Qualidade de vida de surdos usuários de Libras no Sul do Brasil

Palavras-chave: Linguagem de sinais, Promoção da saúde, Qualidade de vida, Surdez

Resumo

O objetivo deste estudo foi investigar a qualidade de vida (QV) de surdos usuários da Língua Brasileira de Sinais que vivem no sul do Brasil, por meio do WHOQOL-Bref, e analisar os fatores que influenciam uma qualidade de vida mais favorável a esta parcela da população. Trata-se de um estudo transversal de natureza quantitativa, cuja coleta de dados se deu por meio da aplicação do questionário WHOQOL-Bref e de um questionário de caracterização da amostra. Participaram 60 surdos usuários de Libras moradores da região Sul do Brasil. Utilizou-se análise estatística por meio de métodos de estatística descritiva e métodos inferenciais considerando-se o nível de significância de 0,05 (5%). Os resultados apontaram que a média do escore total do WHOOQL-Bref foi de 43,3%. O domínio com maior escore foi o de relações sociais (64,31%) e o de menor escore o meio ambiente (54,77%). Os participantes surdos com nível maior de escolaridade e que se percebem proficientes no uso da língua portuguesa tiveram melhores escores de qualidade de vida. O compromisso com a QV da população brasileira, incluindo, a parcela surda, foco deste trabalho, pressupõe a formulação e o cumprimento de políticas públicas que visem o desenvolvimento de ações afirmativas direcionadas a superar condições de desigualdade e exclusão dessas pessoas, a fim de auxiliá-las a eliminar as barreiras que impedem ou dificultam sua participação na sociedade.

Biografia do Autor

Israel Bispo dos Santos, IFPR/SEED PR
Mestre em Distúrbios da Comunicação pela Universidade Tuiuti do Paraná – UTP, Professor Pedagogo SEED e Intérprete de Libras IFPR Curitiba, Brasil.
Jair Mendes Marques
Doutor em Ciências Geodésicas, docente do Programa de Mestrado e Doutorado em Distúrbios da Comunicação da Universidade Tuiuti do Paraná - UTP, Brasil.
Ana Paula Berberian, Universidade Tuiuti do Paraná - UTP
Fonoaudióloga. Doutora em História pela PUC/SP. Professora do Programa de Mestrado e Doutorado em Distúrbios da Comunicação da Universidade Tuiuti do Paraná - UTP, Brasil.
Giselle Aparecida de Athayde Massi, Universidade Tuiuti do Paraná - UTP
Universidade Tuiuti do Paraná Fonoaudióloga e Doutora em Linguística, docente permanente do Programa de Pós-graduação em Distúrbios da Comunicação da Universidade Tuiuti do Paraná – UTP, Brasil.
Rita de Cássia Tonocchi, Universidade Tuiuti do Paraná - UTP
Doutora em Letras/Linguística, docente do Programa de Pós-Graduação em Distúrbios da Comunicação - Universidade Tuiuti do Paraná – UTP, Brasil.
Ana Cristina Guarinello, Universidade Tuiuti do Paraná - UTP
Doctor´s Degree in Linguistic Studies; Professor in the Postgraduate Program in Communication Disorders at the Universidade Tuiuti do Paraná (UTP), Brazil.

Referências

IBGE. Censo Demográfico: Características Gerais da População, Religião e Pessoas com Deficiência. Rio de Janeiro: Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão, 2015.

Brasil. Presidência da República. Lei Federal no 10.436, de 24 de abril de 2002. Dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais – Libras –. Brasília, DF: CC, 2002.

Chaveiro N, Duarte SBR, Freitas AR, Barbosa MA, Porto CC, Fleck MPA. Instrumentos em Língua Brasileira de Sinais para avaliação da qualidade de vida da população surda. Rev Saude Pub 2013; 47(3):616-23.

Chaveiro N, Duarte SBR, Freitas AR, Barbosa MA, Porto CC, Fleck MPA. Quality of life of deaf people who communicate in sign language: integrative review. Interface 2014; 18 (48), 101-14.

Ayantoye CA, Luckner JL. Successful students who are deaf or hard of hearing and culturally and/or linguistically diverse in inclusive settings. American Annals of the Deaf 2016; 160(5), 453-466.

McKee R, Manning V. Evaluating effects of language recognition on language rights and the vitality of New Zealand sign language. Sign Language Studies 2015; 15, 473–497. doi:10.1353/sls.2015.0017

Napier J, Leeson L. Sign language in action. New York, NY: Palgrave Macmillan, 2016.

Chaveiro N. Quality of life of the deaf people that communicate through sign languages: construction of the LIBRAS version of the WHOQOL-BREF and WHOQOL-DIS instruments. 252 f. Tese (Doutorado em Ciências da Saúde) - Universidade Federal de Goiás, Goiânia, 2016.

