Só engravida quem quer? Práticas educativas nas ações de planejamento reprodutivo

Palavras-chave: Assistência à saúde, Planejamento familiar, Saúde sexual e reprodutiva, Sistema único de saúde

Resumo

O estudo objetivou compreender as fragilidades e potencialidades nas ações de planejamento reprodutivo na rede de atenção à saúde, com ênfase nas práticas educativas junto às usuárias. A pesquisa é do tipo qualitativa e foi realizada em Unidades de Saúde da Atenção Primária e Secundária, localizadas em um município da Região Metropolitana, no interior do nordeste brasileiro, nos meses de fevereiro a março de 2015. O estudo contou com 20 participantes: quatro enfermeiras, 12 usuárias e quatro informantes-chaves, que são profissionais que atuam nas unidades em estudo. Utilizou-se entrevista semiestruturada e observação sistemática para coleta de dados e análise hermenêutica-dialética para sua organização. No cotidiano dos serviços, a educação em saúde se restringe às palestras e à temática preventiva da concepção. As usuárias expressaram pouca informação e compreensão sobre planejamento reprodutivo e uso dos métodos. Considera-se que a prática educativa requisita estratégias dialógicas para o reconhecimento de demandas e necessidades singulares na busca da garantia dos direitos sexuais e reprodutivos na atenção integral à saúde.

Biografia do Autor

Lívia Parente Pinheiro Teodoro, Universidade Regional do Cariri - URCA
Mestre em Enfermagem pela Universidade Regional do Cariri (URCA). Docente do Curso de Enfermagem da Universidade Regional do Cariri (URCA), Crato (CE), Brasil.
Vanessa Macêdo Cruz Cordeiro de Morais, Hospital Universitário Júlio Bandeira da Universidade Federal de Campina Grande
Mestre em Saúde da Família pelo Curso de Mestrado Profissional da Rede Nordeste de Formação em Saúde da Família (RENASF) - Nucleadora Universidade Regional do Cariri (URCA). Hospital Universitário Júlio Bandeira da Universidade Federal de Campina Grande (PB), Brasil.
José Adelmo da Silva Filho, Universidade Regional do Cariri - URCA
Mestrando Programa de Pós-graduação em Enfermagem da Universidade Regional do Cariri (CMAE/URCA). Membro do Grupo de Pesquisa Clínica, Cuidado e Gestão em Saúde (GPCLIN/URCA) Crato (CE), Brasil.
Geanne Maria Costa Torres, Secretaria de Saúde de Salitre, Ceará
Enfermeira da Secretaria de Saúde de Salitre, Ceará. Mestre em Saúde da Família pela Universidade Estadual do Ceará (UECE). Membro do Grupo de Pesquisa Clínica, Cuidado e Gestão em Saúde (GPCLIN/URCA) Crato (CE), Brasil.
Inês Dolores Teles Figueiredo, Universidade Regional do Cariri - URCA
Mestre em Saúde da Família pela Universidade Estadual do Ceará (UECE). Docente do Curso de Enfermagem da Universidade Regional do Cariri (URCA). Crato (CE), Brasil.
José Auricélio Bernardo Cândido, Universidade Estadual do Ceará - UECE
Enfermeiro da Secretaria de Saúde de Horizonte, Ceará. Mestre em Saúde da Família pela Universidade Estadual do Ceará (UECE). Fortaleza (CE), Brasil.
Antonio Germane Alves Pinto, Universidade Regional do Cariri - URCA
Doutor em Saúde Coletiva pela UECE. Pós-Doutor em Educação PPGE-UECE. Professor do Programa de Pós-graduação Profissional em Saúde da Família (PPGSF) - Mestrado e Doutorado profissionais da Rede Nordeste de Formação em Saúde da Família (RENASF) - Nucleadora URCA e Nucleação Ceará, Mestrado Acadêmico em Enfermagem da URCA e do Mestrado Profissional em Ensino na Saúde (CMEPES) da UECE. Brasil.

