Exportações de milho do Brasil: o papel da taxa de câmbio

Palavras-chave: Preço, Quantidade exportada, Vetores autorregressivos

Resumo

Compreender o papel da taxa de câmbio na determinação dos preços e da quantidade exportada do milho brasileiro é o objetivo deste trabalho. O estudo justifica-se pela grande importância socioeconômica da cultura do milho para o país em análise, hoje, principalmente através de rações e processamento industrial. O modelo econométrico de vetores autorregressivos (VAR) de séries temporais e testes de causalidade de Granger são aplicados a dados observacionais mensais, no período que vai de janeiro de 2009 a dezembro de 2019, procedendo a uma investigação da relação entre a taxa de câmbio, o preço recebido pelos produtores no Brasil e a quantidade exportada de milho. Os resultados das análises demonstraram que a Taxa de Câmbio afeta positivamente o Preço e a Quantidade Exportada, tornando as exportações do milho brasileiro mais competitivas no mercado externo, no entanto, apresenta baixo poder de explicação das variáveis com percentuais correspondentes a 7,20% e 2,13%, respectivamente, porque seus maiores determinantes são aspectos inerentes ao mercado do milho.

Biografia do Autor

Maria Cecilia Furtunato de Lima Florêncio, Universidade Federal Rural de Pernambuco - UFRPE
Graduada em Ciências Econômicas pela Universidade Federal Rural de Pernambuco (UFRPE). Mestra pelo Programa de Pós-graduação em Administração e Desenvolvimento Rural (PADR/UFRPE). Doutoranda pelo Programa de Pós-graduação em Desenvolvimento Econômico da Universidade Federal do Paraná (PPGDE/UFPR), Curitiba (PR), Brasil.
André de Souza Melo , Universidade Federal Rural de Pernambuco - UFRPE
Doutor em Economia pela Universidade Federal de Pernambuco (UFPE). Professor Associado do Departamento de Economia da Universidade Federal Rural de Pernambuco (UFRPE) e docente do Programa de Pós Graduação em Administração e Desenvolvimento Rural (PADR/UFRPE). Recife (PE), Brasil.

Referências

ABIMILHO - ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DAS INDÚSTRIAS DO MILHO. Estatísticas. 2018. Disponível em: http://www.abimilho.com.br/estatisticas. Acesso em: jan. 2020.

ALI, S. Exchange Rate Effects on Agricultural Exports: Transaction‐Level Evidence from Pakistan. Am. J. Agric. Econ., Cary, NC, v. 102, n. 3, p. 1020-1044, may 2020. DOI: http://dx.doi.org/10.1002/ajae.12027

ANDRADE, M. E.; VIEIRA, F. V. O Papel da Taxa de Câmbio, da Renda dos Parceiros Comerciais e do Preço Internacional das Commodities nas Exportações dos Estados do Nordeste (1999 a 2012). Rev. Econ. NE, Fortaleza, Brasil, v. 49, n. 4, p. 183-202, out./dez., 2018.

BAUMGÄRTNER, M.; KLOSE, J. Forecasting exchange rates with commodity prices - a global country analysis. World Economy, Oxford, England, v. 42, n. 9, p. 2546-2565, 2019. DOI: http://dx.doi.org/10.1111/twec.12802

BOUBAKRI, S.; GUILLAUMIN, C.; SILANINE, A. Non-linear relationship between real commodity price volatility and real effective exchange rate: The case of commodity-exporting countries. J. macroecon, Detroit, Mich., US, v. 60, p. 212-228, 2019. DOI: http://dx.doi.org/10.1016/j.jmacro.2019.02.004

CALDARELLI, C. E.; BACCHI, M. R. P. Fatores de influência no preço do milho no Brasil. Nova Econ, Belo Horizonte, v. 22, n. 1, 2012.

CEPEA - CENTRO DE ESTUDOS AVANÇADOS EM ECONOMIA APLICADA. Indicador do milho ESALQ/BM&FBOVESPA. 2019. Disponível em: https://www.cepea.esalq.usp.br/br/indicador/milho.aspx. Acesso em: jan. 2020.

CHEBBI, H. E.; OLARREAGA, M. Investigating exchange rate shocks on agricultural trade balance: the case of Tunisia. J Int Trade Econ Dev, v. 28, n. 5, p. 628-647. DOI: http://dx.doi.org/10.1080/09638199.2019.1572774

COMEX STAT. Base de dados estatísticos de comércio exterior do Brasil. 2019. Disponível em: http://www.mdic.gov.br/index.php/comercio-exterior/estatisticas-de-comercio-exterior/series-historicas. Acesso em: jan. 2020.

