A “PRODUÇÃO DE CESARIANAS” DURANTE A ASSISTÊNCIA PRÉ-NATAL NO SUL DO BRASIL

Palavras-chave: Biopolítica, Cesárea, Medicalização, Pré-natal, Risco

Resumo

O artigo tematiza a produção de relações de saber-poder no âmbito da assistência pré-natal em uma Unidade Básica de Saúde (UBS) cujo foco é saúde voltada para o pré-natal, localizada em um município do Sul do Brasil. Procura-se analisar, por meio do marco teórico biopolítico (Michel Foucault), como se dá o controle dos corpos das gestantes por meio da imposição de um saber autorizado/autoritário sobre o processo de gestação e parto, por meio da banalização do procedimento das cesáreas. Indaga-se, portanto, sobre como se exercem diferentes formas de controle sobre os corpos femininos no âmbito da assistência pré-natal, buscando evidenciar o caráter biopolítico dessas intervenções e analisando de que modo esses corpos reagem a elas. A partir de um estudo qualitativo, realizado na referida UBS, por meio de entrevistas semiestruturadas com gestantes, analisa-se quais são os dispositivos biopolíticos acionados durante a assistência, e como se dão as subjetivações das gestantes em relação a esses dispositivos.

Biografia do Autor

Maiquel Ângelo Dezordi Wermuth, Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul - UNIJUÍ
Doutor em Direito Público pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos (UNISINOS). Professor-Coordenador do PPG em Direito da Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul (UNIJUÍ), Brasil.
Paulo Ricardo Favarin Gomes, Universidade do Vale do Rio dos Sinos - UNISINOS
Mestre em Saúde Coletiva (UNISINOS). Enfermeiro graduado pela Universidade FEEVALE, Brasil.
Laura Cecília López, Universidade do Vale do Rio dos Sinos - UNISINOS
Doutora em Antropologia Social pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Professora do PPG em Saúde Coletiva e do PPG em Ciências Sociais da Universidade do Vale do Rio dos Sinos (UNISINOS), Brasil.

Referências

AYUB, J. P. Introdução à analítica do poder de Michel Foucault. São Paulo: Intermeios, 2014.

BAZZICALUPO, L. Biopolítica: um mapa conceitual. Tradução: Luisa Rabolini. São Leopoldo: UNISINOS, 2017.

BRASIL. Portaria 569 de 1 de junho de 2000. Brasil: Ministério da Saúde, 2000.

BRASIL. Portaria 1.459 de 24 de junho de 2011. Institui no âmbito do Sistema Único de Saúde a Rede Cegonha. Brasil: Ministério da Saúde, 2011.

CANDIOTTO, C. Foucault: Biopoder, biopolítica e Governamentalidade. In: NEUTZLING, I.; RUIZ, C. M. M. B. (org.). O (des)governo bipolítico da vida humana. São Leopoldo: Casa Leiria, 2011.

CAREGNATO, R. C. A.; MUTTI, R. Pesquisa Qualitativa: Análise de discurso VS Análise de conteúdo. Texto Contexto Enfermagem, Florianópolis, v. 15, n. 4, p. 679-684, 2015.

DAVIS-FLOYD, R. E. The Technocratic Body: American childbirth as cultural expression. Social Science & Medicine, v. 38, n. 8, p. 1125-1140, 1994.

DOMINGUES, R. M. S. S.; DIAS, M. A. B.; NAKAMURA-PEREIRA, M.; TORRES, J. A.; D’ORSI, E.; PEREIRA, A. P. E.; SCHILITHZ, A. O. C.; LEAL, M. C. Processo de decisão pelo tipo de parto no Brasil: da preferência inicial das mulheres à via de parto final. Cadernos de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 30, p. S101-S116, 2014.

ESCOBAR, A. J. V. Genealogia e política. In: RIBEIRO, R. J. (org.). Recordar Foucault: os textos do Colóquio Foucault. São Paulo: Brasiliense, 1985. p. 209- 218.

FAYA ROBLES, A. Da gravidez de “risco” às “maternidades de risco”. Biopolítica e regulações sanitárias nas experiências de mulheres de camadas populares de Recife. Physis: Revista de Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 25, n. 1, p. 139-169, 2015.

FERNANDES, J. A.; CAMPOS, G. W. de S.; FRANCISCO, P. M. S. B. Perfil das gestantes de alto risco e a cogestão da decisão sobre a via de parto entre médico e gestante. Saúde debate, Rio de Janeiro, v. 43, n. 121, p. 406-416, 2019.

FOUCAULT, M. O nascimento da medicina social. In: FOUCAULT, M. Microfísica do poder. 18. ed. Rio de Janeiro: Graal, 2003. p. 79-98.

FOUCAULT, M. História da sexualidade I: a vontade de saber. 22. reimpr. Rio de Janeiro: Graal, 2012.

FOUCAULT, M. A sociedade punitiva: curso no Collège de France (1972-1973). São Paulo: WMF Martins Fontes, 2015.

FOUCAULT, M. Subjetividade e verdade. São Paulo: Martins Fontes, 2016.

FOUCAULT, M. Sobre a história da sexualidade. In: FOUCAULT, M. Microfísica do poder. Rio de Janeiro: Graal, 1995. p. 243-276.

LEAL, M. C. et al. Nascer no Brasil. Inquérito Nacional sobre parto e nascimento. 2015. Disponível em: http://www6.ensp.fiocruz.br/nascerbrasil/resultados-esperados/. Acesso em: 8 jul. 2020.

REVEL, J. Dicionário Foucault. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2011.

RIO GRANDE DO SUL. Perfil Socioeconômico: COREDE Vale do Rio dos Sinos. Porto Alegre: Secretaria do Planejamento, Mobilidade e Desenvolvimento Regional; Departamento de Planejamento Governamental, 2015.

RUIZ, C. B. A verdade, o poder e os modelos de subjetivação em Foucault. IHU on-line, 25 de setembro de 2013. Disponível em: http://www.ihu.unisinos.br/noticias/524062-a-verdade-o-poder-e-os-modelos-de-subjetivacao-em-foucault. Acesso em: 11 fev. 2021.

SANTOS, B. de S.; ARAUJO, S.; BAUMGARTEN, M. As Epistemologias do Sul num mundo fora do mapa. Sociologias, Porto Alegre, v. 18, n. 43, p. 14-23, 2016.

TEDESCO, R. P.; MAIA FILHO, N. L.; MATHIAS, L. et al. Fatores determinantes para as expectativas de primigestas acerca da via de parto. Revista brasileira de ginecologia e obstetrícia, v. 26, n. 10, p. 791-798, 2004.

WARMLING, M. C. et al. Práticas sociais de medicalização & humanização no cuidado de mulheres na gestação. Cadernos de Saúde Pública, v. 34, n. 4, p. 1-11, 2018.

WORLD HEALTH ORGANIZATION. WHO statement on Caesarean section rates. 2015. Disponível em: https://apps.who.int/iris/bitstream/handle/10665/161442/WHO_RHR_15.02_eng.pdf?sequence=1. Acesso em: 8 jul. 2020.

Publicado
2021-08-30
Seção
Doutrinas