Referências

1. Associação para o planejamento da família (APF). Métodos Contraceptivos. Planejamento Familiar. 2020 [acesso em 2020 Jul 10]. Disponível em: http://www.apf.pt/metodos-contracetivos#toc-0

2. Kanem N. A escolha pode mudar o mundo. In: Relatório da População Mundial 2018. O Poder de Escolha: direitos reprodutivos e a transição demográfica. UFNPA. United Nations Population Fund; 2018 [acesso em 2020 Abr 09]. Disponível em: https://brazil.unfpa.org/sites/default/files/pub-pdf/SWOP_2018.pdf

3. United Nations (UN). World Urbanization Prospects: The 2014 Revision. Population Division of the Department of Economic and Social Affairs. New York: United Nations; 2015 [acesso em 2020 Abr 09]. Disponível em: https://brazil.unfpa.org/sites/default/files/pub-pdf/SWOP_2018.pdf

4. United Nations Population Fund (UFPA). Situação da População Mundial 2019. Um trabalho inacabado: a busca por direitos e escolhas para todos e todas. [acesso em 2020 Abr 09]. Disponível em: https://brazil.unfpa.org/pt-br/topics/swop2019

5. FamilyPlanning2020.Org (FP2020). Women at the Center 2018-2019: Média Coverage in Africa. Washiington – USA, 2019. [acesso em 2020 Abr 14]. Disponível em: http://www.familyplanning2020.org/news/fp2020-women-center-2018-2019-media-coverage-africa

6. Milanez N, Oliveira AE, Barroso ADV, Martinelli KG, Esposti CDD, Santos Neto ET. Gravidez indesejada e tentativa de aborto: práticas e contextos. Sex., Salud Soc [internet] 2016 Apr [acesso em 2020 Abr 14];22: 129-146. Disponivel em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1984-64872016000100129&script=sci_abstract&tlng=pt doi: 10.1590/1984-6487.sess.2016.22.06.a.

7. Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Saúde sexual e saúde reprodutiva. Brasília: Ministério da Saúde; 2013. 300 p.: il. (Cadernos de Atenção Básica, n. 26).

8. Bezerra EJ, Almeida TSC, Passos NCR, Paz CT, Borges-Paluch LR. Planejamento reprodutivo na estratégia saúde da família: estudo qualitativo sobre a dinâmica do atendimento e os desafios do programa. Arq. Cienc. Saúde da UNIPAR [internet] 2018 Maio/Ago [acesso em 2020 Jul 1];22(2): 99-108. Disponível em: https://www.revistas.unipar.br/index.php/saude/article/view/6349/3570 doi: 10.25110/arqsaude.v22i2.2018.6349.

9. Luiz MS, Nakano AR, Bonan C. Reproductive planning in a family clinic within a Teias: facilitating conditions and limits on assistance. Saúde debate [internet] 2015 Jul/Set [acesso em 2020 Jul 1];39(106):671-682. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-11042015000300671&lng=en&nrm=iso&tlng=pt doi: 10.1590/0103-110420151060003009.

10. Campos A, Oliveira DR. A relação entre o princípio da autonomia e o princípio da beneficência (e não-maleficência) na bioética médica. Revista Brasileira de Estudos Políticos [internet] 2017 Jul/Dez [acesso em 2020 Abr 10];115: 13-45. Disponível em: https://pos.direito.ufmg.br/rbep/index.php/rbep/article/view/514 doi: 10.9732/P.0034-7191.2017V115P13

11. Ribeiro WA, Martins LM, Couto CS, Cirino HP, Teixeira JM, Almeida VLA. Nurse’s educational practices to prevent pregnancy in adolescence: strategies and perspectives. Rev Pró-univerSUS [internet] 2017 Jul/Dez [acesso em 2020 Abr 14];08(2): 58-62. Available from: http://editora.universidadedevassouras.edu.br/index.php/RPU/article/view/1116/pdf

