AVALIAÇÃO DA ESTRUTURA NA ATENÇÃO PRIMÁRIA EM SAÚDE PARA O SUPORTE BÁSICO DE VIDA

Palavras-chave: Atenção Primária à Saúde, Reanimação cardiopulmonar, Emergências, Infraestrutura sanitária, Enfermagem

Resumo

Descrever a estrutura das Unidades Básicas de Saúde (UBS) no atendimento para o Suporte Básico de Vida (SBV). Trata-se de um estudo transversal, descritivo, com abordagem quantitativa, desenvolvido em 13 Unidades Básicas de Saúde de um município do interior paulista, no período de dezembro de 2013 a junho de 2014, por meio de entrevistas estruturadas com os responsáveis e observação da estrutura. Foi elaborado um roteiro específico para esse estudo. As unidades estudadas não dispunham de todos os materiais, equipamentos e espaço necessários para o atendimento de SBV. Apenas os itens bolsa-válvula-máscara adulto e luvas de procedimento foram encontrados em 100% das unidades. Constatou-se a não adequação de grande parte das UBS a requisitos estruturais mínimos para o atendimento de SBV, bem como lacunas frente à organização e disposição dos materiais.

Referências

Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Especializada. Manual Instrutivo da Rede de Atenção às Urgências e Emergências do Sistema Único de Saúde (SUS). Brasília: Ministério da Saúde; 2013.

Ministério da Saúde (BR). Portaria n° 1.600, de 07 de julho de 2011. Reformula a Política Nacional de Atenção às Urgências e institui a Rede de Atenção às Urgências no Sistema Único de Saúde (SUS). Diário Oficial da União, 07 jul 2011 [acesso em 2018 out. 05]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2011/prt1600_07_07_2011.html

Garcia AB, Papa MAF, Carvalho Júnior, PM. Estratégia da Saúde da Família: capacidade da equipe para o atendimento de urgência e emergência. Revista Nursing. 2012; 14(167):216-20.

Gonzalez MM, Timerman S, Oliveira RG, Polastri T, Dallan L AP, Araújo S, et al. I I Guideline for Cardiopulmonary Resuscitation and Emergency Cardiovascular Care – Brazilian Society of Cardiology: Executive Summary. Arq Bras Cardiol. 2013; 100(2):105-13.

Guimarães HP. Projeto de Destaques das Diretrizes da AHA. Destaques da American Heart Association 2015. Atualização das Direrizes de RCP e ACE. Dallas: American Heart Association; 2015 [acesso em 2018 out. 05]. Disponível em: https://eccguidelines.heart.org/wp-content/uploads/2015/10/2015-AHA-Guidelines-Highlights-Portuguese.pdf

Oliveira TA, Mesquita GV. Atendimento de urgência e emergência na Estratégia Saúde da Família. R Interd. 2013, 6(2):128-36.

Marcolino MS, Santos TMM, Stefanelli FC, Oliveira JAQ, E Silva MVRS, Andrade DF Júnior, et al. Cardiovascular emergencies in primary care: an observational retrospective study of a large-scale telecardiology service.Sao Paulo Md J. 2017;135(5):481-7.

Furtado JP, Vieira-da-Silva LM. A avaliação de programas e serviços de saúde no Brasil enquanto espaço de saberes e práticas. Cad Saúde Pública . 2014; 30( 12): 2643-55.

Ayanian JZ, Markel H. Donabedian’s Lasting Framework for Health Care Quality. N Engl J Med. 2016 Jul; 375(3):205-7.

Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Programa Nacional de Melhoria do Acesso e da Qualidade da Atenção Básica (PMAQ): Manual instrutivo para as equipes de atenção básica e NASF. Brasília: Ministério da saúde; 2017.

Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Política Nacional de Atenção Básica. Brasília: Ministério da Saúde; 2012.

Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Acolhimento à demanda espontânea / Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. 1. ed.; 1.reimpr. Brasília: Ministério da Saúde; 2013.

Citolino Filho CM, Santos ES, Silva RCG, Nogueira LS. Factors affecting the quality of cardiopulmonary resuscitation in inpatient units: perception of nurses. Rev esc enferm. USP. 2015; 49(6):907-13.

Coutinho LR P, Barbieri AR, Santos MLM. Acolhimento na Atenção Primária à Saúde: revisão integrativa. Saúde debate. 2015;39 (105): 514-24.

Ministério da Saúde (BR). Portaria n° 2048, de 20 de novembro 2002. Aprova o Regulamento Técnico dos Sistemas Estaduais de Urgência e Emergência. Diário Oficial da União, 20 nov 2002 [acesso em 2018 out. 05]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2002/prt2048_05_11_2002.html

Conselho Regional de Enfermagem de São Paulo. Parecer COREN-SP CT 037/2013, de 10 de julho de 2013. Dispõe sobre o Carro de emergência: composição, responsabilidade pela montagem, conferência e reposição. São Paulo: COREN; 2012 [acesso em 2018 out. 05]. Disponível em: http://portal.coren-sp.gov.br/sites/default/files/parecer_coren_sp_2013_37.pdf

Lemes RA, Silva MRS da, Silva BT, Gonzales RIC, Chagas MCS, Santos FDR. Sensitive assistance to basic care in a non-hospital emergency unit atendimient. Rev enferm UFPE on line. 2015; 9(11):9777-83.

Guilherme MIS, Oliveira CEFV, Silva ARM, Costa MFR, Vasconcelos RB. O atendimento de enfermagem em casos de parada cardiorrespiratória (PCR). In: 17º CBCENF; 2014.P. 1-21; Belém, Brasil. Belém: COFEn; 2014 [acesso em 2018 out. 05]. Disponível em: http://apps.cofen.gov.br/cbcenf/sistemainscricoes/anais.php?evt=12&sec=91&niv=6.1&con=10532

Farias DC, Celino SDM, Peixoto JBS, Barbosa ML, Costa GM. Acolhimento e Resolubilidade das Urgências na Estratégia Saúde da Família. Rev bras educ med. 2015; 29(1):79-87.

Publicado
2019-08-23
Seção
Artigos Originas - Promoção da Saúde