MOTIVAÇÃO, BEM-ESTAR E AUTOESTIMA DE PRATICANTES DE DIFERENTES MODALIDADES DE EXERCÍCIO FÍSICO

  • Thays da Cruz Silva UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO Francisco
  • Gabriel Lucas Morais Freire UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO Francisco
  • Olga Santana Guimarães Morais UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO
  • Jose Roberto de Andrade do Nascimento Junior UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO
Palavras-chave: Motivação, Bem-estar, Autoestima, Exercício.

Resumo

Este estudo transversal investigou a motivação, o bem-estar e a autoestima entre 31 praticantes (24 mulheres e 7 homens) com média de idade de 30,41 anos (± 7,85) de três modalidades de exercício (treinamento funcional (n=10), musculação com (n=11) e sem (n=10) personal trainer) de academias das cidades de Petrolina (PE) e Juazeiro (BA). Foram utilizados a Escala de Bem-Estar Subjetivo, a Escala de Autoestima de Rosenberg e o Questionário de Regulação de Conduta no Exercício 2. Os resultados evidenciaram que os praticantes de treinamento funcional apresentaram maior afeto positivo e menor escore de regulação identificada (r=-0,34) do que os praticantes de musculação com e sem personal. Verificaram-se as seguintes correlações significativas: afeto positivo com regulação identificada (r = -0,34), regulação introjetada (r = -0,31) e regulação externa (r = -0,30); e satisfação com a vida com regulação identificada (r = -0,28). Pode-se concluir que o tipo de exercício pode ser considerado um fator interveniente no afeto positivo e na identificação do indivíduo com o exercício, e que o afeto positivo está inversamente associado às regulações da motivação.

Biografia do Autor

Thays da Cruz Silva, UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO Francisco
Graduada em Psicologia pelo Centro Universitário Dr. Leão Sampaio (2017), pelo PROUNI. Mestranda em Psicologia pela Universidade Federal Vale do São Francisco (UNIVASF). Interesse de pesquisa em Análise do Comportamento- Comportamento social e problemáticas sociais.
Gabriel Lucas Morais Freire, UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO Francisco
Mestrando em Educação Física pela Universidade Federal do Vale do São Francisco (UNIVASF) (2019-atual) . Especializando em Treinamento Esportivo pela Escola Superior de Educação Física (UPE/ESEF) (2018-atual). Graduado em Educação Física pela Faculdade Guararapes (FG).Tem experiência na área de Educação Física, com ênfase em treinador. Membro dos grupos de pesquisa: Psicologia Aplicada ao Esporte e Exercício (GEPAEE), Grupo de Estudos em Psicologia do Esporte e do Exercício (GEPEEX). É treinador habilitado pela Confederação Brasileira de Atletismo (CBAt), Federação Internacional de Atletismo (IAAF), Comitê Paralímpico Brasileiro (CPB), certificado com o Nível II. Atuando principalmente nos seguintes temas: treinamento de alto rendimento, esporte paralímpico e psicologia do esporte.
Olga Santana Guimarães Morais, UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO
Graduada em Psicologia pela Universidade Estadual do Piauí (UESPI). Mestranda pelo Programa de Pós-Graduação em Psicologia da Universidade Federal do Vale do São Francisco (Univasf). Foi membro da Liga de Análise do Comportamento e Cultura (LICAC) e do Projeto de extensão de Habilidades Terapêuticas em Análise do Comportamento pela UESPI. Possui 4 anos de formação em curso de inglês pela escola de inglês Wizard e nível intermediário elevado (B2) pelo TOEFL ITP. Tem experiência em informática básica e digitação. Apresenta domínio básico da língua espanhola.
Jose Roberto de Andrade do Nascimento Junior, UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO
possui Graduação em Educação Física pela Universidade Estadual de Maringá (2009), Especialização em Treinamento Desportivo pelo Centro Universitário de Maringá (2010), Mestrado (2010-2011) e Doutorado (2012-2015) em Educação Física pelo Programa de Pós-Graduação Associado UEM/UEL. Realizou Doutorado Sanduíche como pesquisador visitante em Estudos do Esporte, na linha de Psicologia do Esporte, na University of Stirling/Scotland-UK (2014). Atualmente é Professor Adjunto A da Universidade Federal do Vale do São Francisco (Univasf) em regime de dedicação exclusiva, ministrando as disciplinas de Psicologia do Esporte, Psicologia da Educação e Psicologia das Relações Humanas. Docente Permanente do Programa de Pós-Graduação (Mestrado) em Educação Física e do Programa de Pós-Graduação em Psicologia (Mestrado) da Univasf. Vice-coordenador do Programa de Pós-Graduação (Mestrado) em Educação Física da Univasf. Coordenador do Curso de Licenciatura em Educação Física na modalidade à distância da Univasf. É revisor dos seguintes periódicos: Perceptual and Motor Skills, Motriz: Revista de Educação Física, Revista Brasileira de Educação Física e Esporte, Revista Brasileira de Ciências do Esporte, Revista Brasileira de Cineantropometria e Desempenho Humano, Revista da Educação Física/UEM, Estudos em Psicologia (Natal) e Psicologia: Ciência e Profissão. Publicou mias de 100 artigos completos em periódicos nacionais e internacionais e 3 capítulos de livro. Líder do Grupo de Estudos em Psicologia do Esporte e do Exercício (GEPEEX) CNPQ/UNIVASF. Membro do Grupo de Estudos de Psicologia do Esporte e Desempenho Humano CNPq/UEM e do Grupo de Estudo e Pesquisa em Genética e Exercício (GEPEGENE) CNPQ/UNIVASF. Atua na área de Educação Física. Em seu currículo Lattes os termos mais freqüentes na contextualização da produção científica, tecnológica e artístico-cultural são: Psicologia do Esporte e do Exercício, Psicometria, Envelhecimento, Exercício físico e Esporte.

