A PROPOSTA DE UM ÍNDICE DE SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL: INSTRUMENTO PARA O ENFRENTAMENTO DA MUDANÇA CLIMÁTICA

  • Juliana Gerent Universidade Estadual de Maringá - UEM
  • José Carlos Loureiro da Silva Universidade Santa Cecília - UNISANTA
Palavras-chave: Conflitos internacionais ambientais, Governança ambiental, ; Índice de sustentabilidade ambiental, Regimes jurídicos ambientais, Tribunais internacionais

Resumo

Conflitos internacionais têm na via jurisdicional um forte aliado para a sua solução. Com as questões ambientais não é diferente. Entretanto, os problemas transfronteiriços, que envolvem recursos naturais, exigem mais do que aplicação de leis por envolverem questões econômicas, sociais, interesses da humanidade e aplicação de princípios específicos. Da análise dos casos concretos julgados pela Corte Internacional de Justiça e pelo Tribunal Internacional do Direito do Mar conclui-se que eles não estão alinhados com a efetiva proteção ambiental. Tais constatações exigiram uma mudança de paradigma. Os Estados inauguraram, sob os holofotes da governança ambiental, as Convenções-Quadro e os regimes ambientais internacionais com mecanismos próprios para solução de controvérsias. A questão imposta é se os meios jurisdicionais ou baseados nos citados regimes são eficazes na solução de conflitos transfronteiriços. E se a elaboração do Índice de Sustentabilidade Ambiental poderia ser mais um instrumento capaz de intimidar os Estados a ponto de fazê-los cumprir, voluntariamente, suas obrigações ambientais assumidas no âmbito internacional.

Biografia do Autor

Juliana Gerent, Universidade Estadual de Maringá - UEM
Doutora em Direito Ambiental Internacional - Universidade Católica de Santos (UniSantos). Doutorado Sanduíche na Universidad de Valencia/Espanha. Ex-bolsista da CAPES. Professora colaboradora do Departamento de Direito Privado da Universidade Estadual de Maringá (UEM), Maringá (PR), Brasil.
José Carlos Loureiro da Silva, Universidade Santa Cecília - UNISANTA
Pós doutorando em Direito da Saúde na Universidade Santa Cecília, Santos (SP). Doutor em Direito Ambiental Internacional, Universidade Católica de Santos (UniSantos). Doutorado Sanduíche na Universidade Aberta de Lisboa/Portugal. Ex-bolsista da CAPES. Promotor aposentado do Estado de São Paulo (SP), Brasil.

Referências

AMBIENT Air Pollution: a global assessment of exposure and burden of disease. World Health Organization, 2016, p. 44. Disponível em: https://apps.who.int/iris/bitstream/handle/10665/250141/9789241511353-eng.pdf?sequence=1. Acesso em: 01 jan. 2019

AMIDST the debris [...] A desktop study on the environmental and public health impact of Syria´s conflict. October 2015. Disponível em: https://www.paxforpeace.nl/publications/all-publications/amidst-the-debris. Acesso em: 09 jan. 2019

BARTELMUS, P. A contabilidade verde para o desenvolvimento sustentável. In: MOTA, R. S.; MAY, P. H. (org.). Valorando a natureza: análise econômica para o desenvolvimento sustentável. Rio de Janeiro: Campus, 1994.

BBC News. As justificativas do Japão para liberar a caça de baleias após 30 anos de proibição. BBC News, 7 setembro 2018. Disponível em: https://www.bbc.com/portuguese/geral-45445039. Acesso em: 06 mar. 2019.

BELLEN, H. M. V. Indicadores de sustentabilidade: uma análise comparativa. 2. ed. Rio de Janeiro: FGV, 2006.

BRUNNÉE, J. Enforcement mechanisms is international law and international environmental law. In: BEYERLIN, U.; STOLL, P. T.; WOLFRUM, R. Ensuring compliance with multilateral environmental agreements: a dialogue between practitioners and academia. Leiden, Boston: Martinus Nijhoff publishers, 2006, p. 1-23

CONSTANZA, R. Economia ecológica: uma agenda de pesquisa. In: MOTA, R. S.; MAY, P. H. (org.). Valorando a natureza: análise econômica para o desenvolvimento sustentável. Rio de Janeiro: Campus, 1994.

