SATISFAÇÃO DE PUÉRPERAS APÓS INTERVENÇÃO FISIOTERAPÊUTICA EM EDUCAÇÃO EM SAÚDE

Jordana Barbosa da Silva, Gabrielle Esther Doi, Laysse Candido da Silva, Maria Izabel Feltrin, Talita Gianello Gnoato Zotz, Raciele Ivandra Guarda Korelo, Rubneide Barreto Silva Gallo

Resumo


O objetivo deste estudo foi avaliar a satisfação de puérperas após intervenção fisioterapêutica em educação em saúde. Estudo transversal e observacional que contou com a participação de 63 puérperas internadas em alojamento conjunto de uma maternidade. Foram realizadas atividades de educação em saúde abordando modificações e adaptações do puerpério, utilizando materiais de apoio de baixo custo, linguagem simples e exercícios preventivos. As mulheres também receberam uma cartilha educativa elaborada pelos pesquisadores. Posteriormente, foi realizada a avaliação da satisfação da puérpera em relação ao atendimento fisioterapêutico. A maioria das puérperas apresentou-se muito satisfeitas (55,5%) e satisfeitas (44,4%) com o atendimento. O esclarecimento de dúvidas foi melhor que esperado (39,6%) e como esperado (47,6%). A maioria das participantes sanou dúvidas (93,6%), afirmou que participaria novamente da atividade e recomendaria a assistência para outras mulheres (93,6%). Estratégias fisioterapêuticas de educação em saúde são satisfatórias para mulheres do puerpério imediato.

Palavras-chave


Educação em Saúde; Fisioterapia; Maternidade; Puerpério.

Texto completo:

PDF

Referências


Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde. Departamento de Gestão e da Regulação do Trabalho em Saúde. Câmara de Regulação do Trabalho em Saúde. Brasília, 2006.

Alves, VS. Um modelo de educação em saúde para o Programa Saúde da Família: pela integralidade da atenção e reorientação do modelo assistencial. Interface. 2005; 9 (16): 39-52.

Santos ACC, Ferreira EJ, Santos L dos, Souza OSQ. Relato de experiência no contexto da educação em saúde o cuidado maternoinfantil. J Nurs UFPE. 2015; 9: 8474-8.

Vieira F, Bachion MM, Salge AKM, Munari DB. Diagnósticos de enfermagem na Nanda no período pós-parto imediato e tardio. Esc Anna Nery. 2010; 14 (1): 83-9.

Silva LA, Nakano AMS, Gomes FA, Stefanello J. Significados atribuídos por puérperas adolescentes à maternidade: autocuidado e cuidado com o bebê. Texto & contexto enferm. 2009 jan-mar; 18 (1): 48-56.

Cabral FB, Oliveira DLLC. Vulnerabilidade de puérperas na visão de Equipes de Saúde da Família: ênfase em aspectos geracionais e adolescência. Rev Esc Enferm USP. 2010; 44 (2): 368-75.

Brasil. Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Ações Programáticas Estratégicas, Área Técnica de Saúde da Mulher. Pré-natal e Puerpério: atenção qualificada e humanizada - manual técnico. Brasília, 2006.

Souza ABQ, Fernandes BM. Diretriz para assistência de enfermagem: ferramenta eficaz para a promoção da saúde no puerpério. Rev Rene. 2014; 15 (4): 594-604.

Andrade RD, Santos JS, Maia MAC, Mello DF. Fatores relacionados à saúde da mulher no puerpério e repercussões na saúde da criança. Esc Anna Nery 2015; 19 (1): 181-186.

Santos ACC, Ferreira EJ, Santos L dos, Souza OSQ. Relato de experiência no contexto da educação em saúde o cuidado maternoinfantil. J Nurs UFPE. 2015; 9: 8474-8.

Brasil. Ministério da Educação. Resolução CNE/CES 3/2014. Diário Oficial da União, Brasília, 23 de junho de 2014 - Seção 1 - p. 8-11. Brasília, 2014.

Panúncio-Pinto MP, Rodrigues MLV, Fiorati RC. Novos cenários de ensino: a comunidade e o território como espaços privilegiados de formação de profissionais da saúde. Medicina (Ribeirão Preto). 2015; 48 (3): 257-64.

Nankwanga A, Phillips J. Factors influencing utilisation of postnatal services in Kampala, Uganda. Journal of Community and Health Sciences. 2008; 3 (01): 19- 27.

Neuwald MF, Alvarenga LF. Fisioterapia e educação em saúde: investigando um serviço ambulatorial do SUS. Boletim Saúde. 2005; 19: 73-82.

Odunaiya NA, Ilesanmi T, Fawole AO, Oguntibeju OO. Attitude and practices of obstetricians and gynecologists towards involvement of physiotherapists in management of obstetric and gynecologic conditions. Int J Womens Health. 2013; 3 (5): 109-114.

Oliveira JB, Quirino GS, Rodrigues DP. Percepção das puérperas quanto aos cuidados prestados pela equipe de saúde no puerpério. Rev Rene. 2012; 13 (1): 74-84.

Dodou HD, Oliveira TDA, Oriá MOB, Rodrigues DP, Pinheiro PNC, Luna IT. Educational practices of nursing in the puerperium: social representations of puerperal mothers. Rev Bras Enferm. 2017; 70 (6): 1250-8.

Correa MSM, Feliciano KVO, Pedrosa EN, Souza AI. Acolhimento no cuidado à saúde da mulher no puerpério. Cad Saude Publica. 2017; 33 (3).

Correa MS, Feliciano KV, Pedrosa EN, Souza AI. Women’s perception concerning health care in the post-partum period: a meta-synthesis. Open J Obstet Gynecol 2014; 4: 416-26.

Fornell, C. et al. The American customer satisfaction index: nature, purpose, and findings. Journal of Marketing. 1996; 60 (4): 07-18.

Guerreiro EM, Rodrigues DP, Azevedo AB, Ferreira, MA. Educação em saúde no ciclo gravídico-puerperal: sentidos atribuídos por puérperas. Rev. bras. enferm. 2014: 67 (1); 13-21.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Saúde da Criança: Nutrição Infantil, aleitamento materno e alimentação complementar. Caderno de Atenção Básica. Brasília, 2009.

Santos RV, Penna CMM. A educação em saúde como estratégia para o cuidado à gestante, puérpera e ao recém-nascido. Texto contexto - enferm. 2009; 18 (4): 652-660.

Sword W, Watt S. Learning needs of postpartum women: Does socioeconomic status matter? Birth. 2005: 32, 86-92.

Lopes GVDO, Menezes IMO, Miranda AC, Araujo KL, Guimarães ELP. Acolhimento: quando o usuário bate à porta. Rev Bras Enferm 2014; 67: 104-10.

Baldoino AS, Veras RM. Análise das atividades de integração ensino-serviço desenvolvidas nos cursos de saúde da Universidade Federal da Bahia. Ver Esc Enferm USP. 2016; 50: 17-24.

Silva TS, Melo RO, Sodré MP, Moreira RCR, Souza ZCSN. A extensão universitária e a prevenção da violência obstétrica. Rev. Ciênc. Ext. 2017; 13 (1): 176-189.




DOI: http://dx.doi.org/10.17765/2176-9206.2019v12n1p141-150

Saúde e Pesquisa
Unicesumar, Maringá (PR), Brasil
ISSN 2176-9206 On-line
Contato: naep@unicesumar.edu.br

ISSN 1983-1870 Versão impressa interrompido em 2019

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.