<b>Perfil do Uso do Programa Avaliacional Sapori em Paralelo à Necessidade da Densitometria Mineral Óssea em Amostra de Mulheres Pós-Menopáusicas da Cidade de Catanduva-SP

  • Mauricio Ferraz Arruda fACULDADE DE MEDICINA UNESP BOTUCATU-FMB
  • Luis Gustavo Athanázio Pereira Instituto Municipal de Ensino Superior de Catanduva - IMES
  • Thiago Machado Fávero Instituto Municipal de Ensino Superior de Catanduva - IMES
  • Lucas Langoni Cassettari Faculdade Medicina UNESP Botucatu
  • Antônio Pereira de Souza Junior IMES Catanduva
Palavras-chave: Osteoporose, Avaliação, Densitometria Óssea

Resumo

A osteoporose evidencia-se como um sério problema de saúde pública, pois aumenta consideravelmente o risco da incidência de fraturas em mulheres pós-menopáusicas, principalmente nas mais idosas. Desta forma, toda mulher na pós-menopausa deveria ser avaliada quanto ao risco de osteoporose ao ser atendida nos serviços de saúde, uma vez que a intervenção precoce para manutenção ou aumento de massa óssea podem reduzir o risco de fratura. Assim, foi testada através de estudo populacional a viabilidade do software livre SAPORI em mulheres em idade pós-menopáusicas do município de Catanduva - SP, como protocolo para avaliação sugestivo à necessidade de DMO para o diagnóstico da osteoporose, sendo este uma forma simples, rápida e barata, tanto para o paciente quanto para os órgãos públicos. Foram avaliadas cinquenta (50) mulheres com idade entre 55 e 65 anos (pós-menopáusicas), de etnia e classes sociais randomizadas. As mesmas foram abordadas e convidadas a participar do projeto através de divulgação verbal. O delineamento do estudo foi do tipo transversal por questionamento, pautado nos dados avaliativos do programa SAPORI (Unifesp). Através da análise dos dados confirmou-se assim, o programa avaliacional SAPORI, como uma estratégia simples e de baixo custo que possibilitou a identificação dos indivíduos com maiores riscos de fraturas por osteoporose em paralelo à realização ou não da densitometria mineral óssea.

Biografia do Autor

Mauricio Ferraz Arruda, fACULDADE DE MEDICINA UNESP BOTUCATU-FMB
Pós-Doutorando pelo Departamento de Cirurgia e Ortopedia da Faculdade de Medicina da Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho” – UNESP, Campus Botucatu; Docente do Departamento de Ciências da Saúde do Instituto Municipal de Ensino Superior de Catanduva – IMES
Luis Gustavo Athanázio Pereira, Instituto Municipal de Ensino Superior de Catanduva - IMES
Fisioterapeuta pelo Instituto Municipal de Ensino Superior de Catanduva – IMES
Thiago Machado Fávero, Instituto Municipal de Ensino Superior de Catanduva - IMES
Fisioterapeuta pelo Instituto Municipal de Ensino Superior de Catanduva – IMES
Lucas Langoni Cassettari, Faculdade Medicina UNESP Botucatu
Doutorando do Departamento de Bases da Cirurgia Geral da Faculdade de Medicina da Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho” – UNESP, Campus Botucatu.
Antônio Pereira de Souza Junior, IMES Catanduva
Mestre em Saúde da Comunidade pela Universidade de São Paulo-USPSP; Docente do Departamento de Ciências da Saúde do Instituto Municipal de Ensino Superior de Catanduva – IMES
Publicado
2013-07-12
Seção
Artigos Originais