FAURE, M.; LEFEVERE, J. Compliance with international environmental agreements. In: VIG, N. J.; AXELROD, R. S. The global environment: Institutions, law and policy: a division of congressional quarterly Inc. Washington, D.C., 1999, p. 138-156.

FITZMAURICE, M. The international court of justice and environmental disputes. In: FRENCH, D.; SAUL, M.; WHITE, N. D. (ed.). International law and dispute settlement: new problems and techniques. Oxford and Portland, Oregon, 2010, p.17-56.

G1 Natureza. Países precisam triplicar esforços para alcançar objetivo do Acordo de Paris até 2030. G1 Natureza, 27/11/2018. Disponível em: https://g1.globo.com/natureza/noticia/2018/11/27/paises-precisam-triplicar-esforcos-para-alcancar-objetivo-do-acordo-de-paris-ate-2030.ghtml. Acesso em: 01 mar. 2019.

GILLROY, J. M. Adjudication norms, dispute settlement regimes and international tribunals: the status of “environmental sustainability” in international jurisprudence. In: STANFORD Journal of International Law. Leland Stanford Junior University, 2006. Disponível em: http://p.unisantos.br/academic.lexisnexis.eu/. Acesso em: 10 fev. 2014.

GONÇALVES, A. Regimes internacionais como ações de governança global. International regimes as global governance actions. Meridiano 47, v. 12, n. 125, p. 40-45, maio/jun. 2011.

HERNÁNDEZ, Á. J. R. Nuevas técnicas jurídicas para la aplicación de los tratados internacionales de medio ambiente. p. 189. Disponível em: https://www.academia.edu/10955595/Nuevas_t%C3%A9cnicas_jur%C3%ADdicas_para_la_aplicaci%C3%B3n_de_los_tratados_internacionales_de_medio_ambiente. Acesso em: 11 set. 2014.

INTERNATIONAL COURT OF JUSTICE. Cases. Case concerning pulp mills on the river Uruguay (Argentina v. Uruguay). 20 April 2010. Disponível em: http://www.icj-cij.org/docket/files/135/15877.pdf. Acesso em: 21 ag. 2013.

INTERNATIONAL TRIBUNAL FOR THE LAW OF THE SEA. The Mox plant case: Request for provisional measures. Disponível em: https://www.itlos.org/fileadmin/itlos/documents/cases/case_no_10/Order.03.12.01.E.pdf. Acesso em: 05 ago. 2014

IPS. INTER PRESS SERVICE. Agência de Notícias. Ambiente, vítima da guerra na Síria, 15 de outubro 2018. Disponível em: http://www.ipsnoticias.net/portuguese/2015/11/ultimas-noticias/ambiente-vitima-da-guerra-na-siria/. Acesso em: 09 jan. 2019.

JOINT RESEARCH CENTRE. Emissions Database for Global Atmospheric Research – EDGAR. Fossil CO2 emissions of all world countries, 2018 report. Disponível em: http://edgar.jrc.ec.europa.eu/overview.php?v=booklet2018. Acesso em: 01 mar. 2019.

KISS, A. Reporting obligations and assessment of reports. In: BEYERLIN, U.; STOLL, P. T.; WOLFRUM, R. Ensuring compliance with multilateral environmental agreements: a dialogue between practitioners and academia. Leiden, Boston: Martinus Nijhoff publishers, 2006, p. 229-245.

LAUNCH version report. Progresso n drinking water, sanitation and hygiene, 2017. World Health Organization, UNIFEC, July 12 main. Disponível em: https://www.who.int/mediacentre/news/releases/2017/launch-version-report-jmp-water-sanitation-hygiene.pdf?ua=1. Acesso em: 01 mar. 2019.

LEHMEN, A. Direito e governança ambiental global. Tese (Doutorado em Direito) - Universidade federal do Rio Grande do Sul. Porto Alegre, 2013. Disponível em: http://www.lume.ufrgs.br/bitstream/handle/10183/77189/000895702.pdf?sequence=1. Acesso em: 22 ago. 2014.