Referências

Agostini CM, Rodrigues VS, Guimarães AC, Damázio LCM, Vasconcelos NN. Análise do desempenho motor e do equilíbrio corporal de idosos ativos com hipertensão arterial e diabetes tipo 2. Rev Aten Saú (antiga Rev Bras Ciên Saúde). 2018;16(55):29-35.

Chung P-K, Zhao Y, Liu J-D, Quach B. A canonical correlation analysis on the relationship between functional fitness and health-related quality of life in older adults. Arch Gerontol Geriatr. 2017;68:44-8.

Siqueira AF, Rebesco DB, Amaral FA, Maganhini CB, Agnol SMD, Furmann M, et al. Efeito de um programa de fisioterapia aquática no equilíbrio e capacidade funcional de idosos. Sau Pesqu. 2017;10(2):331-8.

Demográfico C. Características gerais da população, religião e pessoas com deficiência. Rio de Janeiro: Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. 2010.

Organization WH. Global Action Plan Phy Act 2018–2030: more active people for a healthier world. 2018.

Júnior FFG, Brandão AB, de Almeida FJM, de Oliveira JGD. Compreensão de Idosos sobre os Benefícios da Atividade Física. Rev Bra Ciên Saúde. 2016;19(3):193-8.

Silva RS, Silva Id, Silva RAd, Souza L, Tomasi E. Atividade física e qualidade de vida. Ciên Saúde Col. 2010;15:115-20.

Ryan RM, Deci EL. Self-determination theory: Basic psychological needs in motivation, development, and wellness: Guilford Publications; 2017.

Deci EL, Ryan RM. Motivation, personality, and development within embedded social contexts: An overview of self-determination theory. Oxfo Hand Hum Moti. 2012:85-107.

Fernandes HM, Vasconcelos-Raposo J, Pereira E, Ramalho J, Oliveira S. A influência da actividade física na saúde mental positiva de idosos. Motriz. 2009;5(1):33-50.

Bavoso D, Galeote L, Montiel JM, Cecato JF. Motivação e autoestima relacionada à prática de atividade física em adultos e idosos. Revi Bra Psi Espor. 2018;7(2)1-8.

Rosário M, Alves S, Cid L, Moutão J. Motivação intrínseca para a prática de atividade física e bem-estar psicológico em indivíduos idosos. Ativ Fís Pop Esp: população idosa, populações com condições clinicas. 2015;2:95-110.

Fisher J, Sales A, Carlson L, Steele J. A comparison of the motivational factors between CrossFit participants and other resistance exercise modalities: a pilot study. J Spor Med Phys Fit. 2016;9:1227-34.

