O DIREITO DE FAMÍLIA À LUZ DA MODERNIDADE LÍQUIDA DE ZYGMUNT BAUMAN: AFETIVIDADE, DESPATRIMONIALIZAÇÃO E DINAMICIDADE PARENTAL

Palavras-chave: Afetividade, Família contemporânea, Modernidade líquida, Zygmunt Bauman

Resumo

O presente texto traz uma reflexão em relação às características jurídicas do Direito de Família brasileiro a partir da interdisciplinaridade entre a sociologia e o direito. A problemática é: de que maneira a teoria da modernidade líquida poderia contribuir para garantir uma tratativa adequada dessas realidades contemporâneas no âmbito jurídico? O objetivo do presente estudo consiste em perquirir sobre as características do Direito de Família tendo como parâmetro a teoria da modernidade líquida de Zygmunt Bauman. O método aplicado foi o hipotético-dedutivo, utilizando a técnica de revisão bibliográfica. Nas considerações finais, destaca-se que a afetividade, a despatrimonialização e a dinamicidade parental, características atuais do Direito de Família brasileiro, têm respaldo nos conceitos extraídos da teoria da modernidade líquida, permitindo, assim, a compreensão da família contemporânea com vistas a promover uma tutela jurídica livre de preconceitos.

Biografia do Autor

Luiz Gustavo Tiroli, Universidade Estadual de Londrina - UEL
Mestrando no Programa de Pós-graduação em Educação pelo Centro de Educação, Comunicação e Artes da Universidade Estadual de Londrina (UEL), Londrina (PR), Brasil.
Rozane da Rosa Cachapuz, Universidade Estadual de Londrina - UEL
Doutora em Direito das Relações Sociais pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUCSP); Mestra em Direito Negocial pela Universidade Estadual de Londrina (UEL/PR); Coordenadora do curso de Pós-graduação em Direito de Família e Sucessões: Teoria e Prática na Universidade Estadual de Londrina (UEL), Londrina (PR), Brasil.

Referências

BAUMAN, Zygmunt. O mal-estar da pós-modernidade. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1998.

BAUMAN, Zygmunt. Modernidade líquida. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2001.

BAUMAN, Zygmunt. Amor líquido: sobre a fragilidade dos laços humanos. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2004.

BAUMAN, Zygmunt. Vida líquida. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2007.

BRASIL. Lei 10.406 de 10 de janeiro de 2002. Institui o Código Civil brasileiro. Brasília. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/2002/L10406.htm. Acesso em: 07 abr. 2021.

CALDERÓN, Ricardo. Princípio da afetividade no Direito de Família. 2. ed. Rio de Janeiro: Forense, 2017.

CARBONNIER, Jean. Fressibile diritto: per una sociologia del diritto senza rigore. Milano: Giufrè, 1997.

CASSETTARI, Christiano. Multiparentalidade e parentalidade socioafetiva: efeitos jurídicos. São Paulo: Atlas, 2014.

COULANGES, Fustel de. A cidade antiga. Trad. Heloisa da Graça Burati. São Paulo: Rideel, 2005.

CORRÊA, José Lamartine; MUNIZ, Francisco. Direito de Família: direito matrimonial. Porto Alegre: Sergio Fabris, 1990.

DIAS, M. B. Manual de direito das famílias. 9. ed. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2013.

DUSSEL, Enrique. Europa, modernidade e eurocentrismo. In: LANDER, Edgardo (org.). A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais. Perspectivas latino-americanas. São Paulo: Clacso, 2005.

FACHIN, Luiz Edson. Direito de Família: elementos críticos à luz do novo código civil brasileiro. 2. ed. Rio de Janeiro: Renovar, 2003.

FIÚZA, César Augusto de Castro. Mudança de paradigmas: do tradicional ao contemporâneo. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE DIREITO DE FAMÍLIA. A FAMÍLIA NA TRAVESSIA DO MILÊNIO, 2., 2000, Belo Horizonte. Anais [...]. Belo Horizonte: Del Rey, 2000. p. 27-38.

GAGLIANO, Pablo Stolze. O contrato de doação: análise crítica do atual sistema jurídico e os seus efeitos no Direito de Família e das sucessões. 4. ed. São Paulo: Saraiva, 2014.

GALBRAITH, John Kenneth. A era da incerteza. 8. ed. São Paulo: Pioneira, 1988.