Brasil. Presidência da República. Secretaria Nacional de Promoção dos Direitos da Pessoa com Deficiência. Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República. Avanços das Políticas Públicas para as Pessoas com Deficiência: Uma Análise a partir das Conferências Nacionais. Brasília: Presidência da República; 2012.

Brasil. Ministério da Saúde. Portaria GM/MS nº 399, de 22 de fevereiro de 2006. Divulga o pacto pela saúde 2006 - consolidação do SUS e aprova as diretrizes operacionais do referido pacto. 2006. Diário Oficial [da] União. Brasília, DF. 22 fev. 2006. Disponível em: < http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/prtGM399_20060222.pdf>. Acesso em: 13 nov. 2018.

The WHOQOL Group. The World Health Organization quality of life assessment (WHOQOL): position paper from the World Health Organization. Social Science and Medicine 1995; 10, 1403-1409.

Garcia RR. Qualidade de vida da pessoa surda no ambiente familiar. 145 f. Dissertação (Mestrado em Ciências da Saúde) - Universidade Federal de Goiás, Goiânia, 2016.

Almeida P, et al. Avaliação da qualidade de vida em crianças usuárias de implante coclear. CoDAS 2015; 27(1), 29-36.

Arndt S, et. al. Cochlear implantation in children with single-sided deafness: Does etiology and duration of deafness matter? Audiol Neurootol 2015; 20(1), 21-30. Doi: 10.1159/000380744. Epub 2015 May 19.

Angelo TCS, et al. Qualidade de vida em adultos usuários de implante coclear. CoDAS 2016; 28(2), 106-112.

Himit T, Takano K. Excellence in Otolaryngology. 70 Years of the Department of Otolaryngology of the Sapporo Medical University. Adv Otorhinolaryngol 2016; 77, 1-6.

Razafimahefa-Raoelina, et. al. Auto et hétéroévaluation de la qualité de vie des enfants implantés cochléaires. Annales françaises d'Oto-rhino-laryngologie et de Pathologie Cervico-faciale 2016; 133(1), 29-33.

Talarico TR. Qualidade de vida de pacientes deficientes auditivos adultos pré e pós-linguais usuários de implante coclear [dissertação]. São Paulo (SP): Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo, 2013.

Willoughby L. Sign Language Users’ Education and Employment Levels: Keeping Pace with Changes in the General Australian population? J Deaf Stud Deaf Educ 2011; 16 (3): 401-413. DOI: https://doi.org/10.1093/deafed/enq067.

Perkins-Dock RE, Battle TR, Edgerton JM, McNeill JN. A survey of barriers to employment for individuals who are deaf. Published by WestCollections: digitalcommons@wcsu, 2015 Jadara, 49(2). Retrieved from http://repository.wcsu.edu/jadara/vol49/iss2/3(02/02/2017).

Fellinger J, Holzinger D, Pollard R. Mental health of deaf people. Lancet 2012; 379, 1037–1044. DOI:10.1016/S0140-6736(11)61143–4.

Zöller MET, Archer T. Emotional Disturbances Expressed by Deaf Patients: Affective Deaf Syndrome. Clin Exp Psychol 2015; 2, 109. DOI: 10.4172/2471-2701.100109

Hintermair M. Health-related quality of life and classroom participation of deaf and hard-of-hearing students in general schools. J Deaf Stud Deaf Educ 2011; 16 (2), 254–271.

Freire DB, Gigante LP, Béria JU, Palazzo LS, Figueiredo ACL, Raymann BCW. Acesso de pessoas deficientes auditivas a serviços de saúde em cidade do Sul do Brasil. Cad Saude Pub 2009; 25(4), 889-97.

Black PA, Glickman NS. Demographics, psychiatric diagnoses, and other characteristics of North American Deaf and hard-of-hearing inpatients. J Deaf Stud Deaf Educ 2006; 11, 303–321. DOI:10.1093/deafed/enj042.

Guarinello AC, MASSI G, Berberian AP, Tonocchi R, Valentin S. Speech language group therapy in the context of written language for deaf subjects in Southern Brazil. Deafness & Education International 2017, 1, 1-11.

Lustosa S, et al. Análise das práticas de letramento de ingressantes e concluintes de uma instituição de ensino superior: estudo de caso. Rev CEFAC 2016; 18(4):1008-1019.

Penteado RZ, Pereira IMTB. Qualidade de vida e saúde vocal de professores. RevSaúde Púb 2007; 41(2), 236-43.

Publicado
2020-06-12
Seção
Artigos Originas - Promoção da Saúde