CONTRIBUIÇÕES DA PSICOLOGIA AMBIENTAL PARA PROMOÇÃO DE SAÚDE DE PESSOAS EM SITUAÇÃO DE RUA

  • Denise Silvestrin Universidade Federal de Santa Catarina http://orcid.org/0000-0001-5955-8701
  • Ariane Kuhnen Universidade Federal de Santa Catarina
  • Bianca Tribéss Universidade Federal de Santa Catarina
Palavras-chave: Pessoas em situação de rua, Psicologia ambiental, Saúde mental, Atenção à saúde.

Resumo

Este artigo tem por objetivo apresentar as possibilidades de contribuição da psicologia ambiental para promoção de saúde de pessoas em situação de rua, a partir do conceito ampliado de saúde e de território. Foi elaborado após a experiência de campo, que contou com a participação de 13 pessoas em situação de rua. A pesquisa teve abordagem qualitativa e suas etapas envolveram aplicação de questionário sociodemográfico, caminhadas pelo espaço urbano e entrevistas com participantes. A análise foi conduzida a partir da teoria fundamentada nos dados. A discussão dos resultados demonstra a capacidade que a psicologia ambiental tem para dar consistência e aprofundar soluções para as fragilidades da relação entre pessoas em situação de rua e o ambiente da cidade.

Biografia do Autor

Denise Silvestrin, Universidade Federal de Santa Catarina
Mestre em Psicologia Laboratório de Psicologia Ambiental Programa de Pós-Graduação em Psicologia Universidade Federal de Santa Catarina
Ariane Kuhnen, Universidade Federal de Santa Catarina
Professora Doutora Voluntária Laboratório de Psicologia Ambiental Programa de Pós-Graduação em Psicologia Universidade Federal de Santa Catarina
Bianca Tribéss, Universidade Federal de Santa Catarina
Graduanda em Psicologia Departamento de Psicologia Universidade Federal de Santa Catarina

Referências

OMS. Conferência Internacional sobre Cuidados Primários de Saúde: Declaração de Alma-Ata; 1978. Brasília, DF: Ministério da Saúde; 2004.

Dalmolin BB, Backes DS, Zamberlan C, Schaurich D, Colomé JS, Gehlen MH. Significados do conceito de saúde na perspectiva de docentes da área da saúde. Esc. Anna Nery [Internet]; Junho 2011 [cited 2019 Mar 27]. 15(2): 389-394. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-81452011000200023&lng=en. http://dx.doi.org/10.1590/S1414-81452011000200023.

Ministério da Educação. Saúde. Portal MEC: Secretaria da Educação Fundamental; 2018.

Ministério da Saúde (BR). Glossário temático: promoção da saúde. In: Projeto de terminologia da saúde. Brasília: Biblioteca Virtual em Saúde do Ministério da Saúde; 2012.

Lima EMFA, Yasui S. Territórios e sentidos: espaço, cultura, subjetividade e cuidado na atenção psicossocial. Saúde em Debate; 2014. 38(102), 593- 606. https://dx.doi.org/10.5935/0103-1104.2014005.

Feitosa MZS, Sousa LCA, Paz AFC, Barreto EHFL, Bomfim ZÁC. Afetividade, território e vulnerabilidade na relação pessoa-ambiente: um olhar ético político. Fractal: Revista de Psicologia; 2018. 30(2), 196-203. https://dx.doi.org/10.22409/1984-0292/v30i2/5505

Santos M. Por uma outra globalização (do pensamento único à consciência universal). Rio de Janeiro: Record; 2001.

Sennet R. Carne e Pedra: O corpo e a cidade na civilização ocidental. Rio de Janeiro: Record; 2001. 362p.

Abreu D D, Salvadori L V. Pessoas em situação de rua, exclusão social e rualização: reflexões para o serviço social. I Seminário Nacional de Serviço Social, Trabalho e Política Social; 2015.

Günther H, Elali G, Pinheiro JA. Abordagem multimétodos em Estudos Pessoa-ambiente: características, definições e implicações. Série: Textos de Psicologia Ambiental; 2004.