GOMES, Aguinaldo José da Silva; RESENDE, Vera da Rocha. O pai presente: o desvelar da paternidade em uma família contemporânea. Psicologia: Teoria e Pesquisa, v. 20, n. 2, p. 119-125, maio/ago., 2004.

GOMES, Orlando. O novo direito de família. Porto Alegre: Sergio Antonio Fabris Editor, 1984.

GRAU, Eros Roberto. Ensaio e discurso sobre a interpretação/aplicação do direito. 5. ed. rev. e ampl. São Paulo: Malheiros, 2009.

GROSSI, Paolo. Mitologias jurídicas da modernidade. Trad. Arno Dal Ri Júnior. 2. ed. Florianópolis: Boiteux, 2007.

GRISARD FILHO, Waldyr. Guarda compartilhada: um novo modelo de responsabilidade parental. São Paulo: Editora Revista dos Tribunais, 2014.

HABERMAS, J. O discurso filosófico da modernidade. Tradução de Luiz Sérgio Repa e Rodnei Nascimento. São Paulo: Martins Fontes, 2002.

HARNACK, Darwinn. Co-parenting: reflexões acerca do compartilhamento de paternidade ou maternidade. Belo Horizonte: IBDFAM, 2014. Disponível em: http://www.ibdfam.org.br/artigos/938/Co Parenting+%E2%80%93+Reflex%C3%B5es+acerca+do+compartilhamento+de+paternidade+ou+ma ernidade. Acesso em: 07 abr. 2021.

HORKHEIMER, Max. Autoridade e família. In: HORKHEIMER, Max. Teoria crítica: uma documentação. Trad. Hilde Cohn. São Paulo: Perspectiva, 1990.

IBDFAM. Assessoria de Comunicação do Instituto Brasileiro de Direito de Família. Homologado primeiro acordo de parentalidade em São Paulo. Belo Horizonte: IBDFAM, 2019. Disponível em: http://www.ibdfam.org.br/noticias/7046/Homologado+primeiro+acordo+de+parentalidade+em+S%C3%A3o+Paulo. Acesso em: 07 abr. 2021.

JAYME, Erik. Pós-modernismos e direito de família. Boletim da Faculdade de Direito de Coimbra. Coimbra, 2002.

KREUZ, Sergio Luiz. Direito à convivência familiar da criança e do adolescente. Curitiba: Juruá, 2012.

LAKATOS, Eva Maria; MARCONI, Marina de Andrade. Fundamentos de metodologia científica. 6. ed. São Paulo: Atlas, 2009.

LEITE, Eduardo de Oliveira. Tratado de direito de família: origem e evolução do casamento. Curitiba: Juruá, 1991.

LIPOVETSKY, Gilles. Tempos hipermodernos. Trad. Mário Vilela. São Paulo: Barcarolla, 2004.

LIPOVETSKY, Gilles. A sociedade pós-moralista: o crepúsculo do dever e a ética indolor dos novos tempos democráticos. Trad. Armando Braio Ara. Barueri: Manole, 2005.

LÔBO, Paulo Luiz Netto. Despatrimonialização do Direito de Família. Revista do Tribunal de Justiça do Estado do Maranhão, São Luís, v. 1, n. 1, p. 25-35, jan./dez., 2011.

LYOTARD, Jean-François. A condição pós-moderna. Trad. Ricardo Corrêa Barbosa. 7. ed. Rio de Janeiro: José Olympio, 2002.

LYRA FILHO, Roberto. O que é direito. São Paulo: Brasiliense, 2006.

MATOS, Ana Carla Harmatiuk. Perspectiva civil constitucional. In: DIAS, Maria Berenice (coord.). Diversidade sexual e direito homoafetivo. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2011.

MORIN, Edgar. Introdução ao pensamento complexo. Trad. Elaine Lisboa. 4. ed. Porto Alegre: Sulina, 2011.

O’ DONNELL, D. La doctrina de la protección integral y las normas jurídicas vigentes en relación a la familia. Ciudad de México, 2004.

PAIANO, Daniela Braga. A família atual e as espécies de filiação: possibilidade jurídica da multiparentalidade. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2017.

PEREIRA, Rodrigo da Cunha. Princípio da afetividade. In: DIAS, Maria Berenice (coord.). Diversidade sexual e direito homoafetivo. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2011.

PEREIRA, Rodrigo da Cunha. Concubinato e união estável. 8. ed. rev. e atual. São Paulo: Saraiva, 2012.