12. Almeida APF, Assis MM. Efeitos colaterais e alterações fisiológicas relacionadas ao uso contínuo de anticoncepcionais hormonais orais. Rev. Eletrôn. Atualiza Saúde [internet] 2017 Jan/Jun [acesso em 2020 Abr 14];5(5): 85-93. Available from: http://atualizarevista.com.br/wp-content/uploads/2017/01/efeitos-colaterais-e-altera%C3%A7%C3%B5es-fisiol%C3%B3gicas-relacionadas-ao-uso-cont%C3%ADnuo-de-anticoncepcionais-hormonais-orais-v-5-n-5.pdf

13. Brandão ER. Métodos contraceptivos reversíveis de longa duração no Sistema Único de Saúde: o debate sobre a (in)disciplina da mulher. Ciênc. saúde coletiva [internet] 2019 Jan/Mar [acesso em 2020 Jun 14];24(3): 875-879. Disponível: https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-81232019000300875&lng=pt&nrm=iso doi: 10.1590/1413-81232018243.10932017.

14. Minayo MCS. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 14 ed. São Paulo: Hucitec, 2014. 416 p.

15. Tong A, Sainsbury P, Craig J. Consolidated criteria for reporting qualitative research (COREQ): a 32-item checklist for interviews and focus groups, International Journal for Quality in Health Care, Volume 19, Issue 6, December 2007, Pages 349–357, https://doi.org/10.1093/intqhc/mzm042

16. Ministério da Saúde (BR). Conselho Nacional de Saúde. Resolução nº 466 do Conselho Nacional de Saúde de 12 de dezembro de 2012. Aprova as diretrizes e normas regulamentadoras de pesquisas envolvendo seres humanos [Internet]. Brasília: Ministério da Saúde; 2012 [acesso 2020 Abr 14]. Available from: http://conselho.saude.gov.br/ultimas_noticias/2013/06_jun_14_publicada_resolucao.html

17. Maus LCS. Atenção em anticoncepção: construção de propostas em conjunto com Equipes de Saúde da Família. [Dissertação]. Florianópolis, SC: Universidade Federal de Santa Catarina; 2016. 222 p.

18. Mattos M, Da Silva KL, Kolln WM. Factors influencing educational actions onbreast cancer in the Family Health Strateg. Espaç. saúde [internet] 2016 Jul [acesso em 2020 Jun 14];17(1): 40-48. Available from: https://pesquisa.bvsalud.org/portal/resource/pt/lil-795862

19. Souza LM, Moraes RLG, Oliveira JS. Direitos sexuais e reprodutivos: influências dos materiais educativos impressos no processo de educação em sexualidade. Saúde debate [internet] 2015 Jul/Set [acesso em 2020 Jun 14];39(106): 683-93. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/sdeb/v39n106/0103-1104-sdeb-39-106-00683.pdf doi: 10.1590/0103-110420151060003010.

20. Franze AMAK, Benedet DCF, Wall ML, Trigueiro TH, Souza SRRK. Planejamento reprodutivo nas orientações em saúde: revisão integrativa. REFACS [internet] 2019 Jul/Set [acesso em 2020 Jul 14];7(3): 366-377. Disponível em: http://seer.uftm.edu.br/revistaeletronica/index.php/refacs/article/view/3759/pdf doi: 10.18554/refacs.v7i3.3759

21. Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas e Estratégicas. Proteger e cuidar da saúde de adolescentes na atenção básica [recurso eletrônico]. Brasília: Ministério da Saúde; 2017. 234 p. Available from: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/proteger_cuidar_adolescentes_atencao_basica.pdf

22. Acosta DF, Gomes VLO, Fonseca AD, Gomes GC. Violence against women commited by intimate partners: (in)visibility of the problem. Texto contexto-enferm [internet] 2015 Jan/Mar [acesso em 2020 Jul 14];24(1): 121–7. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-07072015000100121 doi: 10.1590/0104- 07072015001770013.