CONAB - COMPANHIA NACIONAL DE ABASTECIMENTO. Observatório Agrícola. Acompanhamento da safra de grãos. 2020. Disponível em: https://www.conab.gov.br/info-agro/safras/graos/boletim-da-safra-de-graos. Acesso em: jan. 2020.

COSTA, J. M.; LIMA GUEDES, M. J.; MELO, A. DE S. Um estudo das relações entre taxa de câmbio, quantidade exportada de castanha de caju e preço recebido pelos produtores no estado do Rio Grande do Norte. Contextus - Revista Contemporânea de Economia e Gestão, v. 15, n. 2, p. 120-137, 2017. DOI: https://doi.org/10.19094/contextus.v15i2.937

ENDERS, W. Applied econometric time series. 2. ed. New York: John Wiley & Sons, 1995.

GUJARATI, D. N.; PORTER, D. C. Econometria básica. 5. ed. Porto Alegre: Bookman, 2011.

GRANGER, C. W. J. Investigating causal relations by econometric models and crossspectral methods. Econometrica, v. 37, n. 3, p. 424-438, 1969. Disponível em: https://www.jstor.org/stable/1912791. Acesso em: jan. 2020.

IPEADATA - INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA. Taxa de câmbio: conjuntura mensal. 2019. Disponível em: http://www.ipeadata.gov.br/ExibeSerie.aspx?serid=32098&module=M. Acesso em: jan. 2020.

IWAISAKO, T.; NAKATA, H. Impact of exchange rate shocks on Japanese exports: Quantitative assessment using a structural VAR model. J. jpn. int. econ., Duluth, Minn., US, v. 46, p. 1-16. DOI: http://dx.doi.org/10.1016 / j.jjie.2017.07.001

MAPA - MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO. Comércio Internacional. 2019. Disponível em: https://www.gov.br/agricultura/pt-br/assuntos/noticias/vendas-externas-do-agronegocio-somam-us-96-8-bilhoes-em-2019. Acesso em: jan. 2020.

MARIUZZO, P. Por uma cultura brasileira do milho. Cienc. Cult. São Paulo, v. 71, n. 1, jan./mar. 2019. Disponível em: http://www.repositorio.unicamp.br/handle/REPOSIP/280958. Acesso em: jan. 2020.

MORAES, B. M. M.; BENDER FILHO, R.; CORONEL, D. A. A influência da taxa de câmbio nas exportações brasileiras de carne bovina in natura. Perspectivas Contemporâneas - Revista Eletrônica de Ciências Sociais Aplicadas. v. 11, n. 3, 2016. Disponível em: http://revista2.grupointegrado.br/revista/index.php/perspectivascontemporaneas/article/view/2035. Acesso em: jan. 2020.

PIMENTA JÚNIOR, T.; SCHERMA, F. R. Um estudo da influência entre o dólar e o Ibovespa no período 1999-2003. GESTÃO.Org - Revista Eletrônica de Gestão Organizacional, v. 3, n. 1, p. 18-25, 2005. Disponível em: https://periodicos.ufpe.br/revistas/gestaoorg/article/view/21567. Acesso em: jan. 2020.

ROSA, P. M.; SILVA, M. G.; FLORES, F. D.; FROZZA, M. S. Comércio internacional brasileiro: uma relação entre preços externos, exportações de commodities e taxa de câmbio real. Discip. Sci. Ser. Cienc. Soc. Apl., Santa Maria, v. 12, p. 21-38, 2016. DOI: http://dx.doi.org/10.37778/sa.v12i1.2126

SCHUH, G. E. The exchange rate and U.S. agriculture. Am. J. Agric. Econ., v. 56, p. 1-14, 1984.

SIMS, C. A. Macroeconomics and reality. Econometrica, v. 48, n. 1, p. 1-48, 1980. Disponível em: https://www.jstor.org/stable/1912017?seq=1. Acesso em: jan. 2020.

SUGIHARTI, L.; ESQUIVIAS, M. A.; SETYORANI, B. The impact of exchange rate volatility on Indonesia’s top exports to the five main export markets. Heliyon, Indonesia, v. 6, n. 1, 2020. DOI: http://dx.doi.org/10.1016/j.heliyon.2019.e03141

USDA - UNITED STATES DEPARTMENT OF AGRICULTURE - Foreign Agricultural Service (FAS). Grãos: Mercados e Comércio Mundial. 2019. Disponível em: https://www.fas.usda.gov/commodities/corn. Acesso em: jan. 2020.

Publicado
2022-03-31