PEREIRA, Rodrigo da Cunha. Dicionário de direito de família e sucessões: ilustrado. São Paulo: Saraiva, 2015.

PERLINGIERI, Pietro. Nozioni introduttive e principi fondamentali del diritto civile. 2. ed. Napoli: Edizioni Scientifiche Italiane, 2004.

RODOTÁ, Stefano. Diritto D’amore. Bari: Laterza, 2015.

RUZYK, Carlos Eduardo Pianovski. Famílias simultâneas: da unidade codificada à pluralidade constitucional. Rio de Janeiro: Renovar, 2005.

SCHREIBER, Anderson. Manual de direito civil contemporâneo. 2. ed. São Paulo: Saraiva, 2019.

SOUZA, Raquel Pacheco Ribeiro de. A tirania do guardião. In: SILVA, Evandro Luiz; RESENDE, Mário (org.). Síndrome de alienação parental e tirania do guardião: aspectos psicológicos, sociais e jurídicos. Porto Alegre: Equilíbrio, 2008.

STF. Supremo Tribunal Federal. Súmula 380. Disponível em: http://www.stf.jus.br/portal/jurisprudencia/menuSumarioSumulas.asp?sumula=2482. Acesso em: 07 abr. 2021.

STF. Supremo Tribunal Federal. Recurso extraordinário 1045273-SE. Relatoria ministro Alexandre de Moraes. Disponível em: https://portal.stf.jus.br/processos/detalhe.asp?incidente=5181220. Acesso em: 07 abr. 2021.

STF. Supremo Tribunal Federal. Recurso extraordinário 898.060 SC. Relator ministro Luiz Fux. Disponível em: https://redir.stf.jus.br/paginadorpub/paginador.jsp?docTP=TP&docID=13431919. Acesso em: 07 abr. 2021.

TARTUCE, Flávio. O companheiro como herdeiro necessário. Migalhas, 25 de julho de 2018. Disponível em: https://www.migalhas.com.br/coluna/familia-e-sucessoes/284319/o-companheiro-como-herdeiro-necessario. Acesso em: 07 abr. 2021.

TEPEDINO, Gustavo. A disciplina civil-constitucional das relações familiares. In: COMMAILLE, Jacques et al. A nova família: problemas e perspectivas. Rio de Janeiro: Renovar, 1997.

TIROLI, Luiz Gustavo; TORRES, Glaucia Cardoso Teixeira. O contrato de namoro e sua (in)eficácia jurídica no ordenamento brasileiro. Revista IBDFAM: famílias e sucessões, Belo Horizonte, v. 38, mar./abr., 2020.

TIROLI, Luiz Gustavo; CACHAPUZ, Rozane da Rosa. O direito fundamental à convivência em tempos de pandemia: o acordo de parentalidade como mecanismo de efetivação da guarda compartilhada. In: SEMINÁRIO INTERNACIONAL SOBRE DIREITOS HUMANOS FUNDAMENTAIS: DIREITOS FUNDAMENTAIS DE PRIMEIRA DIMENSÃO: DIREITOS CIVIS E POLÍTICOS, 6., 2020, Niterói. Anais [...]. Niterói: Universidade Federal Fluminense, 2020.

TORRES, Glaucia Cardoso Teixeira; TIROLI, Luiz Gustavo. A guarda compartilhada como mecanismo de enfrentamento à síndrome da alienação parental no contexto jurídico brasileiro. In: SEMANA JURÍDICA DA UEL: DIREITO CIVIL E DIREITOS INDIVIDUAIS, 57., 2019, Londrina. Anais [...]. Londrina: UEL, 2019.

VECCHIATTI, Paulo Roberto Iotti. Manual da homoafetividade: possibilidade jurídica do casamento civil, da união estável e da adoção por casais homoafetivos. Rio de Janeiro: Forense; São Paulo: Método, 2008.

VELOSO, Zeno. Contrato de namoro. Disponível em: http://www.soleis.com.br/. Acesso em: 07 abr. 2021.

XAVIER, Marília Pedroso. Contrato de namoro: amor líquido e Direito de Família mínimo. Orientador: Paulo Roberto Ribeiro Nalin. 2011. Dissertação (Mestrado) - Universidade Federal do Paraná, Setor de Ciências Jurídicas, Programa de Pós-Graduação em Direito, Curitiba, 2011.

Publicado
2021-08-31
Seção
Doutrinas