DESENVOLVIMENTO COGNITIVO, LINGUÍSTICO E HISTÓRICO DE RISCO PSÍQUICO EM CRIANÇAS DE 2 ANOS

  • Maria Fernanda Almeida Silva Universidade Federal de Santa Maria, Departamento de Psicologia
  • Inaê Costa Rechia UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA
  • Sabrina Felin Nunes Universidade Federal de Santa Maria / Departamento de Fonoaudiologia
  • Ana Paula Ramos de Souza Universidade Federal de Santa Maria/Departamento de Fonoaudiologia e Psicologia
Palavras-chave: Desenvolvimento infantil, Cognição, Linguagem, Risco, Transtorno autístico.

Resumo

Analisar a concordância entre o roteiro “Indicadores de Referência ao Desenvolvimento Infantil” (IRDI) e o Modified Checklist for Autism in Toddlers (M-CHAT) na detecção de risco psíquico, bem como investigar a possível relação entre risco psíquico e alterações no desenvolvimento cognitivo e na aquisição da linguagem. Avaliaram-se 20 bebês entre um e 24 meses, em pesquisa de coorte, a partir dos instrumentos IRDI (dos 04 meses incompletos aos 18 meses), M-CHAT e Bayley III (18 e 24 meses). Houve correlação estatisticamente significante (p=0,004) entre alteração de linguagem no Bayley III e M-CHAT aos 18 meses. Observaram-se, ainda, crianças com risco psíquico (IRDI-18 meses) e baixo desempenho no teste Bayley III. Observou-se ausência de concordância entre IRDI e M-CHAT. Por outro lado, a análise entre risco no M-CHAT e alterações de linguagem na escala Bayley III evidenciaram as graves limitações linguísticas em casos de risco para autismo.

Biografia do Autor

Maria Fernanda Almeida Silva, Universidade Federal de Santa Maria, Departamento de Psicologia
Mestre em Psicologia pelo Programa de Pós-Graduação em Psicologia/UFSM
Inaê Costa Rechia, UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA
Pós-doutorado em Distúrbios da Comunicação Humana pela Universidade Federal de Santa Maria (UFSM) Departamento de fonoaudiologia.
Sabrina Felin Nunes, Universidade Federal de Santa Maria / Departamento de Fonoaudiologia
Doutoranda em Distúrbios da Comunicação Humana pelo Programa de Pós-Graduação em Distúrbios da Comunicação Humana/UFSM
Ana Paula Ramos de Souza, Universidade Federal de Santa Maria/Departamento de Fonoaudiologia e Psicologia
Pós-Doutorado em Letras pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Docente do Programa de Pós-Graduação em Psicologia pela Universidade Federal de Santa Maria (RS)

Referências

Laznik MC, Touati B. Distinção clínica e teórica entre autismo e psicose na infância. São Paulo: Instituto Langage; 2016.

Jerusalinsky A. Indicadores de risco: como a psicanálise pode proteger os bebês. In: Jerusalinsky A. (Org.) Dossiê autismo. São Paulo: Instituto Langage; 2015. p. 418-33.

Laznik MC, Pelabon C. Caso clínico de um bebê a risco de autismo: Leo e “la vraie vie”. In: Parlato-Oliveira E, Cohen D. (Org.). O bebê e o outro: seu entorno e suas interações. São Paulo: Instituto Langage; 2017. p. 159-70.

Ambrós TMB, Correa AN, Oliveira LD, Souza APR. A musicalização como intervenção precoce junto a bebê com risco psíquico e seus familiares. Rev. latinoam. psicopatol. fundam, 2017;20(3):560-78.

Trevarthen C, Delafield-Butt JT. Autism as a developmental disorder in intentional movement and affective engagment. Front Integr Neurosci, 2013;7(49):1-16.

Kupfer MCM, Jurusalinsky AN, Bernardino LMF, Wanderley D, Rocha PSB, Molina SE, et al. Valor preditivo de indicadores clínicos de risco para o desenvolvimento infantile: um estudo a partir da teoria psicanalítica. Lat .Am. Journal of Fund. Psychopath, 2009;6(1):48-68.

OUSS L, Saint-Georges C, Robel L, Bordeau N, Laznik MC, Crespin GC, et al. Infants engagment and emotion predictors of autism or intelectual disability in West Syndrome. Eur. Child Adolsc. Psychiatry, 2014; 23(3):143-9.

OLLIAC B, Crespin G, Laznik MC, El Ganouni OCI, Sarradet JL, Bauby C, et al. Infant and dyadic assessment in early community-based screening for autism spectrum disorder with PREAUT grid. PLOS ONE, 2017, 0188831:1-22.

Flores MR, Smeha LN. Bebês com risco de autismo: o não olhar do médico. Ágora, 2013;16(especial):141-57.

Tamanaha AC, Mateleto MRF, Perissionoto J. The interference of expressive language status on autism behaviour check list scores in verbal and non-verbal autistic children. Audiol Commun Res., 2014; 19(2):167-70.

Polyak A, Kubina RM, Girirajan S. Comorbity of intelectual disability confounds ascertainment of autism: implications for genetic diagnosis. American J Med Genet, Neuropsychiat Genet, 2015;part B( 9999):1-9.

MURATORI, F. O diagnóstico precoce no autismo: guia prático para pediatras. Salvador: Núcleo Interdisciplinar de Intervenção Precoce da Bahia; 2014. 89p.

Bayley Scales of Infant and Toddler Development. Third edition. Administration Manual. San Antonio, TX: The Psychological Corporation; 2006.

Crestani AH, Moraes AB, Souza APR. Análise da associação entre índices de risco ao desenvolvimento infantil e produção inicial de fala entre 13 e 16 meses. Rev. CEFAC, 2015;17(1):169-76.

Publicado
2018-08-30
Seção
Artigos Originais