CUIDADO DE ENFERMAGEM A FAMILIARES DE PACIENTES EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA: REVISÃO INTEGRATIVA

  • Tatiana Brusamarello Universidade Federal do Paraná
  • Samantha Soares da Silva Universidade Federal do Paraná.
  • Edineia Miranda Machado Universidade Federal do Paraná.
Palavras-chave: Cuidados de enfermagem, Família, Unidade de terapia intensiva.

Resumo

Este estudo teve como objetivo identificar o conhecimento produzido sobre o cuidado de enfermagem a familiares de pacientes adultos em unidade de terapia intensiva. Trata-se de uma revisão integrativa, realizada em novembro de 2018 nas bases de dados MEDLINE, LILACS e SCOPUS. Os critérios de inclusão foram artigos em português, inglês e espanhol, disponíveis gratuitamente na íntegra e que respondessem à pergunta de pesquisa. Os dados dos 25 artigos selecionados foram analisados qualitativamente de acordo com a análise temática. Emergiram as seguintes categorias: estratégias exitosas no acolhimento de familiares na UTI; dificuldades encontradas para realizar o cuidado aos familiares na UTI; e valorização do cuidado humanizado aos familiares na UTI. Conclui-se que o cuidado dispensado as famílias nas unidades de terapia intensiva ainda é frágil. No entanto, as experiências exitosas de alguns enfermeiros promoveram ambiente de segurança e confiança entre a equipe de saúde e os familiares.

Biografia do Autor

Tatiana Brusamarello, Universidade Federal do Paraná
Enfermeira. Doutora em Enfermagem. Coordenadora do Eixo Profissional de Enfermagem do Programa Residencia Integrada Multiprofissional em Atenção Hospitalar do Complexo Hospital de Clínicas da Universidade Federal do Paraná - UFPR, Brasil
Samantha Soares da Silva, Universidade Federal do Paraná.
Enfermeira. Residente do Programa de Residência Multiprofissional em Urgência e Emergência do Complexo do Hospital de Clínicas – Universidade Federal do Paraná - UFPR, Brasil.
Edineia Miranda Machado, Universidade Federal do Paraná.
Enfermeira. Residente do Programa de Residência Multiprofissional em Urgência e Emergência do Complexo do Hospital de Clínicas –Universidade Federal do Paraná - UFPR, Brasil.

Referências

Freitas KS, Menezes IG, Mussi FC. Validação da escala de conforto para familiares de pessoas em estado crítico de saúde. Rev Latinoam Enferm. 2015; 23(4):660-8.

Bousso RS, Angelo M. Buscando preservar a integridade da unidade familiar: a família vivendo a experiência de ter um filho na UTI. Rev Esc Enferm USP. 2001; 35(2):172-9.

Oliveira R, Maruyama SAT. Princípio da integralidade numa UTI pública: espaço e relações entre profissionais de saúde e usuários. Rev Eletrônica Enferm. 2009; 11(2).

Ministério da Saúde. HumanizaSUS: Política nacional de humanização -humanização como eixo norteador das práticas de atuação e gestão em todas as esferas do SUS. 2003.

Horn EV, Tesh A. The effect of critical care hospitalization on family members: stress and responses.Dimens Crit Care Nur. 2000; 19(4):40-9.

Ministério da Saúde, Secretariade Atenção à Saúde, Núcleo Técnicoda Política Nacionalde Humanização. HumanizaSUS: visita aberta e direito a acompanhante. 2007.

Ganong LH. Integrative reviews of nursing research. Research in nursing & health. 1987; 10(1): 1-11.

Bardin L. Análise de conteúdo. Lisboa: Editora Edições 70; 1977.

De-La-Cueva-Ariza L, et al. Implementation of the evidence for the improvement of nursing care to the critical patient’s family: a Participatory Action Research. BMC Health Serv Res. 2018; 18(1): 357.

Camponogara S, et al. Percepções e necessidades dos familiares de pacientes internados em uma unidade cardiológica intensiva. REME rev min enferm. 2016; 20.

Vasconcelos EV, et al. O cotidiano de familiares de pacientes internados na UTI: um estudo com as representações sociais.Rev Pesqui Cuid Fundam. 2016; 8(2): 4313-27.