MATZ, N. Financial and other incentives for complying with MEA obligations. In: BEYERLIN, U.; STOLL, P. T.; WOLFRUM, R. Ensuring compliance with multilateral environmental agreements: a dialogue between practitioners and academia. Leiden, Boston: Martinus Nijhoff publishers, 2006, p. 301-318.

NAÇÕES UNIDAS. Convenção Quadro sobre Mudança do Clima. Conferência das Partes. Vigésima primeira sessão. Paris, 30 de novembro a 11 de dezembro de 2015. Disponível em: https://nacoesunidas.org/wp-content/uploads/2016/04/Acordo-de-Paris.pdf. Acesso em: 01mar. 2019.

NEIL, C. Deliberation and legitimacy in transnational environmental governance: the case of environmental impact assessment. In: INTERNATIONAL Law and Justice Working Papers. New York: University School of Law, 2012.

OPAS Brasil. 2,1 bilhões de pessoas não têm água potável em casa e mais do dobro não dispõem de saneamento seguro. OPAS Brasil, 12 de julho de 2017. Disponível em https://www.paho.org/bra/index.php?option=com_content&view=article&id=5458:oms-2-1-bilhoes-de-pessoas-nao-tem-agua-potavel-em-casa-e-mais-do-dobro-nao-dispoem-de-saneamento-seguro&Itemid=839. Acesso em: 01 mar. 2019.

ORGANIZACIÓN MUNDIAL DE LA SALUD. Nueve de cada diez personas de todo el mundo respiram aire contaminado. 2 de mayo de 2018. Disponível em: https://www.who.int/es/news-room/detail/02-05-2018-9-out-of-10-people-worldwide-breathe-polluted-air-but-more-countries-are-taking-action. Acesso em: 01 jan. 2019.

PAX. P. Are you in? Disponível em: https://www.paxforpeace.nl/our-work/our-work. Acesso em: 09 jan. 2019.

PEREIRA, A. C.; SILVA, G. Z.; CARBONARI, M. E. E. Sustentabilidade, responsabilidade social e meio ambiente. São Paulo: Saraiva, 2011

PERMANENT COURT OF ARBITRATION. Irlanda v. Reino Unido (case Mox plant). Disponível em: http://www.pca-cpa.org/showpage.asp?pag_id=1148. Acesso em 06 ag. 2014.

PRESS RELEASE n. 45⁄06. Judgment of the court of justice in case C-459⁄03. Disponível em: http://curia.europa.eu/jcms/upload/docs/application/pdf/2009-02/cp060045en.pdf. Acesso em: 06 ago. 2014.

RAUSTIALA, K.; VICTOR, D. G. Conclusions. In: VICTOR, D. G.; RAUSTIALA, K.; SKOLNIKOFF, E. B. The implementation and effectiveness of international environmental commitments: theory and practice. Laxenburg, Áustria: International Institute for Applied Systems Analysis, 1998, p. 659-707.

REI, F. C. F. Los aspectos jurídico-internacionales de los câmbios climáticos. 2014. Tese (Doutorado em Direito) - Universidade de Alicante, Espanha, 1993⁄1994. Disponível em: http://rua.ua.es/dspace/handle/10045/3356. Acesso em: 01 set. 2014.

ROMANO, P. R. C. The peaceful settlment of international environmental disputes: a pragmatic approach. London: Kluwer Law International, 2000. (International Environmental Law and Policy Series, v. 56).

SACHS, I. Desenvolvimento: includente, sustentável, sustentado. Rio de Janeiro: Garamond, 2008.

SAYÃO, V. Países mais pobres são os mais afetados por mudanças climáticas e poluição. São Paulo: Instituto de Estudos Avançados da Universidade de São Paulo, 10/11/2017. Disponível em: http://www.iea.usp.br/noticias/paises-mais-pobres-sao-os-mais-afetados-por-mudancas-climaticas-e-poluicao. Acesso em: 18 jan. 2019.

