A INDÚSTRIA CULTURAL E O CARÁTER FICTÍCIO DA INDIVIDUALIDADE NA DEFINIÇÃO DE CONSUMIDOR-COMUNIDADE GLOBAL

Loiane da Ponte Souza Prado Verbicaro, Dennis Verbicaro Soares

Resumo


O presente artigo tem por escopo realizar, por meio de pesquisa teórica, uma análise da conversão da indústria cultural em técnica de manipulação das massas com a consequente formatação do indivíduo e negação da sua individualidade e, nesse cenário, propõe-se a refletir sobre o conceito global de consumidor, diretamente afetado por esses influxos. Em linhas conclusivas, a pesquisa convalida a tese de que o conceito de consumidor ultrapassa fronteiras nacionais e assume uma dimensão internacional, tomando como fator legítimo de discriminação sua vulnerabilidade econômica transnacional diante de necessidades de consumo globais, estimuladas por uma indústria cultural a serviço do consumismo, a pretexto de anunciar uma maior emancipação e liberdade econômica do indivíduo.

Palavras-chave


Consumidor-Comunidade Global; Individualidade Fictícia; Indústria Cultural; Vulnerabilidade Transnacional

Texto completo:

PDF

Referências


ADORNO, Theodor. Indústria Cultural e Sociedade. São Paulo: Paz & Terra, 2015.

ADORNO, HORKHEIMER. Dialética do Esclarecimento. Rio de Janeiro: Zahar, 1985.

ARENDT, Hannah. Entre o Passado e o Futuro. São Paulo: Perspectiva, 1972.

ARENDT, Hannah. A Condição Humana. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2010.

BAUMAN, Zygmunt. A ética é possível num mundo de consumidores? Rio de Janeiro: Zahar, 2011.

BAUMAN, Zygmunt. Vida líquida. Rio de Janeiro: Zahar, 2009.

BAUMAN, Zygmunt. Vida para o consumo: a transformação das pessoas em mercadoria. Rio de Janeiro: Zahar, 2008.

BARBOSA, Fernanda; MULTEDO, Renata. Danos Extrapatrimoniais Coletivos. Revista de Direito do Consumidor, São Paulo, ano 23, v. 93, maio/jun. 2014.

BENJAMIN, Walter. Magia e Técnica, Arte e Política. Ensaios sobre Literatura e História da Cultura. São Paulo: Brasiliense, 1993.

BENJAMIN, Antônio Herman; MARQUES, Cláudia Lima. Extrato do Relatório Geral da Comissão de Juristas do Senado Federal para atualização do Código de Defesa do Consumidor. Revista de Direito do Consumidor, São Paulo, ano 23, v. 93, maio/jun. 2014.

BUJOSA VADELL, Lorenzo. La protección jurisdicional de los intereses de grupo. Barcelona: José María Bosh, 1995.

DEBORD, Guy. La Sociedad del Espetáculo. Valencia: Pré-Textos, 2007.

DE LUCCA, Newton. Direito do Consumidor. São Paulo: Quartier Latin, 2003.

GATTI, Luciano. Theodor W. Adorno: Indústria Cultural e Crítica da Cultura. In: NOBRE, Marcos (Org.). Curso Livre de Teoria Crítica. Campinas: Papirus, 2008.

HOMERO. Odisseia. São Paulo: Martin Claret, 2005.

JIMENEZ, Marc. Para ler Adorno. Rio de Janeiro: Livraria Francisco Alves, 1977.

MARCUSE, Hebert. El Hombre Unidimensional. Barcelona: Seix Barral, 1972.

MARQUES, Cláudia Lima. A proteção dos consumidores em um mundo globalizado: Studium Generale sobre o consumidor como Homo Novus. Revista de Direito do Consumidor, São Paulo, ano 22, v. 85, jan./fev. 2013.

PALHARES, Taisa. Walter Benjamin, Teoria da Arte e Reprodutibilidade Técnica. In: NOBRE, Marcos (Org.). Curso Livre de Teoria Crítica. Campinas: Papirus, 2008.

SELIGMANN-SILVA, Márcio. A Atualidade de Walter Benjamin e de Theodor W. Adorno. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2010.

TERRA, Ricardo. Hebert Marcuse. Os limites do paradigma da revolução: ciência, técnica e movimentos sociais. In: NOBRE, Marcos (Org.). Curso Livre de Teoria Crítica. Campinas: Papirus, 2008.




DOI: http://dx.doi.org/10.17765/2176-9184.2017v17n1p107-131

Indexado
REDIB; Sumários.Org; DOAJ; Ulrich’s International Periodicals Directory; Latindex; RVBI

Revista Jurídica Cesumar - Mestrado
Unicesumar, Maringá (PR), Brasil
Contato: naep@unicesumar.edu.br
ISSN 1677-6402 Impressa
ISSN 2176-9184 On-line

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.