Silvestrin D. O Vínculo das pessoas em situação de rua com o Centro de Florianópolis. Dissertação de Mestrado – Programa de Pós-Graduação em Psicologia da UFSC; 2019.

Bomfim, ZAC. Cidade e afetividade: estima e construção dos mapas afetivos de Barcelona e São Paulo. Tese de Doutorado, Psicologia, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo; 2003.

Andrade LP, Costa SL, Marquetti FC. A rua tem um ímã, acho que é a liberdade: potência, sofrimento e estratégias de vida entre os moradores de rua na cidade de Santos, litoral do Estado de São Paulo. Rev. Saúde e Sociedade; 2009. 23(4),1248- 1261.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas. Censo Demográfico 2010. Características da população e dos domicílios: resultados do universo. Rio de Janeiro: IBGE, 2011.

Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome (BR). Rua Aprendendo a Contar: Pesquisa Nacional sobre a População em Situação de Rua. Brasília: Secretaria de Avaliação e Gestão da Informação; 2009.

Seidmann S, Di Iorio J, Azzollini S, Rigueiral G. Sociabilidades em los márgenes: prácticas y representaciones sociales de personas em situación de calle em la ciudad de Buenos aires. Facultad de psicología – UBA/Secretaría de Investigaciones/Anuario de Investigaciones/Volumen XXII; 2015.

Becker HS. Métodos de pesquisa em ciências sociais. São Paulo: Hucitec; 1993. 2a ed., M. Arieira, Trad. (Obra original publicada em 1986).

Elali GVMA, Pinheiro JQ. Autobiografia ambiental: buscando afetos e cognições da experiência com ambientes. In: Pinheiro, José. Q.; Günther, Hartmut. (Org.). Métodos de pesquisa nos estudos pessoa-ambiente. São Paulo: Casa do Psicólogo; 2008. v. 1, p. 217-252.

Strauss AL, Corbin JM. Pesquisa qualitativa: técnicas e procedimentos para o desenvolvimento de teoria fundamentada. 2. ed. Porto Alegre: Artmed; 2008.

Quintão P R. Morar na rua: há projeto possível? Dissertação de Mestrado. São Paulo: FAUUSP; 2019.

Campos-de-Carvalho MI. Arranjo Espacial. In: Cavalcante S, Elali GA (org). Temas básicos em Psicologia Ambiental. Petrópolis, RJ: Vozes; 2011.

Brasil. Portaria Nº 122, de 25 de janeiro de 2011. Define as diretrizes de organização e funcionamento das Equipes de Consultório na Rua. Diário Oficial da União. 2011.

Alves VS, Lima IMSO. Atenção à saúde de usuários de álcool e outras drogas no Brasil: convergência entre a saúde pública e os direitos humanos. Revista de Direito Sanitário; 2013. 13(3), 9-32.

Brasil. Decreto n° 7.053, de 23 de dezembro de 2009. Institui a Política Nacional para a População em Situação de Rua e seu Comitê Intersetorial de Acompanhamento e Monitoramento, e dá outras providências. Brasília, DF: Presidência da República; 2009.

Furlani DD, Bomfim ZÁC. Juventude e afetividade: tecendo projetos de vida pela construção dos mapas afetivos. Psicologia & Sociedade; 2012. 22(1), 50-59. https://dx.doi.org/10.1590/S0102-71822010000100007.

Adams G. Colaboração interdisciplinar e participação do usuário como metodologia projetual. In: Projeto do lugar: colaboração entre psicologia, arquitetura e urbanismo. V. Del Rio, (Org.). Rio de Janeiro: Contra Capa / PROARQ; 2002. p.45-58

Sommer R. O desenvolvimento e a aplicação dos conceitos de espaço pessoal. In: V. Del Rio (org.). Projeto do Lugar: colaboração entre psicologia, arquitetura e urbanismo. Rio de Janeiro: Contra Capa/PROARQ; 2002. p.19-29.

Cavalcante S, Elias TF. Apropriação. In: Cavalcante S; Elali GA (org). Temas básicos em Psicologia Ambiental. Petrópolis, RJ: Vozes; 2011.

Publicado
2019-10-21
Seção
Artigos Originas - Promoção da Saúde