<b> Caso Raro da Presença de Três Canais em um Segundo Pré-Molar Superior: Diagnóstico e Tratamento

  • Valquíria Quinelato Universidade Federal Fluminense
  • Luíza Helena Medeiros Lima
  • Letícia Ladeira Bonato Universidade Federal Fluminense
  • Priscila Ladeira Casado Instituto Nacional de Traumatologia e Ortopedia
Palavras-chave: Segundo Pré-Molar Superior, Anatomia do Canal Radicular, Canal Radicular Extra

Resumo

A possibilidade da existência de três canais no segundo pré-molar superior é considerada mínima; contudo, esta possibilidade deve ser levada em consideração durante as avaliações clínicas e radiográficas do tratamento endodôntico. Este relato de caso descreve uma morfologia incomum, com a presença de três canais e duas raízes separadas em um segundo pré-molar superior em paciente brasileiro. Um paciente do sexo masculino, 32 anos de idade, foi encaminhado à nossa clínica, com queixa de sensibilidade à dor e frio durante à noite no segundo pré-molar superior direito. O exame clínico revelou extensas cáries na região distal. Percussão e testes ao frio foram positivos. O exame radiográfico mostrou a presença de duas raízes. O diagnóstico foi de uma pulpite irreversível. A inspeção das raízes, revelou a existência de um terceiro canal vestíbulo-palatal. O tratamento endodôntico foi concluído em uma única sessão utilizando-se a técnica de instrumentação manual e irrigação com hipoclorito de sódio. Os canais foram obturados com guta-percha termo plastificada e selados com óxido de zinco e eugenol pela técnica da condensação lateral. A presença de raízes extras como uma possível característica em segundos pré-molares superiores deve ser considerada durante o tratamento endodôntico. A instrumentação apresentada neste relato de caso, bem como o método diagnóstico utilizados foram eficazes no tratamento de um pré-molar com três canais.

Biografia do Autor

Valquíria Quinelato, Universidade Federal Fluminense
Doutorado em Odontologia em andamento pela Universidade Federal Fluminense – UFF, Niterói, RJ, Brasil; Pesquisadora do setor de pesquisa clínica do Instituto Nacional de Traumatologia e Ortopedia, Rio de Janeiro, Brasil.
Luíza Helena Medeiros Lima
Ortodontista e curso de aperfeiçoamento em Endodontia - Centro Universitário de Volta Redonda - UNIFOA, Volta Redonda, RJ, Brasil.
Letícia Ladeira Bonato, Universidade Federal Fluminense
Doutorado em Odontologia em andamento pela Universidade Federal Fluminense – UFF, Niterói, RJ, Brasil; Especialização em andamento em Desordem Temporomandibular e Dor Orofacial - ABO/Petrópolis, RJ, Brasil
Priscila Ladeira Casado, Instituto Nacional de Traumatologia e Ortopedia
Pós-doutoranda/PhD em Morfologia pela Universidade Federal Fluminense, UFF, Niterói, RJ, Brasil.; Pesquisadora do Instituto Nacional de Traumatologia e Ortopedia, Rio de Janeiro, RJ, Brasil
Publicado
2014-07-15
Seção
Relato de Casos