TEORIA PURA DO DIREITO E POSITIVISMO JURÍDICO: A INFLUÊNCIA DO NORMATIVISMO EM HANS KALSEN E SEUS IMPACTOS

Palavras-chave: Direito, Hans Kelsen, Normativismo, Positivismo Jurídico, Teoria Pura do Direito

Resumo

Hans Kelsen é considerado um dos principais agentes para a transformação e compreensão do Direito enquanto Ciência, sendo sua obra Teoria Pura do Direito uma das mais notáveis e discutidas no contexto jurídico brasileiro contemporâneo, fomentando uma série de debates entre os defensores e os críticos do pensamento de Kelsen. O artigo busca analisar a obra de Hans Kelsen e sua teoria acerca da pureza do Direito sob a ótica do positivismo (normativismo) jurídico, verificando quais os principais impactos da correlação entre o positivismo jurídico e a teoria pura do direito de Kelsen sob a ótica dos estudos jurídicos da atualidade. Leva-se em consideração, para tanto, a discussão mais atual sobre a norma básica (fundamental e hipotética), central no pensamento kelseniano. Com ênfase, discute-se a problemática da norma básica de Kelsen, questionando o seu fundamento de validade filosófico: é ela um fundamento jusnaturalista ou positivista? A hipótese preliminar apresentada implica em refletir que, enquanto hipotética, pressuposta e fundamental, a norma básica seria uma espécie de norma metafísica que confere validade ao ordenamento jurídico, isto é, seria um fundamento jusnaturalista para o positivismo kelseniano. Para tanto o método de abordagem utilizado na pesquisa foi o hipotético-dedutivo, com o método de procedimento monográfico, juntamente com a técnica de pesquisa de documentação indireta.

Biografia do Autor

Leilane Serratine Grubba, Faculdade Meridional - IMED
Doutora em Direito com estágio de pós-doutoramento pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) , Professora Permanente do Programa de Pós-graduação Stricto sensu em Direito da Faculdade Meridional - IMED (Mestrado em Direito/IMED). Professora Colaboradora do Mestrado em Psicologia da Faculdade Meridional (PPGP/IMED). Professora da Escola de Direito (IMED), Passo Fundo (RS), Brasil.
Alexandre Marques Silveira, Faculdade Meridional - IMED
Mestre em Direito pela Faculdade Meridional de Passo Fundo (IMED), Passo Fundo (RS), Brasil.

Referências

BOBBIO, Norberto. O positivismo jurídico: lições de filosofia do direito. São Paulo: Ícone, 1995.

BOUCAULT, Carlos Eduardo de Abreu. Hans Kelsen: a recepção da “Teoria Pura” na América do Sul, Particularmente no Brasil. Revista Sequência, Florianópolis, n. 71, p. 95-106, dez. 2015.

COELHO, Fabio Ulhoa. Para entender Kelsen. 4. ed. rev. São Paulo: Saraiva, 2001.

DIMOULIS, Dimitri. Positivismo jurídico: introdução a uma teoria do direito e defesa do pragmatismo jurídico-político. São Paulo: Método, 2006.

FERNANDES, Ricardo Vieira de Carvalho; BICALHO, Guilherme Pereira Dolabella. Do positivismo ao pós-positivismo jurídico: o atual paradigma jusfilosófico constitucional. Revista de informação legislativa, v. 48, n. 189, p. 105-131, jan./mar. 2011.

GODOY, Arnaldo Sampaio de Morais. Introdução ao Realismo Jurídico Norte Americano. Brasília: 2013.

GROSSI, Paolo. Primeira Lição sobre o Direito. Rio de Janeiro: Forense, 2006.

HABERMAS, Jürgen. Conceptions of modernity. In: HABERMAS, Jürgen. The Postnational Constellation. Cambridge: MIT Press, 2001.

HÖFFE, Otfried. Justiça política: fundamentação de uma filosofia crítica do Direito e do Estado. São Paulo: Martins Fontes, 2001.

KELSEN, Hans. On the basic norm. California Law Review. v. 47, número I, p. 107-110. 1959.

KELSEN, Hans. O que é justiça. Tradução de Luís Carlos Borges. 3. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2001.

KELSEN, Hans. Teoria pura do direito. 6. ed. São Paulo: Martins Fontes, 1998.

LARENZ, Karl. Metodologia da ciência do direito. 3. ed. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 1991.

LIMA, Renata Albuquerque; MAGALHÃES, Átila de Alencar Araripe; AGUIAR JÚNIOR, Carlos Augusto M. de. O Caráter Anti-ideológico da Teoria Pura do Direito. Revista Sequência, Florianópolis, n. 72, 2016. p. 169.

LUZ, Vladimir de Carvalho. Neopositivismo e teoria pura do direito. Revista Sequência, Florianópolis, n. 47, p. 11-31, dez. 2003.

MATA-MACHADO, Edgar de Godoi. Elementos de teoria geral do direito. Belo Horizonte: Líder, 2005.

MATOS, Andityas Soares Moura. Filosofia do direito e justiça na obra de Hans Kelsen. 2. ed. Belo Horizonte: Del Rey, 2006.

REALE, Miguel. Filosofia do direito. 14. ed. São Paulo: Saraiva, 1991.

REIS, Isaac. Interpretação na Teoria Pura do Direito. Revista Sequência, Florianópolis, n. 45, p. 11-30, dez. 2002.

ROCHA, Leonel Severo. O sentido político da Teoria Pura do Direito. Revista Sequência, Florianópolis, n. 9, p. 57-75, jun. 1984.

ROSS, Alf. Direito e justiça. São Paulo: Edipiro, 2000.

SIQUEIRA, Dirceu Pereira. Breves considerações sobre a teoria pura de Hans Kelsen. Revista de Direitos Fundamentais e Democracia, Curitiba, v. 10, n. 10, p. 201-223, jul./dez. 2011.

TERRA, Ricardo. A política tensa: ideia e realidade na filosofia da história de Kant. São Paulo: Iluminuras, 1995.

Publicado
2021-08-31
Seção
Doutrinas