ESTRESSE ENTRE ESTUDANTES DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM: ASSOCIAÇÃO DE CARACTERÍSTICAS SOCIODEMOGRÁFICAS E ACADÊMICAS

  • Christefany Régia Braz Costa Universidade Federal de Alagoas
  • Willams Henrique da Costa Maynart Universidade Federal de Alagoas
  • Layze Braz de Oliveira Universidade de São Paulo
  • Maria Cícera dos Santos de Albuquerque Universidade Federal de Alagoas
  • Divanise Suruagy Correia Universidade Federal de Alagoas
Palavras-chave: Enfermagem, Estudantes de enfermagem, Estresse psicológico, Instituições de Ensino Superior

Resumo

Verificar a prevalência do estresse entre estudantes de graduação em enfermagem e sua associação com  as características sociodemográficas e acadêmicas. Estudo tranversal, de abordagem quantitativa, realizado com 236 estudantes de enfermagem de uma instituição de ensino superior pública, no período de setembro de 2013 a janeiro de 2014. Utilizou-se instrumento contendo variáveis sociodemográficas, acadêmicas e o Inventário de Sintomas de Estresse para Adultos de LIPP. Foi realizado teste Qui-quadrado, adotando p<0,05. A prevalência de estresse entre os estudantes de graduação em enfermagem foi de 73,3% (n=173), com 65,7% (n=155) na fase de resistência do estresse e 42,0% (n=99) com predomínio de sintomas psicológicos. Houve associação entre o estresse e as variáveis idade (p=0,056) e estado civil (p=0,025). O estudo identificou alta prevalência de estresse entre estudantes de graduação em enfermagem e associação entre o estresse as variáveis idade e estado civil.

Biografia do Autor

Christefany Régia Braz Costa, Universidade Federal de Alagoas
Enfermeira. Mestra em Ciências pela Universidade de São Paulo. Ribeirão Preto (SP), Brasil.
Willams Henrique da Costa Maynart, Universidade Federal de Alagoas
Enfermeiro. Mestrando em Enfermagem. Universidade Federal de Alagoas. Maceió (AL), Brasil.
Layze Braz de Oliveira, Universidade de São Paulo
Enfermeira. Mestra em Ciências pela Universidade de São Paulo. Ribeirão Preto (SP), Brasil
Maria Cícera dos Santos de Albuquerque, Universidade Federal de Alagoas
Enfermeira e psicóloga. Doutora em Enfermagem. Docente da Escola de Enfermagem e Farmácia da Universidade Federal de Alagoas. Maceió (AL), Brasil
Divanise Suruagy Correia, Universidade Federal de Alagoas
Médica. Doutora em Ciências da Saúde. Docente da Faculdade de Medicina da Universidade Federal de Alagoas. Maceió (AL), Brasil

Referências

Bosso LO, Silva RM, Costa ALS. Biosocial-academic profile and stress in first- and fourth-year nursing students. Invest educ enferm. 2017;35(2):131-8.

Seyle H. A syndrome produced by diverse nocuous agents. 1936. J Neuropsychiatry Clin Neurosci. 1998;10(2):230-1.

Lipp MEN, Guevara AJH. Validação empírica do Inventário de Sintomas de Stress (ISS). Estudos de Psicologia (Campinas). 1994; 11(3):43-9.

Song Y, Lindquist R. Effects of mindfulness-based stress reduction on depression, anxiety, stress and mindfulness in Korean nursing students. Nurse Educ Today. 2015;35(1):86-90.

Cachoeira DVAC, Santos SCC, Meneganti APS, NegreirosNF, Cardoso L, Preto VA. Relação do perfil sociodemográfico com o risco de adoecimento por transtornos mentais comum em alunos do curso de enfermagem. Rev Enferm UFPE on line. 2016; 10(12):4501-8.

Bublitz S, Guido LA, Lopes LFD, Freitas EO. Association between nursing students’ academic and sociodemographic characteristics and stress. Texto contexto - enferm. 2016; 25(4): e2440015.

Lipp, MEN. Manual do Inventário de Sintomas de Stress para Adultos de Lipp (ISSL). São Paulo: Casa do Psicólogo; 2000.

Associação Brasileira de Empresas de Pesquisa. Critério de Classificação Econômica Brasil (CCEB) 2013. São Paulo; 2013 [acesso em 2018 jun. 20]. Disponível em: http://www.abep.org/criterio-brasil

Silva ARS, Silva ARS, Bezerra MPM, Mendes MLM, Santos IN. Estudo do estresse na graduação de enfermagem: revisão integrativa de literatura. Ciências biológicas e da saúde. 2016; 2(3):75-86.

Moreira DP, Furegato ARF. Estresse e depressão entre alunos do último período de dois cursos de enfermagem. Rev Latino-Am Enfermagem. 2013; 21(spe):155-62.

Bublitz S, Guido LA, Kirchhof RS, Neves ET, Lopes LFD. Perfil sociodemográfico e acadêmico de discentes de enfermagem de quatro instituições brasileiras. Rev Gaúcha Enferm. 2015; 36(1):77-83.

Gomes RK, Oliveira VB. Depressão, ansiedade e suporte social em profissionais de enfermagem. Bol Psicol. 2013; 63(138):23-33.

Alzayyat A, Al-Gamal E. A review of the literature regarding stress among nursing students during their clinical education. Int Nurs Rev. 2014; 61(3):406-15.

Ramiro FS, Júnior IL, Silva RCB, Montesano FT, Oliveira NRCO, Diniz REAS et al. Investigação do estresse, ansiedade e depressão em mulheres com fibromialgia: um estudo comparativo. Rev Bras Reumatol. 2014; 54(1): 27-32.

Correia DS, Santos LVA, Calheiros AMN, Vieira MJ. Adolescentes grávidas: sinais, sintomas, intercorrências e presença de estresse. Rev Gaúcha Enferm. 2011; 32(1):40-7.

Soares MH, Oliveira FS. A relação entre álcool, tabaco e estresse em estudantes de enfermagem. SMAD, Rev Eletrônica Saúde Mental Álcool Drog. 2013; 9(2):88-94.

Corral-Mulato S, Baldissera VDA, Santos JL, Philbert LAS, Bueno SMV. Estresse na vida do acadêmico em enfermagem. (Des)conhecimento e prevenção. Invest Educ Enferm. 2011; 29(1):109-17.

Azevedo BDS, Nery AA, Cardoso JP. Estresse ocupacional e insatisfação com a qualidade de vida no trabalho da enfermagem. Texto contexto – enferm. 2017; 26(1): e3940015.

Publicado
2018-11-13
Seção
Artigos Originais