não usaram AZT e 5% amamentaram. Assim, as mães deste estudo são da zona urbana, realizaram o pré-natal e fizeram uso precoce do AZT, quanto aos lactentes nasceram de parto normal, fizeram uso do AZT podendo contribuir para baixa transmissão vertical.

Biografia do Autor

Núria Jussara Lima Silva, Fisioterapeuta. Graduada pela Universidade da Amazônia (UNAMA), Belém, PA, Brasil.
Centro de Ciências Biológicas e da Saúde
Flavia Maciel Lobato, Fisioterapeuta. Graduada pela Universidade da Amazônia (UNAMA), Belém, PA, Brasil.
Centro de Ciências Biológicas e da Saúde
Nayan Leonardo Sousa Lopes, Fisioterapeuta. Graduado pela Universidade da Amazônia (UNAMA), Belém, PA, Brasil.
Centro de Ciências Biológicas e da Saúde
Ana Júlia Cunha Brito, Fisioterapeuta. Mestre em Desenvolvimento e Meio Ambiente Urbano pela Universidade da Amazônia, Docente da Faculdade Cosmopolita, Belém, PA, Brasil.
Faculdade Cosmopolita
George Alberto da Silva Dias, Fisioterapeuta, Doutor em Doenças Tropicais pelo NMT/UFPA/PA, Docente do Departamento de Ciências do Movimento Humano da Universidade do Estado do Pará, Belém (Pa), Brasil.
Departamento de Ciência do Movimento Humano
Biatriz Araújo Cardoso, Fisioterapeuta, Doutora em Ciências pelo Programa de Medicina Tropical pelo Instituto Oswaldo Cruz/FIOCRUZ, Docente do Departamento de Ciências do Movimento Humano da Universidade do Estado do Pará, Belém (Pa), Brasil.
Departamento de Ciência do Movimento Humano
Dayse Danielle Oliveira Silva, Fisioterapeuta. Doutora em Ciências da Reabilitação pela Universidade Nove de Julho,Docente do Departamento de Ciências do Movimento Humano da Universidade do Estado do Pará, Belém, PA, Brasil.
Departamento de Ciência do Movimento Humano

Referências

Lima ACMACC, Costa CC, Teles LMR, Damasceno AKC, Oriá MOB. Avaliação epidemiológica da prevenção da transmissão vertical do HIV. Acta. Paul. Enferm. 2014;27(4):311-8.

Abati PAM, Segurado AC. Testagem Anti-HIV e Estádio Clínico na Admissão de Indivíduos em Serviço de Saúde Especializado, Pará, Brasil. Revista Saúde Pública. 2015;49(16):1-8

Reis RK, Melo ES, Gir E. Fatores associados ao uso inconsistente do preservativo entre pessoas vivendo com HIV/Aids. Rev Bras Enferm. 2016;69(1):47-53.

Menezes LSH, Palácios VRCM, Alcântara MSV, Bichara CN. Prevalência da Infecção por HIV em grávidas no Norte do Brasil. DST – J bras Doenças Sex Transm. 2012;24(4):250-254.

Miranda AE, Pereira GFM, Araujo MAL, Silveira MF, Tavares LL, Silva LCF, et al. Avaliação da cascata de cuidado na prevenção da transmissão vertical do HIV no Brasil. Cad. Saúde Pública. 2016;32(9):e00118215.

Fonseca FF, Jesus BR, Rocha KT, Silva SSS, Andrade DCS, Costa FM. A transmissão vertical do HIV no Brasil: uma revisão de literatura. Revista Eletrônica Gestão & Saúde. 2015;1:533-48.

Linguissi LSG, Bisseye C, Sagna T, Nagalo BM, Ouermi D, Djigma FW, Pignatelli S, Sia JD, Pietra V, Moret R, Nikiema JB, Simpore J. Efficiency of HAART in the prevention of mother to children HIV-1 transmission at Saint Camille medical centre in Burkina Faso, West Africa. Asian Pacific Journal of Tropical Medicine. 2012;5(12):991-994.

Miranda AE, Pinto VM, McFarland W, Page K. HIV Infection Among Young Parturient Women in Brazil: prevalence and associated risk factors. AIDS Behav. 2014;18(1):1-5.

Gomes DM, Oliveira MIC, Fonseca SC. Avaliação da testagem anti-HIV no pré-natal e na assistência ao parto no Rio de Janeiro, Brasil. Rev. Bras. Saúde Matern. Infant. 2015;15(4):413-423.

Lemos LM, Anglemyer A, Santos VS, Gurgel RQ, Rutherford GW. Prevalence of and risk factors for late diagnosis of HIV infection in Brazilian infants and children. Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical. 2015;48(3):326-30.

Anígilájé EA, Ageda BR, Nweke NO. Barriers to uptake of prevention of mother-to-child transmission of HIV services among mothers of vertically infected HIV-seropositive infants in Makurdi, Nigeria. Patient Prefer Adherence. 2016;10:57–72.

Andreatta LB, Sammarco GN. Aspecto clínico de crianças portadoras da síndrome da imunodeficiência adquirida por transmissão vertical: uma revisão bibliográfica. Revista Saúde e Pesquisa. 2012;5(2):418-423.

Hrapcak S, Kuper H, Bartlett P, Devendra A, Makawa A, Kim M, Kazembe P, Ahmed S. Hearing loss in HIV-Infected children in lilongwe, Malawi, PLoS One. 2016;11(8):e0161421.

Banks LM, Zuurmond M, Ferrand R, Kuper H. The relationship between HIV and prevalence of disabilities in sub-Saharan Africa: systematic review. Trop Med Int Health. 2015;20(4):411–429.

Nguefack F, Dongmo R, Othman CLT, Tatah S, Kinkela MNN, Ndombo POK. Obstetrical, maternal characteristics and outcome of HIV-infected rapid progressor infants at Yaounde: a retrospective study. Transl Pediatr. 2016;5(2):46-54.

Pimenta ATM, Duarteb G, Fernandezc JCC, Corread IA, Mellie PPS, Quintanaf SM. Gestantes infectadas pelo HIV-1 atendidas em serviço de referência: características clínicas e sociodemográficas. Revista de Atenção à Saúde. 2015;13(45):20-25.

Araújo MAL, Rocha AFB, Cavalcante EGF, Moura HJ, Galvão MTG, Lopes ACMU. Doenças sexualmente transmissíveis atendidas em unidade primária de saúde no Nordeste do Brasil. Cad. Saúde Colet. 2015;23(4):347-353.

Guto JA, Bii CC, Denning DW. Emerging problems in infectious diseases - estimated burden of fungal infections in Kenya. J Infect Dev Ctries. 2016;10(8):777-84.

Niculescu EC, Dop D, Diaconu R, Stepan AE, Gheonea C, Stănescu GL. Vertical transmission of HIV/TB in newborns: case report. Rom J Morphol Embryol. 2014;55(4):1473-6.

Habiyambere V, Ford N, Low-Beer D, Nkengasong J, Sands A, González MP et al. Availability and use of HIV monitoring and early infant diagnosis technologies in WHO member states in 2011–2013: analysis of annual surveys at the facility level. PLOS Medicine. 2016;13(8):1-21.

Publicado
2018-11-13
Seção
Artigos Originais