Marin DP, Polito LFT, Foschini D, Urtado CB, Otton R. Motives, Motivation and Exercise Behavioral Regulations in CrossFit and Resistance Training Participants. Psych. 2018;9:2869-84.

Diener E. Subjective well-being: The science of happiness and a proposal for a national index. Ame Psych. 2000;55(1):34-44.

Fernandes HM, Vasconcelos-Raposo J, Pereira E, Ramalho J, Oliveira S. A influência da actividade física na saúde mental positiva de idosos. Motri. 2009;5(1):33-50.

Mellalieu S, Hanton S. Contemporary advances in sport psychology: A review: Rout; 2015.

Smith GL, Banting L, Eime R, O’Sullivan G, van Uffelen JG. The association between social support and physical activity in older adults: a systematic review. Inte J Beh Nutri Phy Acti. 2017;14(1):56-70.

de Alencar GP, de Oliveira Marin JL, Medeiros LE. Perfil de praticantes de treinamento funcional de Campo Grande/MS Functional training practitioners’s profile of Campo Grande/MS. Revi Bra Fisi Exe. 2018;17(2):80-5.

de Liz CM, Andrade A. Análise qualitativa dos motivos de adesão e desistência da musculação em academias. Revi Bra Ciê Esp. 2016;38(3):267-74.

Angleri V, Ugrinowitsch C, Libardi CA. Crescent pyramid and drop-set systems do not promote greater strength gains, muscle hypertrophy, and changes on muscle architecture compared with traditional resistance training in well-trained men. Eur J Appl Physiol. 2017;117(2):359-69.

Medicine ACoS. American College of Sports Medicine position stand. Progression models in resistance training for healthy adults. Medi Scie Sports Exerc. 2009;41(3):687.

Bossle CB. “ Personal trainer & Cia”: noções de marketing na literatura sobre treinamento personalizado. 2009.

Thompson WR. Worldwide survey of fitness trends for 2018: the CREP edition. ACSM’s Health Fit J. 2017;21(6):10-9.

Lawrence RH, Liang J. Structural integration of the Affect Balance Scale and the Life Satisfaction Index A: Race, sex, and age differences. Psychol Aging. 1988;3(4):375-385.

Albuquerque AS, Tróccoli BT. Desenvolvimento de uma escala de bem-estar subjetivo. Psic: Teori Pes. 2004;20(2):153-64.

Hutz C. Adaptação brasileira da escala de auto-estima de Rosenberg. Manuscrito não-publicado, Curso de Pós-Graduação em Psicologia do Desenvolvimento, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, RS. 2000.

Markland D, Tobin V. A modification to the behavioural regulation in exercise questionnaire to include an assessment of amotivation. J Spor Exer Psycho. 2004;26(2):191-6.

Almeida LM, Pereira HP, Fernandes HM. Efeitos de diferentes tipos de prática desportiva no bem-estar psicológico de jovens estudantes do ensino profissional. Rev Ibero Psi Eje Depo. 2018;13(1):15-21.

Westcott WL. Resistance training is medicine: effects of strength training on health. Curr Sport Med Rep. 2012;11(4):209-16.

Caudwell KM, Keatley DA. The effect of men’s body attitudes and motivation for gym attendance. J Strength Cond Res. 2016;30(9):2550.

Silva LXNd. Revisão de literatura acerca do treinamento funcional resistido e seus aspectos motivacionais em alunos de personal training. [monografia] Universidade Federal do Rio Grande do Sul. 2011.63 p.

Teixeira PJ, Carraça EV, Markland D, Silva MN, Ryan RM. Exercise, physical activity, and self-determination theory: a systematic review. Int J Behav Nutri Phys Act. 2012;9(1):78-90.

Saba F. Aderência: Editora Manole Ltda; 2001.

Balbinotti MAA, Barbosa MLL, Balbinotti CAA, Saldanha RP. Motivação à prática regular de atividade física: um estudo exploratório. Est Psi. 2011;16(1):99-106.

Silva MN, Markland D, Carraça EV, Vieira PN, Coutinho SR, Minderico CS, et al. Exercise autonomous motivation predicts 3-yr weight loss in women. Med Sci Sports Exerc. 2011;43(4):728-37.

Publicado
2019-08-23
Seção
Artigos Originas - Promoção da Saúde