Passos SSS, et al. O acolhimento no cuidado à família numa unidade de terapia intensiva. Rev Enferm UERJ. 2015; 23(3): 368-74.

Puggina AC, et al. Percepção da comunicação, satisfação e necessidades dos familiares em Unidade de Terapia Intensiva. Esc Anna Nery Rev Enferm. 2014;18(2): 277-83.

Loghmani L, Borhani F, Abbaszadeh A. Factors affecting the nurse-patients’ family communication in intensive care unit of kerman: a qualitative study. Journal of caring sciences. 2014; 3(1): 67.

Athanasiou A, et al. Family visitation in Greek intensive care units: nurses’ perspective. Am J Crit Care. 2014; 23(4): 326-333.

Cappellini E, et al. Open intensive care units: a global challenge for patients, relatives, and critical care teams.Dimens Crit Care Nurs. 2014; 33(4): 181-93.

Simoni RCM, et al. O impacto da visita de enfermagem sobre as necessidades dos familiares de pacientes de UTI. Rev Esc Enferm USP. 2012; 46: 65-70.

Maestri E, et al. Avaliação das estratégias de acolhimento na Unidade de Terapia Intensiva.Rev Esc Enferm USP. 2012; 46(1): 75-81.

Sell CT, et al. Alterações na dinâmica familiar com a hospitalização em unidade de terapia intensiva. Rev EnfermUERJ. 2012: 488-92.

Frizon G, et al. Familiares na sala de espera de uma unidade de terapia intensiva: sentimentos revelados. Rev Gaúcha Enferm. 2011; 32(1): 72.

Silva RS, Campos AER, Pereira A. Cuidando do paciente no processo de morte na Unidade de Terapia Intensiva. 2011.

Oliveira LMAC, et al. Grupo de suporte como estratégia para acolhimento de familiares de pacientes em Unidade de Terapia Intensiva. Rev Esc Enferm USP. 2010; 44(2): 429-36.

Shelton W, et al. The effect of a family support intervention on family satisfaction, length-of-stay, and cost of care in the intensive care unit. Crit Care Med. 2010; 38(5): 1315-20.

Daly BJ, et al. Effectiveness trial of an intensive communication structure for families of long-stay ICU patients. Chest. 2010; 138(6): 1340-48.

Silva FS, Santos I. Expectativas de familiares de clientes em UTI sobre o atendimento em saúde: estudo sociopoético. Esc Anna Nery Rev Enferm. 2010; 14(2): 5-230.

Yeager S, et al. Embrace hope: an end-of-life intervention to support neurological critical care patients and their families. Crit Care Nurse. 2010; 30(1): 47-58.

Casanova EG, Lopes GT. Comunicação da equipe de enfermagem com a família do paciente. Rev Bras Enferm. 2009; 62(6).

Stayt LC. Death, empathy and self preservation: the emotional labour of caring for families of the critically ill in adult intensive care. J Clin Nur. 2009; 18(9): 1267-75.

Mcadam JL, Puntillo K. Symptoms experienced by family members of patients in intensive care units. Am J Crit Care. 2009; 18(3): 200-9.

Nelson DP, Plost G. Registered nurses as family care specialists in the intensive care unit. Crit Care Nurse. 2009; 29(3): 46-52.

Bettinelli LA, Erdmann AL. Internação em unidade de terapia intensiva e a família: perspectivas de cuidado. Av Enferm. 2009; 27(1): 15-21.

Puggina ACG, Silva MJP, Araújo MMT. Mensagens dos familiares de pacientes em estado de coma: a esperança como elemento comum. Acta Paul Enferm. 2008; 21(2).

Maruiti MR, Galdeano LG, Farah OGD. Ansiedade e depressão em familiares de pacientes internados em unidade de cuidados intensivos. Acta Paul Enferm. 2008; 21(4).

Zanetti TG, Graube SL, Dezordi CCM, Bittencourt VLL, Horn RC, Stumm EMF. Sintomas de estresse em familiares de pacientes adultos em terapia intensiva. Rev Saúde e Pesquisa. 2017; 10(3): 549-55.

Publicado
2019-10-21
Seção
Artigos de Revisão