23. Spaniol C, Spaniol MM, Arruda SN. Gravidez na adolescência e educação sexual: percepções de alunas do ensino médio de um município da Serra Catarinense. Cad. Pós-Grad. Distúrb. Desenvolv [online] 2019 Jul/Dez [acesso em 2020 Jul 14];19(2): 61-83. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_abstract&pid=S1519-03072019000200005 doi: 10.5935/cadernosdisturbios.v19n2p61-83.

24. Pereira AKAM, Rodrigues MP, Silva, GSN, Vieira-Meyer APGF, Alves RS. Concepções e práticas de profissionais de nível superior em educação em saúde na estratégia saúde da família. Trab. educ. saúde [online] 2015 [acesso em 2020 Jul 14];13(Supl. 2), 131-152. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1981-77462015000500131&lng=pt&nrm=iso doi: 10.1590/1981-7746-sip00085.

25. Silva SEM, Moreira MCN. Equipe de saúde: negociações e limites da autonomia, pertencimento e reconhecimento do outro. Ciênc. saúde coletiva [Internet] 2015 [acesso 2020 Mar 3];20(10): 3033-42. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/csc/v20n10/1413-8123-csc-20-10-3033.pdf doi: 10.1590/1413-812320152010.20622014.

26. Nery IS, Gomes KRO, Barros IC, Gomes IS, Fernandes ACN, Viana LMM. Fatores associados à reincidência de gravidez após gestação na adolescência no Piauí, Brasil. Epidemiol. Serv. Saúde [Internet] 2015 [acesso 2020 Mar 3];24(4): 671-80. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/ress/v24n4/2237-9622-ress-24-04-00671.pdf doi: 10.5123/S1679-49742015000400009.

27. Santos RB, Barreto RM, Bezerra ACL, Vasconcelos MIO. Processo de readequação de um planejamento familiar: construção de autonomia feminina em uma unidade básica de saúde no Ceará. RECIIS [Internet] 2016 [acesso 2020 Mar 3];10(3): 1-10. Disponível em: https://www.reciis.icict.fiocruz.br/index.php/reciis/article/view/1074 doi: 10.29397/reciis.v10i3.1074.

28. Baquião APSS, Carvalho SM, Peres RS, Mármora CHC, Silva WMD, Grincenkov FRS. Percepções de residentes multiprofissionais de saúde sobre a Interdisciplinaridade. Saúde e Pesqui. [Internet] 2019 Jan/Abr [acesso 2020 Jul 13];12(1): 187-196. Disponível em: https://periodicos.unicesumar.edu.br/index.php/saudpesq/article/view/6919/3391 doi: 10.17765/2176-9206.2019v12n1p187-196.

29. Ministério da Saúde (BR). Gabinete do Ministro. Portaria nº 2.436, de 21 de setembro de 2017. Aprova a Política Nacional de Atenção Básica, estabelecendo a revisão de diretrizes para a organização da Atenção Básica, no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). Diário Oficial da União. Brasília, DF, 2017. 68 p. Available from: http://www.in.gov.br/materia/-/asset_publisher/Kujrw0TZC2Mb/content/id/19308123/do1-2017-09-22-portaria-n-2-436-de-21-de-setembro-de-2017-19308031

30. Rocha ACF, Holanda SM, Lima ACS, Aquino PS. Atividades de enfermagem no planejamento familiar: projeto de extensão universitária. Extensão em Ação [Internet] 2016 Jan [acesso 2020 Jul 13];1(13): 69-82. Disponível em: http://www.periodicos.ufc.br/extensaoemacao/article/view/19709 doi: 10.32356/exta.v1.n13.19709.

31 Ferreira JB, Souza LV, Bertagnoli MSFF. Facilitação de diálogos com profissionais na atenção primária em saúde. Rev. SPAGESP [Internet] 2019 Jan [acesso 2020 Jul 26];20(1): 82-98. Available from: http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1677-29702019000100007

Publicado
2021-01-19
Seção
Artigos Originas - Promoção da Saúde