SHELTON, D. Common Concern of Humanity. Iustum Aequum Salutare, v. 2009/1, p. 33-40. Disponível em http://ias.jak.ppke.hu/hir/ias/20091sz/05.pdf. Acesso em: 08 mar. 2019.

SILVA, J. C. L. A migração haitiana para o Brasil: lacunas de proteção aos deslocados ambientais. 2015. 95f. Tese (Doutorado em Direito) – Universidade Católica de Santos. Santos, 2015.

TANAKA, M. Lessons from the protracted mox plant dispute: a proposed protocol on marine environmental impact assessment the united nations convention on the law of the sea. Michigan journal of international law, 2004. Disponível em: http://academic.lexisnexis.eu/. Acesso em: 06 ag. 2014.

DOYLE, A. Desmatamento no mundo em 2017 atinge área do tamanho da Itália, diz estudo. Terra, Mundo, 27 junho 2018. Disponível em: https://www.terra.com.br/noticias/mundo/desmatamento-no-mundo-em-2017-atinge-area-do-tamanho-da-italia-diz-estudo,a39571699d3abe8d36e39dbb0fd90638zhrp7k1x.html. Acesso em: 01 jan. 2019.

UNITED NATIONS. World water development report 2018. 19 March 2018. Disponível em: http://www.unwater.org/publications/world-water-development-report-2018/. Acesso em: 01 jan. 2019.

UNITED NATIONS ENVIRONMENT PROGRAMME. Sick water. 18 August 2016. Disponível em: https://www.unenvironment.org/news-and-stories/story/sick-water. Acesso em: 01 mar. 2019.

VARELLA, M. D.; OLIVEIRA, V. E. T. Da unidade à fragmentação do direito internacional: o caso Mox Plant. Revista da Faculdade de Direito da UFMG, n. 54, 2009. Disponível em: https://www.direito.ufmg.br/revista/index.php/revista/article/view/95/89. Acesso em: 06 ago 2014.

VEIGA, J. E. da. Desenvolvimento sustentável: o desafio do século XXI. Rio de Janeiro: Garamond, 2005.

WEISS, T. G. The emerging structure of international environmental law. In: VIG, N. J.; AXELROD, R. S. The global environment. Institutions, law and policy: a division of congressional quarterly. Washington, D.C., 1999, p. 98-115.

WEISS, T. G. The UN´s role in global governance. In: UN INTELLECTUAL history project. Briefing note number, 15. August 2009, p. 1-2. Disponível em: http://www.unhistory.org/briefing/15GlobalGov.pdf. Acesso em 30 ago. 2015.

WEISSE, M.; GOLDMAN, L. 2017 was the second-worst year on record for tropical tree cover loss. June 27, 2018. Disponível em: https://blog.globalforestwatch.org/data/2017-was-the-second-worst-year-on-record-for-tropical-tree-cover-loss. Acesso em: 01 jan. 2019.

WHALING in the Antarctic. Australia v. Japan: New Zealand intervening, 31 March 2014. Judgment. Disponível em: http://www.icj-cij.org/docket/files/148/18136.pdf. Acesso em: 29 abr. 2015.

WOLFRUM, R.; FRIEDRICH, J. The Framework convention on climate change and the Kyoto protocol. In: BEYERLIN, U.; STOLL, P.T.; WOLFRUM, R. Ensuring compliance with multilateral environmental agreements. A dialogue between practitioners and academia. Leiden, Boston: Martinus Nijhoff publishers, 2006, p. 53-68.

WWF Brasil. As Mudanças Climáticas. Disponível em: https://www.wwf.org.br/natureza_brasileira/reducao_de_impactos2/clima/mudancas_climaticas2/. Acesso em: 01 jan. 2019.

YOUNG, C. E. F. Contabilidade ambiental nacional: fundamentos teóricos e aplicação empírica no Brasil. in: MAY, P. H.; LUSTOSA, M. C.; VINHA, V. (org.). Economia do meio ambiente: teoria e prática. Rio de Janeiro: Elsevier, 2003, p. 102-103.

Publicado
2020-12-23
Seção
Doutrinas